Edição nº 18.07 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Nós somos acompanhados com lupa pelo mundo, o tempo todo

Jorge Duarte

Nós somos acompanhados com lupa pelo mundo, o tempo todo

Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa, fala sobre pesquisa, inovação e conhecimento, para enfrentar um futuro no qual o Brasil já é um protagonista global

Vera Ondei
Edição 25.04.2017 - nº 146

Neste mês, a maior instituição pública de pesquisa do Brasil, a Embrapa, que quase dispensa a apresentação da sigla como Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, tal é a sua presença no agronegócio, completa 44 anos. Embora tenha em seu portfólio trabalhos consolidados, que fazem o País economizar US$ 15 bilhões por ano, como é o caso da seleção de bactérias que sequestram nitrogênio do ar, nos dias atuais a instituição enfrenta uma série de desafios. Entre eles, conquistar uma maior presença no mundo, implementar um novo modelo de sucessão para o quadro de pesquisadores e o mais importante: como desenvolver conhecimento com orçamentos financeiros cada vez mais apertados? “Temos de ser criativos”, diz Maurício Antonio Lopes, presidente da Embrapa desde 2012 e pesquisador da entidade há 30 anos. “Porque nós somos acompanhados com lupa pelo mundo, o tempo todo.” Nos últimos tempos, Lopes tem viajado com ministro da Agricultura, Blairo Maggi, em todas as missões internacionais, atitude poucas vezes vista na história recente da instituição. A entrevista seguinte, concedida à DINHEIRO RURAL, ocorreu três dias após o início da Operação Carne Fraca.

DINHEIRO RURAL – O ministro Blairo Maggi está dando conta de responder ao mundo o que ocorre no País, em função da Operação Carne Fraca?
MAURÍCIO ANTÔNIO LOPES – Logo de saída, o ministro respondeu com a celeridade e a gravidade que o assunto exige. Obviamente, os fatos são sérios e precisam ser esclarecidos. O setor de carnes vem batalhando para construir uma imagem e presença no mercado internacional há muito tempo. Nem sequer se pode pensar que os fatos relatados, os problemas que a Polícia Federal levantou, sejam uma generalidade nesse setor, que definitivamente não é.

RURAL – Historicamente, a União Europeia, a China e os Estados Unidos tratam com muita dureza questões de sanidade, como ocorreu com a aftosa em 2005, por exemplo, ou a suspeita do vírus da vaca louca no rebanho brasileiro…
LOPES – Mas, desde esses últimos eventos que causaram preocupação e que colocaram em foco a produção de carne no Brasil, os avanços que nós tivemos foram substanciais. Até mesmo pelo rigor dos importadores na verificação e no acompanhamento sistemático das missões internacionais feitas para o Brasil de maneira constante . Elas exigiram do País um aprimoramento e uma sofisticação que nunca tivemos antes. Nós somos acompanhados com lupa pelo mundo, o tempo todo. A indústria da carne não tem garantido acesso a mercados de forma gratuita. Ela investe porque estamos em mercados muito complexos, exigentes e competitivos, inclusive o interno. Mas é certo que as demandas por cuidados e atenção nos sistema de defesa sanitária animal e vegetal só vão crescer e nós precisamos nos preparar para dar respostas a elas.

O Brasil precisa ollhar para a Ásia e entender como as suas instituições funcionam

No mundo: os países asiáticos são o principal foco para a abertura de laboratórios internacionais de pesquisa

RURAL – No quê as viagens que o sr. feito junto com o ministro Maggi ajudam a Embrapa a formular as políticas para a instituição?
LOPES – Essa aproximação é boa porque, afinal, somos o braço de ciência e tecnologia do Ministério da Agricultura. As missões são uma oportunidade de melhor definir a nossa agenda e identificar oportunidades a serem consideradas na nossa pesquisa. Além disso, elas enviam um sinal importante para os países com os quais nos relacionamos. O Brasil se destacou por desenvolver um modelo de agronegócio fortemente baseado em ciência. A Embrapa tem cerca de 400 acordos de cooperação nacional e internacional, 2,5 mil pesquisadores e 1,2 mil projetos em andamento, de mais de 100 temas, como tecnologias de precisão, defesa, sistemas integrados, alimento, nutrição e saúde.

RURAL – Qual tem sido o espaço para a Embrapa agir durante essas missões internacionais?
LOPES – Participamos de maneira bastante ativa em seminários organizados. Neles, mostramos o que é a agricultura tropical, o que estamos fazendo agora e o que pretendemos daqui para o futuro. Estamos em todos os momentos de discussões bilaterais, nas reuniões multilaterais, no âmbito do G-20 e no BRICs, o grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia e China.

