Economia

Acrimat: apesar de consumo, paralisação na indústria pressiona preço da arroba

Crédito: Divulgação

São Paulo, 18/4 – A paralisação temporária (férias coletivas) em diversas unidades frigoríficas em Mato Grosso pressionou a cotação da arroba de boi gordo em março, apesar do consumo de carne bovina estável. A avaliação é da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

“Mais uma vez, o pecuarista paga sozinho a conta e o consumidor final não sente os reflexos efetivos da queda no preço da arroba. A demanda interna se manteve e as exportações em março não foram prejudicadas pelas oscilações de mercado. Mesmo assim, a arroba caiu cerca de 10%”, afirmou o diretor-executivo da Acrimat, Luciano Vacari, em nota.

Segundo a Acrimat, o preço da arroba do boi caiu 4,6% nos últimos 30 dias. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a queda é de 10,6%, passando de R$ 136,8 para R$ 122,27, de acordo com índice do Centro de Estudos Avançados de Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) para Cuiabá.

Ainda de acordo com a associação, o consumo de carne em Mato Grosso não oscilou no último mês e o preço médio do produto se manteve em R$ 21,10/kg, com variação positiva de 0,4% entre março e abril, e as exportações registraram aumento de 8,4% nos embarques na comparação entre março de 2016 e de 2017.

“A desvalorização da arroba do boi gordo é consequência da paralisação de sete plantas frigoríficas no Estado”, diz a Acrimat, apontando que estão suspensos os abates nas unidades da JBS em Juína, Alta Floresta, Pedra Preta e Diamantino, do Marfrig em Tangará da Serra, do Minerva em Várzea Grande e do Frialto de Matupá.

Em Tangará da Serra, a Marfrig anunciou no início do mês que apenas um turno da unidade seria suspenso por dez dias, mas não divulgou os motivos. O Minerva disse que a paralisação de Várzea Grande seria por um período de 20 dias e que a parada era de rotina para manutenção de maquinários e instalações.

Já a JBS paralisou de uma vez 10 de suas 36 unidades de abate de bovinos no Brasil e disse que a medida foi necessária em virtude das suspensões temporárias impostas à carne brasileira por alguns dos principais países importadores, em virtude da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, deflagrada em 17 de março. Além disso, houve retração nas vendas de carne bovina no mercado interno nos últimos dez dias.