As melhores da Dinheiro Rural 2016

Mais leite para novos desafios

O Laticínio Gonçalves Salles, dono da tradicional marca de manteiga Aviação, investe de olho no mercado internacional de lácteos

Mais leite para novos desafios

Na mesa: o Laticínio Gonçalves Salles vai investir R$ 50 milhões para produzir mais manteiga, queijos, creme de leite, doce de leite e achocolatados

Laticínios

Nos últimos 25 anos, a produção de leite no Brasil tem crescido continuamente. O País é um dos maiores produtores globais, atrás de Estados Unidos, Índia e China. Em 2015, de acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foram 34,8 bilhões de litros, com expectativa de 35,1 bilhões neste ano. A cadeia leiteira, ainda com baixa produção anual por vaca, pode dar saltos gigantescos de qualidade e volume. O Brasil ainda produz pouco mais 1,5 mil litros por vaca/ano, embora haja regiões dos Estados do Paraná, São Paulo e Minas Gerais com produtores que alcançam com facilidade nove mil litros, mesmo patamar de países como Estados Unidos, por exemplo. Para a indústria de laticínios, além de volume, produto de qualidade precisa de um alto grau de proteína e gordura, os dois principais ingredientes na fabricação de queijos, iogurtes e manteiga.

O quase centenário Laticínios Gonçalves Salles, empresa que nasceu em 1920 e que pertence aos herdeiros dos fundadores Antonio Gonçalves e seu cunhado Oscar Salles, é uma das companhias que buscam pela qualidade do leite para colocar no mercado o seu principal produto: a manteiga da marca Aviação. O pote de cor laranja, feito de metal há 96 anos, é um dos símbolos mais tradicionais da indústria de lácteos no País. Mas não é somente isso. A empresa também produz doce de leite, creme de leite, achocolatado, requeijões e os queijos minas, provolone, prato, ricota, mussarela e montanhês. No ano passado, expandiu sua marca para o café torrado e moído. Em 2015, a empresa com sede em São Sebastião do Paraíso, no sul de Minas Gerais, faturou R$ 162,6 milhões, um crescimento de 7,7% em relação ao ano anterior. O laticínio já vinha de um crescimento robusto de R$ 127 milhões em 2013 para R$ 151 milhões em 2014. O desempenho financeiro do ano passado a levou ao topo do ranking de AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2016 no setor de Laticínios. “Investimos sempre em formação e treinamento dos produtores, para aprimorar a qualidade do leite”, diz Geraldo Alvarenga Resende Filho, CEO da empresa e um de seus herdeiros. “Mesmo assim, neste ano tivemos dificuldade de conseguir a matéria-prima por causa da seca na região.” Atualmente, cerca de 150 produtores entregam leite ao laticínio.

Receita: R$ 162,6 milhões Posição no ranking: 377o Setor de atuação: laticínios Principal feito: pedido de registro da marca nos Estados Unidos geraldo alvarenga resende filho, presidente da Gonçalves Salles Indústria e Comércio
Receita: R$ 162,6 milhões
Posição no ranking: 377o
Setor de atuação: laticínios Principal feito: pedido de registro da marca nos Estados Unidos geraldo alvarenga resende filho,
presidente da Gonçalves Salles Indústria e Comércio

No ano passado, além da marca de café, os executivos da empresa modificaram o projeto original de uma fábrica concebida em 2014, no mesmo município: São Sebastião do Paraíso. A ideia inicial do projeto era aumentar em 50% a produção atual de 700 toneladas por mês de manteiga (o carro-chefe da empresa) e investir R$ 25 milhões. Agora, o plano é investir o dobro, para triplicar a produção de manteiga. Resende explica que o novo laticínio é uma necessidade para expandir a produção, porque a unidade atual, construída no final dos anos 1970, fica no centro urbano da cidade. Por isso, foi adquirido um terreno em uma região mais afastada. A ideia é processar, além da tradicional manteiga, outros produtos da empresa a partir da abertura de mais mercados. “A expectativa é que o projeto saia do papel agora, mas vamos depender das condições da economia”, diz Resende Filho. “Pretendíamos ter feito já em 2016, mas optamos por esperar mais um pouco”.

Marcelo Costa Martins, diretor executivo da Viva Lácteos, entidade que reúne as principais indústrias do leite e derivados, diz que o setor vai continuar crescendo, embora possa enfrentar oscilações na produção de um ano para outro. Por exemplo, em função do clima, como ocorreu em 2016. “Mas, historicamente, a produção cresce em torno de 4% ao ano”, diz Martins. Para 2017, ele aposta em um cenário econômico mais fácil para o setor de lácteos, por conta de uma recuperação na safra de grãos (ingrediente que pesa na dieta animal), de menos problemas climáticos e também da melhoria da inserção brasileira no mercado internacional de leite em pó e de seus derivados. “Fizemos uma parceria com a Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) para ampliar o acesso do produto brasileiro a mercados considerados estratégicos”, diz Martins. “São mercados que já estão abertos ao Brasil, mas podemos expandir nossa participação.” Não por acaso, em 2015 o Laticínio Gonçalves Salles também deu entrada ao pedido de registro de marcas e patentes nos Estados Unidos. O projeto, com a expansão da fábrica, é ganhar consumidores em todo o mundo, começando pelos americanos.

117