RURAL – Qual a extensão dos trabalhos dos Labex, os laboratórios virtuais no exterior, que começaram a surgir em meados dos anos 1990?
LOPES – O Labex com os Estados Unidos, através do Agriculture Research Service (ARS), é o mais antigo, com cerca de duas décadas. Ele não é o único, mas é de fato uma presença estratégica consolidada. Foi através desse projeto que trouxemos ao Brasil toda a coleção de recurso genético de soja americana. São 22 mil amostras de germoplasma de soja que os pesquisadores do país coletaram em todo o mundo. Temos uma presença forte na Europa, a partir de Montepellier, na França. Assim, estabelecemos cooperação com o Reino Unido, a Alemanha e a Holanda. Na África, temos o Brasil Market Place, onde cooperamos em conjunto com cerca de 30 países, com suporte da Fundação Bill Gates, da FAO e vários outros financiadores internacionais. Nos últimos anos, procuramos nos aproximar da Ásia por questões muito óbvias: é o grande mercado de hoje e será o grande mercado do futuro. O Brasil tem de olhar mais para a Ásia, ir para lá entender como as instituições funcionam. É um mundo muito diferente do Ocidente, do ponto de vista das organizações.

RURAL – Há planos de abrir unidades Labex na Ásia
LOPES – Nós já tivemos unidades na Coreia do Sul e na China. Em função da nossa situação econômica, tivemos que dar uma segurada. Mas muitos dos nossos pesquisadores estão em sintonia com Japão, China, Índia e demais países asiáticos. Com o Japão está praticamente acertada a abertura de uma unidade. E recentemente assinamos um acordo com a Índia, porque temos muito interesse em manter profissionais brasileiros nesse país. A Índia é um país com crescimento bastante estável nos últimos anos.

RURAL – Qual o atual orçamento da Embrapa e o que seria o justo para a instituição?
LOPES – A pesquisa sempre trabalha com orçamentos apertados. E estão mais apertados, à medida que a ciência avança com uma rapidez muito grande. Vivemos um momento em que a ciência avança a passos muito largos. Olhe a transformação digital, o que ela significa para as nossas vidas e, obviamente, o que significa para uma instituição como a Embrapa. Quando a gente avalia países de uma agricultura tão grande e pujante quanto a do Brasil, eles destinam algo como o dobro do nosso orçamento, que atualmente é de R$ 3 bilhões anuais. A gente tem de trabalhar com muita criatividade.

RURAL – A Embrapa poderia ser privatizada, como forma de aumentar os recursos à pesquisa?
LOPES – Não há a mínima chance da Embrapa ser privatizada. Seria uma insanidade. Pesquisa e inovação são funções que o Estado precisa cumprir. O setor público na pesquisa funciona como uma locomotiva limpa trilho: a gente vai na frente, abraçando os desafios de maior risco, de longuíssimo prazo que o setor privado jamais faria. O exemplo dessa revolução que está estourando agora na agricultura brasileira, dos sistemas integrados, é um exemplo. Nós estamos desenvolvendo o sistema de lavoura-pecuária-floresta há 30 anos e agora ele está decolando. É um investimento que o setor privado jamais faria. A Embrapa cria valor. Um único exemplo consolidado é a tecnologia da fixação de nitrogênio, pesquisa desenvolvida ao longo de 50 anos. Nesse período, foram selecionadas as bactérias presentes na raiz da soja e que sequestram o nitrogênio do ar. Esse grão brasileiro não usa um grama de adubo químico nitrogenado. Isso equivale a uma economia de US$ 15 bilhões por ano. Então, uma única tecnologia gera por ano, em benefício, cinco vezes mais do que tudo que o País aplica em pesquisa agropecuária.

Não há a mínima chance da Embrapa ser privatizada. Seria uma insanidade

Geração tecnológica: a Embrapa possui 2,5 mil pesquisadores que respondem 1,2 mil projetos no campo

RURAL – Como deve ser a relação da Embrapa com o setor privado?
LOPES – O setor privado faz pesquisa para o curto e médio prazos. Os empresários são mais pragmáticos, visam o lucro e estão certíssimos. Agora, cada vez mais, a Embrapa precisa encontrar um modelo de se aproximar dessa pesquisa privada, para que os ativos que ela desenvolve possam se transformar em riqueza. A pior ciência para o País é aquela descompromissada com o seu crescimento.

RURAL – Então, como aumentar as fontes de recursos para a Embrapa?
LOPES – Temos que fazer parcerias com o setor privado, ir para as arenas internacionais em busca de recursos. Temos feito um esforço enorme para aumentar as parcerias com empresas nacionais e internacionais. Temos procurado estabelecer uma relação mais próxima com o BNDES. Hoje há projetos importantes que recebem o seu apoio, com a aquicultura. Desenvolvemos uma ação estruturante para o País ganhar capacidade de produção de peixes, com suporte de R$ 40 milhões do BNDES.

