As melhores da Dinheiro Rural 2016

A escolha das melhores

Saiba os critérios utilizados para decidir quais são as companhias do agronegócio em destaque no prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2016

Metodologia

Este ranking foi elaborado conforme informações contábeis da base de dados da Boa Vista, da Economática e dos questionários respondidos pelas empresas, conjugando informações contábeis e de gestão corporativa.

As empresas que participaram dos rankings setoriais foram avaliadas exclusivamente pelos critérios financeiros. Os rankings setoriais englobaram as seguintes categorias: Açúcar e Biocombustíveis (Conglomerados, Grande e Médio Porte); Agroquímicos Fertilizantes; Bebidas; Café; Grãos; Laticínios; Máquinas e Implementos Agrícolas; Moinhos, Massas e Pães; Papel, Celulose e Reflorestamento; Nutrição Animal; e Óleos Vegetais.76

As empresas que responderam ao questionário completo foram divididas por categoria de Receita Líquida (2015) e foram avaliadas pelo aspecto financeiro, de gestão corporativa e pelo combinado das duas dimensões. Este ranking por categoria de receita contempla os seguintes agrupamentos, independentemente do setor: Cooperativas Agrícolas, Médias do Agronegócio Direto (de R$ 100 milhões a R$ 500 milhões), Grandes do Agronegócio Direto (de R$ 500 milhões a R$ 5 bilhões), Grandes do Agronegócio Indireto (de R$ 400 milhões a R$ 5 bilhões) e Conglome-rados (maior que R$ 5 bilhões), com a uma subdivisão entre empresas com negócios relacionados diretamente e as indiretamente relacionadas ao agronegócio. O enquadramento do segmento foi feito através da Classificação Nacional de Atividades Eco-nômicas (CNAE) e as empresas foram identificadas e distinguidas por um único CNPJ.

Notas explicativas:

  • A base de dados da Boa Vista SCPC considera balanços e demonstrações de resultados não consolidados, podendo ocorrer casos em que empresas sejam consolidadas em outro grupo ou em outras empresas, podendo assim ultrapassar o limite superior da amostra.
  • A base de dados financeiros da Economática e do Questionário é, em regra, baseada em demonstrações consolidadas.
  • As informações da base de dados não foram auditadas pelos responsáveis pela análise, os consultores Miguel Arab e Anderson Martins.
  • Em caso de dúvida em relação aos dados, foi aplicado o critério de conservadorismo.
  • Eventos supervenientes a 31/12/2015  e/ou mudanças qualitativas de gestão e governança das empresas não puderam ser captados pela análise por setor.
  • Foram consideradas fidedignas as informações prestadas pelas empresas nos questionários.
  •  A escolha da empresa do ano baseia-se exclusivamente em critério editorial entre as empresas que mais se destacaram.

Os Melhores da Pecuária
O prêmio OS MELHORES DA PECUÁRIA está dividido em dez categorias: Genética Nelore, Genética Rebanho Nacional, Gado de Elite, Gado de Produção, Mega Confinamento, Grande Confinamento, Marca de Carne, Fazenda Sustentável, Gado Leiteiro e Leilões. Saiba os detalhes de como são escolhidos os vencedores.77

1 • Genética
Dividido em duas categorias: Genética Nelore, para esta raça zebuína, e Genética Rebanho Nacional para as raças angus, braford, brahman, brangus, canchim, caracu, charolês, gir, guzerá, hereford, indubrasil, senepol, sindi e tabapuã.
Para concorrer ao prêmio foram indicados os criadores dos reprodutores líderes e também os vice-líderes de programas de melhoramento genético. No caso do nelore, de animais em seus sumários por índice final, ou o líder para peso ao sobreano (450 dias) nos programas genéticos que não apresentam índice final.

Os programas genéticos que forneceram os dados em 2016 foram: ABCZ, Associação Brasileira de Hereford e Braford, ANCP, CRV Lagoa, Conexão Delta G, Embrapa Gado de Corte, Geneplus/Embrapa, Gensys, Natura, Nelore Aliança, Paint, Pampa Plus, PMGZ/ABCZ, Promebo e Qualitas.

