Edição nº 147 04.05 Ver ediçõs anteriores
29

Entrevista

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

Vera Ondei
Edição 08.03.2017 - nº 145

Aos 64 anos, o agrônomo americano Robert Fraley traz em sua bagagem a paternidade das sementes geneticamente modificadas, criadas pela gigante americana de biotecnologia Monsanto, empresa comprada pela farmacêutica alemã Bayer por U$ 66 bilhões no ano passado. Fraley, vice-presidente global da Monsanto, e diretor geral de Tecnologia, está na companhia desde 1981, época em que ela começava a colher os primeiros resultados das pesquisas em engenharia genética aplicada à agricultura. Desde então, já assinou cerca de 100 publicações e pedidos de patentes de biotecnologias agrícolas. O pesquisador e executivo concedeu a seguinte entrevista à DINHEIRO RURAL:

Que elementos o sr. acredita que são preponderantes para acelerar a transformação pela qual a cadeia agrícola passa?

Ainda hoje os nossos alimentos e a forma como eles são cultivados estão atravessando uma evolução sem precedentes, graças aos incríveis avanços na ciência. Ao mesmo tempo, a agricultura está iniciando uma transformação muito necessária, alimentada por uma onda de novas startups, bem como por diversas fusões de empresas existentes e novas combinações de negócios. A combinação destes fatores está trazendo um pensamento inovador para a indústria, expandindo e diversificando projetos de pesquisa e desenvolvimento e aumentando os recursos disponíveis para financiá-los.

Quais serão os impactos dessas mudanças aos agricultores, indústria e consumidores?

Essas mudanças são boas para a indústria, os agricultores, os consumidores e absolutamente fundamentais para atender as necessidades alimentares de nossa crescente população mundial. No caso da fusão entre a Bayer e a Monsanto, em particular, significa mais inovações agrícolas que vão trazer benefícios para a cadeia produtiva, do produtor ao consumidor. As duas empresas têm produtos complementares. Juntas, elas podem melhorar o ritmo e o escopo da inovação, ajudando a identificar novas soluções para o campo.

Como o sr. analisa o portfólio das duas empresas?

O negócio da Monsanto está focado em sementes, em biotecnologia e nas ciências de dados. A Bayer tem um foco maior em ferramentas de proteção de culturas. Combinadas, elas ajudarão grandes e pequenos produtores a otimizarem soluções integradas e a melhorarem a rentabilidade e a sustentabilidade nas suas propriedades rurais. Isso porque haverá uma maior uma variedade de insumos, com foco mais preciso.

Em que medida essa combinação melhora o ritmo das inovações que vão ao campo?

Ao combinar as inovações em sementes e biotecnologia, com as novas ferramentas de proteção de culturas, vamos sim melhorar o ritmo das inovações agrícolas, por uma questão simples. Trabalhar juntos, como uma empresa, significa desenvolver ambos os produtos simultaneamente, reduzindo o tempo de desenvolvimento. Acredito que este tipo de trabalho coordenado, de pesquisa e de desenvolvimento, trará produtos melhores e mais sustentáveis para o campo, mais rápido do que nunca, ajudando os agricultores a melhorarem o uso dos recursos naturais em suas propriedades.

Como essa nova empresa pode atender os agricultores?

Ela se concentrará em investir, pesquisar e trazer inovações para milhões de agricultores em todo o planeta. A combinação criará oportunidades que nos permitirão aumentar os investimentos em pesquisa e desenvolvimento, em novas categorias de ciência de dados e de soluções biológicas melhoradas. Além de poder entregar essas soluções aos agricultores mais rápido do que qualquer um de nós poderia fazer sozinho. Outro fato é que a força comercial da Monsanto está nas Américas, enquanto a Bayer tem uma presença mais forte na Europa e na Ásia.

inovação: os investimentos em tecnologias agrícolas saltaram de US$ 400 milhões, em 2010, para US$ 4,6 bilhões em 2016
Inovação: os investimentos em tecnologias agrícolas saltaram de US$ 400 milhões, em 2010, para US$ 4,6 bilhões em 2016

O sr. acredita que os agricultores enxergam benefícios nesta fusão?

Quando converso com produtores em todo o mundo, fica claro que eles compreendem e apreciam o importante papel que a inovação tem desempenhado para melhorar a sua sustentabilidade, produtividade e rentabilidade. Quando algumas empresas começam a inovar, isso incentiva outras empresas a aumentarem seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, para manterem-se competitivas. Foi exatamente isso que aconteceu quando as culturas transgênicas foram introduzidas, uma tecnologia da qual eu tenho orgulho de dizer que tive uma participação em seu desenvolvimento.

Qual é o atual patamar de investimentos em pesquisa e desenvolvimento no setor agrícola?

Desde a introdução das culturas transgênicas houve um aumento constante nos investimentos públicos e privados em pesquisa e desenvolvimento. Mas nos últimos anos o investimento global disparou. Em 2010, os investimentos de capital de risco em tecnologias agrícolas totalizaram cerca de US$ 400 milhões, mas a partir de 2015, o nível de investimento saltou para US$ 4,6 bilhões, de acordo com o Relatório AgTech Investing publicado pela AgFunder Inc.

Ele está onde é necessário para aumentar a inovação na agricultura?

Segundo o relatório AgTech Investing, em 2016, mais de 1,3 mil empresas iniciantes estavam envolvidas no ecossistema agrícola, incluindo mais de 130 entidades diferentes que submeteram produtos biológicos para a aprovação regulatória nos últimos três anos. Embora este realmente seja um progresso incrível, acredito que nossa indústria ainda não está onde ela precisa estar, quando comparada a indústrias como a farmacêutica, a de ciências de dados e a automobilística.