RURAL – Como tem sido a contratação de pesquisadores?
LOPES – Essa é uma discussão travada hoje com os ministérios com os quais temos um vínculo direto e indireto, no caso o Mapa e o Planejamento. A Embrapa não está em uma situação ruim porque em 2009 tivemos um concurso público e incorporamos cerca de mil profissionais. Mas queremos conquistar um modelo diferenciado de renovação de quadros na seguinte lógica. Hoje, em um determinado momento, a empresa negocia com o Planejamento a abertura de concurso. Queremos um sistema automático. Por exemplo, chegar a 300 profissionais aposentados nos daria automaticamente o direito de abrir concurso. Um sistema não episódico garatiria um futuro mais tranquilo.


Organização dos Estados Unidos pede padrões sanitários mais rigorosos

Carne

Organização dos Estados Unidos pede padrões sanitários mais rigorosos

Perdue cobra progresso na questão sanitária do País após encontro com Maggi

Estados Unidos

Perdue cobra progresso na questão sanitária do País após encontro com Maggi

Maggi acha possível reabrir mercado dos Estados Unidos em 30 a 60 dias

Carne Bovina

Carne Bovina

Maggi acha possível reabrir mercado dos Estados Unidos em 30 a 60 dias


Exportação no 1º semestre recua 2,8%, para 343,3 mil toneladas

Carne Suína

Exportação no 1º semestre recua 2,8%, para 343,3 mil toneladas

Operações do Pronaf superam R$ 22 bilhões na Safra 2016-17

Agricultura Familiar

Operações do Pronaf superam R$ 22 bilhões na Safra 2016-17

Agronegócio é fundamental para retomada econômica, diz presidente do BB

Campo

Agronegócio é fundamental para retomada econômica, diz presidente do BB

Suprema Corte da Índia suspende proibição de venda de gado para abate

Pecuária

Suprema Corte da Índia suspende proibição de venda de gado para abate

Safra 2017 soma recorde de 240,3 milhões de toneladas

IBGE

Safra 2017 soma recorde de 240,3 milhões de toneladas

Logística

Porto de Paranaguá receberá investimento de R$ 2,2 bilhões até 2018

Política

Em evento do BB, Temer ressalta ajuda dada a Estados e municípios

Deral

O Estado do Paraná já plantou 98% da área de trigo

Nascem os primeiros animais com sangue brasileiro na Índia

Genética

Genética

Nascem os primeiros animais com sangue brasileiro na Índia

Dow Chemical vende parte do negócio de sementes de milho no Brasil

Comércio

Dow Chemical vende parte do negócio de sementes de milho no Brasil

Governo define novas regras para licenciamento de importação de agrotóxicos

Trigo: plantio no RS atinge 95% da área sem danos por causa das geadas

OCDE avalia Brasil para que País integre grupo de frutas da organização

Internacional

Internacional

OCDE avalia Brasil para que País integre grupo de frutas da organização

Pecuaristas e exportadores pedem mudanças na composição da vacina contra aftosa

Sanidade Animal

Sanidade Animal

Pecuaristas e exportadores pedem mudanças na composição da vacina contra aftosa

Balança comercial do agronegócio tem melhor resultado para junho desde 2014

Exportações

Exportações

Balança comercial do agronegócio tem melhor resultado para junho desde 2014

O discurso da bancada ruralista não ajuda a melhorar a imagem da agricultura

O discurso da bancada ruralista não ajuda a melhorar a imagem da agricultura

Luiz Gustavo Nussio, reitor da Esalq, fala sobre as mudanças no ensino, o nascimento de um “Vale do Silício” em Piracicaba e critica as lideranças do setor

A linguagem que está no rótulo do agrotóxico é inacessível para o agricultor

Hamilton Humberto Ramos

Hamilton Humberto Ramos

A linguagem que está no rótulo do agrotóxico é inacessível para o agricultor


“O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros”

Antonio Alvarenga

“O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros”

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

Robert Fraley

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

Eles têm fome de ideias

Eles têm fome de ideias

Conheça os primeiros brasileiros escolhidos pela Nuffield, uma organização internacional de desenvolvimento e pesquisa


A carreira é na fazenda

Aurélio Pavinato

A carreira é na fazenda

Por que o CEO da SLC Agrícola, Aurélio Pavinato, aposta em treinamento intenso e monitora no campo o desempenho de sua equipe

O cantor da Cosan

Pedro Mizutani

O cantor da Cosan

Pedro Mizutani, um dos executivos mais influentes do grupo de Rubens Ometto, encontrou na música as lições para fazer carreira na empresa


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

A lei da natureza  e a lei dos homens

Luiz Carlos Corrêa Carvalho

Luiz Carlos Corrêa Carvalho

A lei da natureza e a lei dos homens

Juro alto desperta dúvidas sobre o ajuste fiscal

João Guilherme Ometto

Juro alto desperta dúvidas sobre o ajuste fiscal

Prontas para os desafios das fusões e aquisições

Alvaro Schmidt Gallo Neto

Prontas para os desafios das fusões e aquisições

“O arcabouço jurídico que se aplica às atividades agropecuárias é arcaico, complexo e confuso”

Reflexões sobre a operação “Carne Fraca”

Sebastião Guredes

Reflexões sobre a operação “Carne Fraca”