O reprodutor líder indicado deveria, ainda:

  • Ter o seu criador como participante do programa
  • Na raça nelore, possuir pelo menos 200 filhos avaliados em um mínimo de quatro rebanhos. Pelo menos 10% dos filhos devem estar em atividade e, no mínimo, um deles deve ter sido avaliado nos últimos cinco anos.
  • Para as demais raças, possuir pelo menos 30 filhos avaliados em pelo menos dois reba-nhos. Pelo menos 10% dos filhos devem estar em atividade e, no mínimo, um deles deve ter sido avaliado nos últimos cinco anos.

Após as indicações dos criadores é aplicado o seguinte questionário para pontuação:

a) Quantos touros do criatório estão entre os 20 melhores (por índice final) do sumário do programa de touros que participa? 1 ponto até 5 touros; 2 pontos de 6 a 10 touros; 3 pontos para 11 ou mais touros.
b) Quantos touros do criatório estão entre os 10 melhores para a característica habilidade materna? 1 ponto até 5 touros; 2 pontos de 6 a 10 touros; 3 pontos para 11 ou mais touros.
c) Quantos touros do criatório estão entre os 10 melhores para a característica circunferência escrotal? 1 ponto até 5 touros; 2 pontos de 6 a 10 touros; 3 pontos para 11 ou mais touros.
d) Participa do programa de touros jovens em algum programa de melhoramento? Qual? 1 ponto para sim.
e) Para sim na pergunta anterior, quantos touros jovens utilizou nos acasalamentos feitos em 2015? 1 ponto até 6 touros; 2 pontos de 7 a 20 touros. 3 pontos para mais de 20 touros.
f) Quantos animais do rebanho foram avaliados em 2015? No nelore: 1 ponto até 1000 animais; 2 pontos acima de 1000. Nas demais raças: 1 ponto até 500 animais; 2 pontos acima de 500.
g) Usa DEP genômica ou ultrassonografia na seleção (não é considerada ultrassonografia para diagnóstico de gestação, mas para avaliação genética de carcaça). 1 ponto para genômica; 1 ponto para ultrassonografia.
h) Qual percentual do rebanho é inseminado? Usa tecnologias como IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) em que percentual das matrizes inseminadas? Faz uso de outra tecnologia de reprodução? Quais (TETF, FIV, clonagem)? 1 ponto para 70% ou mais de matrizes inseminadas. 1 ponto se usa outras tecnologias de reprodução.
i) Em 2015 e 2016 realizou parcerias para a pesquisa? Com qual instituição? 1 ponto até duas iniciativas; 2 pontos de 3 a 4 incentivos; 3 pontos de 5 a mais incentivos

Critério de desempate: peso pela ordem do questionário

2 • Gado de Elite

Para o gado de elite, foram selecionados os dois melhores criadores dos rankings elaborados pelas associações nacionais de criadores (naqueles não fechados até a apuração dos dados foram utilizadas as pontuações até novembro/2016).

Entidades parceiras: Associação Brasileira de Angus, Associação Brasileira de Criadores de Braford de Hereford, Associação de Criadores de Nelore do Brasil e Associação dos Criadores de Guzerá do Brasil.

Após as indicações foi aplicado o seguinte questionário para a fazenda criadora:

