Economia

Maggi acha possível reabrir mercado dos EUA para carne bovina em 30 a 60 dias

Crédito: Divulgação

São Paulo, 17 – O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse nesta segunda-feira, 17, que a reunião com o secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, hoje em Washington, foi produtiva, mas nada foi definido sobre a reabertura do mercado norte-americano à carne bovina in natura do Brasil. “Temos de aguardar posições técnicas; eles ainda estão fazendo análises das informações que passamos”, afirmou Maggi, em entrevista a jornalistas logo após o encontro – o áudio foi disponibilizado pela assessoria do ministro.

Maggi, no entanto, afirmou o “compromisso político” de se retomar a comercialização o mais rápido possível, “assim que as coisas estiverem esclarecidas”. Ele reforçou que não há qualquer objeção política por parte dos Estados Unidos para a reabertura do mercado. E que acha possível que esta retomada aconteça entre 30 a 60 dias.

De acordo com o ministro brasileiro, as mudanças técnicas adotadas pelo Ministério da Agricultura para a exportação do produto devem ser aceitas e reconhecidas pelos norte-americanos. O governo determinou, por exemplo, que apenas cortes específicos sejam enviados aos Estados Unidos, para evitar, por exemplo, o embarque de pedaços com abscessos – o que levou à suspensão.

Maggi disse que o envio de carne desossada com pedaços de ossos também gerou preocupação entre os norte-americanos. “Acende um sinal amarelo aqui. Isso é preocupante porque nenhum país que é livre de febre aftosa com vacinação pode exportar peças com osso e precisamos rever isso”, disse.

Questionado sobre a delação do presidente da JBS, Wesley Batista, que trata sobre um suposto pagamento de mensalinho a fiscais agropecuários, Maggi disse que, se confirmada a denúncia, a pasta fará substituições. “Estamos aguardando. Se isso se confirmar, o ministério já está preparado para fazer as substituições necessárias de nomes envolvidos; estamos com luz amarela esperando”, afirmou.