Por quê?

A agricultura permanece altamente fragmentada. É composta por por quase quatro mil empresas, o que significa que relativamente poucas empresas agroalimentares têm a escala, a experiência em pesquisa e desenvolvimento e recursos financeiros para investir, significativamente, em tecnologias avançadas.

E o quê a indústria agrícola precisa para estar bem posicionada?

Já que outros setores da economia aumentaram os seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, a agricultura tem a responsabilidade social de fazer o mesmo, sobretudo se queremos garantir aos nossos filhos, netos e aos mais de nove bilhões de pessoas que habitarão a terra em 2050 que possam desfrutar de alimentos mais seguros e mais acessíveis. Estou convencido de que as mudanças dinâmicas que estão ocorrendo no setor agrícola são a chave para impulsionar a inovação que os agricultores precisam e francamente merecem.


China quase dobra taxa de importação de açúcar, para 95%

Internacional

China quase dobra taxa de importação de açúcar, para 95%

Ministério terá adido agrícola na Arábia Saudita ainda neste ano, diz Maggi

Mapa

Ministério terá adido agrícola na Arábia Saudita ainda neste ano, diz Maggi

 Indefinição nas regras causa insegurança tributária

Funrural/IEA

Funrural/IEA

Indefinição nas regras causa insegurança tributária

Mercado financeiro reduz projeção de inflação para 3,92% este ano

Cenário

Cenário

Mercado financeiro reduz projeção de inflação para 3,92% este ano

Cargill adquire polióis a base de plantas e reforça atuação em química renovável

Não ao petróleo

Não ao petróleo

Cargill adquire polióis a base de plantas e reforça atuação em química renovável


KFC pretende eliminar uso de antibióticos em frangos até fim de 2018

Consumidor

KFC pretende eliminar uso de antibióticos em frangos até fim de 2018

Após fusões, empresa quer alcançar liderança mundial

Boehringer Ingelheim

Boehringer Ingelheim

Após fusões, empresa quer alcançar liderança mundial

Bioenergia

CerradinhoBio comunica recebimento de R$ 150 milhões do IFC para investimento

Lácteos

Danone recebe sinal verde de Tribunal dos EUA para compra da WhiteWave


Se a terra de um estrangeiro for  improdutiva, vai para a reforma agrária

Marcelo Weyland Barbosa Vieira

Se a terra de um estrangeiro for improdutiva, vai para a reforma agrária

Marcelo Weyland Barbosa Vieira, presidente da Sociedade Rural Brasileira, fala sobre legislação, política e meio ambiente

Nós somos acompanhados com lupa pelo mundo, o tempo todo

Robert Fraley

Nós somos acompanhados com lupa pelo mundo, o tempo todo

Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa, fala sobre pesquisa, inovação e conhecimento, para enfrentar um futuro no qual o Brasil já é um protagonista global

Grupo multidisciplinar analisa estratégias de manejo para doença da banana

Embrapa

Embrapa

Grupo multidisciplinar analisa estratégias de manejo para doença da banana


Cultivar de capim alia alta produtividade, fácil manejo e forragem de qualidade

Embrapa

Cultivar de capim alia alta produtividade, fácil manejo e forragem de qualidade

Mais uma geração de cultivares Embrapa

SOJA

Mais uma geração de cultivares Embrapa


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

O caçador de talentos

O caçador de talentos

Como o executivo Eduardo Estrada Whipple, presidente da Bayer Crop Science para o Brasil e a América Latina, tornou-se um descobridor de líderes mundiais para a empresa


Nos acordes de um líder

Eduardo Leduc

Nos acordes de um líder

O engenheiro agrônomo e músico Eduardo Leduc, principal executivo da alemã Basf para a América Latina, mostra as notas que inspiram sua equipe

As oportunidades estão nas crises

Stefan Mihailov

As oportunidades estão nas crises

Como o veterinário Stefan Mihailov, presidente da Phibro Saúde Animal, soube aproveitar as dificuldades na vida profissional, em seu favor

Haras de família

Criação

Criação

Haras de família

Para incentivar suas filhas, o empresário Sedirley Rugolo investiu R$ 20 milhões na criação de um dos centros equestres mais modernos do País. Conheça os detalhes


Amigos da onça

Preservação

Amigos da onça

População de onças-pardas está aumentando nos canaviais paulistas, graças ao esforço de técnicos e do apoio da iniciativa privada

As lições de um cavalo

Coaching

As lições de um cavalo

Como o contato e a interação com os animais podem inspirar o espírito de liderança nas pessoas

Campeões, sim senhor

Roberto Rodrigues, do Centro de Estudos do Agronegócio da FGV

Roberto Rodrigues, do Centro de Estudos do Agronegócio da FGV

Campeões, sim senhor

Disciplina na condução das finanças agrícolas

Antonio Carlos Ortiz

Disciplina na condução das finanças agrícolas

“A busca por produtividade e escala é o componente principal da estratégia para quem atua com commodities”

Prontas para os desafios das fusões e aquisições

Alvaro Schmidt Gallo Neto

Prontas para os desafios das fusões e aquisições

“O arcabouço jurídico que se aplica às atividades agropecuárias é arcaico, complexo e confuso”

Mas o agronegócio está bem, não é?

João Guilherme Sabino Ometto

Mas o agronegócio está bem, não é?