a) Participa de programa de melhoramento genético? Qual? 1 ponto para sim.
b) Em caso de sim para a pergunta 1, os animais de pista também são avaliados pelo mesmo programa? 1 ponto para sim.
c) Participa de quantas exposições ranqueadas no ano? 1 ponto se participou de 60% das exposições de rankings com até 20 eventos ou 1 ponto se participou de 40% das exposições para rankings com mais de 30 eventos.
d) Entre os touros de pista, possui algum em Central de Inseminação? 1 ponto para 1 touro; 2 pontos para 2 a 3 touros; 3 pontos a partir de 4 touros.
e) Em quantas exposições fez o campeão bezerro/a em sua categoria no ranking corrente ou no ranking finalizado neste ano? 1 ponto até 2 campeões; 2 pontos de 3 a 5 campeões; 3 pontos de 6 a 9 campeões; 4 pontos para 10 ou mais campeões.
f) Qual percentual do rebanho é inseminado? Usa tecnologias como IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) em que percentual das matrizes inseminadas? Faz uso de outra tecnologia de reprodução? Quais (TETF, FIV, clonagem)? 1 ponto se insemina mais de 80% e 1 ponto para cada tecnologia de reprodução utilizada, além da inseminação.
g) Tem informação de dados genômicos do rebanho? Como os utiliza? 1 ponto para sim.
h) Promove leilões? 1 ponto para 1 evento; 2 pontos de 2 a 5 eventos e 3 pontos para 6 ou mais.
i) Participa de quantos leilões como convidado, por ano? 1 ponto para até 4 eventos; 2 pontos se participa de 5 a 10; 3 pontos acima de 10.

Critério de desempate: peso pela ordem do questionário

3 • Gado de produção

Para compor o grupo de pesquisa foi solicitado às leiloeiras foram os cinco maiores vendedores de animais de produção para recria e engorda no ano 2015. As empresas que colaboraram foram: Aroeira, de Rondonópolis (MT), Estância Bahia, de Água Boa (MT), Leiloboi e Leilogrande, de Campo Grande (MS) e Programa, de Londrina (PR).

A partir das indicações os criadores dos animais responderam ao seguinte questionário:

a) Qual o número de animais de produção vendidos em 2015? 1 ponto para até 1.000; 2 pontos de 1.001 a 5.000 e 3 pontos para mais de 5.000.
b) Qual o percentual de machos e fêmeas, entre os animais vendidos? Qual a idade média dos animais? 1 ponto para maior percentual de machos.
c) Qual foi o percentual de animais negociados em leilão, do total criado na fazenda em 2015? 1 ponto para mais de 60%.
d) Organiza leilão próprio? Quantos? 1 ponto se organiza 1; 2 pontos se organiza mais de 1.
e) Vendeu para quais Estados da Federação? 1 ponto se vendeu para até 3 Estados; 2 pontos se vendeu para mais de 4 Estados.
f)Qual é o número de matrizes em produção? Estão divididas em quantas fazendas e em quais Estados? 1 ponto para até 10.000 matrizes; 2 pontos para mais de 10.000 matrizes. Também soma 1 ponto se possui fazenda em mais de um Estado.
g) Qual o percentual do rebanho inseminado? Usa tecnologias como IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) em que percentual do rebanho? Faz uso de outra tecnologia de reprodução (TETF, FIV, clonagem)? 1 ponto se faz IA ou IATF em mais de 70%. 1 ponto se usa outras tecnologias de reprodução.

Critério de desempate: volume de animais

4 • Confinamento

Para a divisão das categorias Mega Confinamento e Grande Confinamento foi considerado o volume de 30 mil bovinos engordados no sistema intensivo no ano de 2015, abaixo e acima dessa linha.Colaboraram nas indicações: Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), Beef-Tec, Coan Consultoria, Nutribeef, Rehagro, Silveira Consultoria, além de pesquisa da DINHEIRO RURAL.

Após as indicações foi aplicado o seguinte questionário às empresas:

a) A unidade de engorda possui alguma certificação? Qual o nome do programa e a certificadora? A empresa possui ISO? Qual é a certificadora? A empresa está na lista Trace para exportação? Em caso afirmativo, qual o nome da certificadora? 1 ponto para cada certificação e inserção na lista Trace. (para pontuar é preciso informar a certificadora).
b) Possui parceria ou contrato com alguma aliança mercadológica (vende para um programa ou para uma marca de carne)? Qual? 1 ponto se possui.
c) Quantos animais foram confinados em 2015? Em relação a 2014 houve crescimento ou redução do número de animais? De quanto? 1 ponto para crescimento; 2 pontos se foi mais que 30%.
d) Qual a projeção de confinamento para todo o ano de 2016? 1 ponto para manutenção; 2 pontos se houve crescimento de mais de 30%.
e) Em quantas unidades de engorda está divido o confinamento? Estão em quais Estados? Todas operaram em 2016? 1 ponto para divisão em mais de uma planta.
f) Qual o percentual de animais próprios e o percentual de boitel? 1 ponto para quem tem mais de 50% de animais próprios.
g) Qual o tratamento e destino dados aos dejetos dos animais em cada planta confinadora? 1 ponto se tem tratamento.
h) A empresa trabalha com algum programa específico de gestão? Qual programa? Faz uso dele em todas as unidades? A coleta de dados é completamente eletrônica? 1 ponto para programa de gestão e 1 ponto para coleta completamente eletrônica.
i) Houve capacitação para a equipe em 2016? Quais foram e sob responsabilidade de quais empresas? 1 ponto para até 5 capacitações; 2 pontos para 6 a 10 capacitações; 3 pontos para mais de dez (para pontuar é preciso citar as capacitações.
j) Em 2015, qual foi a quantidade média de arrobas engordadas por animal (valores em @) e em qual período de confinamento? 1 ponto para quem apresentar ganho diário superior à media entre todos os concorrentes.
l)Quais foram as tecnologias/mudanças concluídas em 2016 para favorecer o bem-estar animal, administração e a gestão ambiental? 1 ponto para cada área em que houve tecnologia implantada e concluída.

Critério de desempate: volume de animais

5 • Marca de carne

Participam as empresas que trabalham com marcas de carne no mercado brasileiro, convidadas ou indicadas, e que sejam atreladas a programas de captação de animais diretamente com o produtor.

Foi aplicado o seguinte questionário:

a) Quantos produtores integram o programa? 1 ponto até 50 produtores; 2 acima de 50 produtores.
b) Qual o percentual de aumento de adesão em 2015? 1 ponto para aumento; 2 pontos se foi mais que o dobro.
c) Qual foi o volume de carne negociado no ano fechado de 2015? De quanto foi o aumento frente a 2014? 1 ponto para aumento até 20%; 2 pontos para aumento de 21% a 60%; 3 pontos acima de 61%.
d) Qual é a expectativa de fechamento em 2016? 1 ponto para aumento até 20%; 2 pontos para aumento de 21% a 60%; 3 pontos acima de 61%.
e) A marca de carne está em quantos pontos de venda? Em quantos Estados? 1 ponto até 5 Estados; 2 pontos de 6 até 10 Estados; 3 pontos acima de 10 Estados.
f) Em 2016, no primeiro semestre, houve alguma ação de marketing ou mudança da apresentação na gôndola dos pontos de venda que impactou em melhor visualização da marca e aumento das vendas? Qual? 1 ponto se houve ação de marketing; 1 ponto especificamente para ação em gôndola.
g) Qual a quantidade de cortes no portfólio da marca? Houve novos produtos ou cortes lançados em 2016? Quais? 1 ponto até 10; 2 pontos de 10 a 20; 3 pontos para 21 ou mais. 1 ponto se houve lançamento.
h) Qual a bonificação máxima que o produtor pode receber em reais? 1 ponto por premiação fixa. 2 pontos para premiação estratificada.
i) Qual o percentual de produtores que alcançam o nível de bonificação máxima? 1 ponto até 40%; 2 pontos para mais de 41%
j) Quais foram as conquistas de destaque no ano de 2015 e 2016? Critério de desempate

Critério de desempate: conquistas em 2015

6 • Fazenda sustentável

Participam fazendas ligadas a programas ou entidades que incentivam a sustentabilidade e o bem estar animal e social. Podem ser indicadas até duas fazendas por cada um. Em seguida foi enviado o questionário abaixo, para que as organizações defendessem os seus indicados. As respostas foram julgadas às cegas, sem que soubessem o nome das fazendas, por um comitê formado por consultorias e entidades do setor, convidados pela DINHEIRO RURAL.

As indicações foram feitas por: Aliança da Terra, Grupo Etco/Unesp, TNC e WWF Brasil. Obs: a partir desta edição do prêmio, o vencedor não poderá ser indicado por dois anos consecutivos.

Foi aplicado o seguinte questionário:

a) O que a fazenda faz de relevante na área de sustentabilidade? Por que ela foi escolhida?
b) Justifique porque essas ações dão sustentabilidade à propriedade?
c) Das ações elencadas, qual se destacaria considerando o ano de 2015?
d) Há diversificação dos sistemas de produção? Quais atividades?
e) Para qual dos itens há assessoria formal:
e.1) gestão da propriedade rural
e.2) gestão ambiental
e.3) recursos humanos
e.4) manejo racional e bem-estar animal
e.5) manejo de pastagens
e.6) melhoramento animal
f) Dentre os itens acima, qual destacaria como fator de evolução da empresa em 2015? Por quê?
g) Qual foi a média de animais abatidos ou comercializados em 2015?

7 • GADO LEITEIRO

Por intermédio da Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos), as empresas do setor indicaram até cinco produtores de seu portfólio, com base nos seguintes critérios para compor a nota da indicação: 20% para volume, 20% para Contagem de Bactérias Total (CBT), 30% para Contagem de Células Somáticas (CCS) e 30% para produção de proteína.

As indicações foram feitas por: Aurora Alimentos, Cooperativa Central Gaúcha – CCGL, Danone Brasil, DPA Brasil, Embaré, Frimesa, Jussara, Laticínios Bela Vista (Piracanjuba), Laticínios Porto Alegre, Laticínios Scala, Mococa, Vigor, Nestlé, Ourolac, Polenghi e Tirolez.

Após a indicação, foi aplicado o seguinte questionário:

a) Qual a produção média diária por vaca em lactação? 1 ponto de 10 a 15 litros; 2 pontos de 15 a 20 litros; 3 pontos acima de 20 litros.
b) Qual a produção média de litros por hectare ano? (apenas a área utilizada na atividade leiteira) 1 ponto de 10 mil a 15 mil litros/ha/ano; 2 pontos de 15 mil a 20 mil litros/ha/ano; 3 pontos para mais de 20 mil.
c) Qual a produção diária do rebanho? 1 ponto de 1 mil a 5 mil litros; 2 pontos de 5 mil a 10 mil litros; 3 pontos acima de 10 mil litros.
d) Qual o tempo médio de lactação das fêmeas em produção? 1 ponto de 270 a 290 dias; 3 pontos de 290 a 310 dias; 2 pontos acima de 310 dias.
e) Qual o intervalo médio entre os partos? 1 ponto acima de 14 meses; 2 pontos entre 12 e 14 meses; 3 pontos até 12 meses.
f) Qual o percentual de vacas em lactação, em relação ao rebanho total? 1 ponto para mais de 50%.
g) Padrões de qualidade do leite:
g.1) Contagem bacteriana total (CBT) – 1 ponto entre 100 mil e 300 mil/ufc/ml; 2 pontos entre 70 mil e 100 mil/ufc/ml; 3 pontos abaixo de 70 mil/ufc/ml.
g.2) Contagem de células somáticas – 1 ponto entre 200 mil e 400 mil/CSS/ml; 2 pontos entre 100 mil e 200 mil/CSS/ml; 3 pontos abaixo de 100 mil/CSS/ml.
g.3) Proteína – 1 ponto de 2,9% a 3,2%; 2 pontos de 3,3% a 3,5%; 3 pontos acima de 3,5%.
h) Qual a taxa de mortalidade de bezerras ao ano? 1 ponto acima de 3%; 2 pontos entre 1% e 3%; 3 pontos abaixo de 1%.
i) A fazenda possui algum tipo de certificação? Quantas e quais certificações? 1 ponto se tiver certificada.
j) Quais foram as ações implantadas em 2015 e 2016 para a melhoria nas áreas de gestão, bem-estar e meio ambiente? 1 ponto para cada categoria com ações implantadas.
k) A propriedade, em 2015 e 2016, realizou algum incentivo à pesquisa ou parceria com universidade/centro de pesquisa/etc. Em caso afirmativo, citar o trabalho e a instituição envolvida. 1 ponto por cada ação.

8 • leilões
Participam todas as empresas e profissionais do setor. O indicado, em forma de homenagem, é uma decisão editorial da revista Dinheiro Rural.