Edição nº 151 06.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

Vera Ondei
Edição 08.03.2017 - nº 145

Aos 64 anos, o agrônomo americano Robert Fraley traz em sua bagagem a paternidade das sementes geneticamente modificadas, criadas pela gigante americana de biotecnologia Monsanto, empresa comprada pela farmacêutica alemã Bayer por U$ 66 bilhões no ano passado. Fraley, vice-presidente global da Monsanto, e diretor geral de Tecnologia, está na companhia desde 1981, época em que ela começava a colher os primeiros resultados das pesquisas em engenharia genética aplicada à agricultura. Desde então, já assinou cerca de 100 publicações e pedidos de patentes de biotecnologias agrícolas. O pesquisador e executivo concedeu a seguinte entrevista à DINHEIRO RURAL:

Que elementos o sr. acredita que são preponderantes para acelerar a transformação pela qual a cadeia agrícola passa?

Ainda hoje os nossos alimentos e a forma como eles são cultivados estão atravessando uma evolução sem precedentes, graças aos incríveis avanços na ciência. Ao mesmo tempo, a agricultura está iniciando uma transformação muito necessária, alimentada por uma onda de novas startups, bem como por diversas fusões de empresas existentes e novas combinações de negócios. A combinação destes fatores está trazendo um pensamento inovador para a indústria, expandindo e diversificando projetos de pesquisa e desenvolvimento e aumentando os recursos disponíveis para financiá-los.

Quais serão os impactos dessas mudanças aos agricultores, indústria e consumidores?

Essas mudanças são boas para a indústria, os agricultores, os consumidores e absolutamente fundamentais para atender as necessidades alimentares de nossa crescente população mundial. No caso da fusão entre a Bayer e a Monsanto, em particular, significa mais inovações agrícolas que vão trazer benefícios para a cadeia produtiva, do produtor ao consumidor. As duas empresas têm produtos complementares. Juntas, elas podem melhorar o ritmo e o escopo da inovação, ajudando a identificar novas soluções para o campo.

Como o sr. analisa o portfólio das duas empresas?

O negócio da Monsanto está focado em sementes, em biotecnologia e nas ciências de dados. A Bayer tem um foco maior em ferramentas de proteção de culturas. Combinadas, elas ajudarão grandes e pequenos produtores a otimizarem soluções integradas e a melhorarem a rentabilidade e a sustentabilidade nas suas propriedades rurais. Isso porque haverá uma maior uma variedade de insumos, com foco mais preciso.

Em que medida essa combinação melhora o ritmo das inovações que vão ao campo?

Ao combinar as inovações em sementes e biotecnologia, com as novas ferramentas de proteção de culturas, vamos sim melhorar o ritmo das inovações agrícolas, por uma questão simples. Trabalhar juntos, como uma empresa, significa desenvolver ambos os produtos simultaneamente, reduzindo o tempo de desenvolvimento. Acredito que este tipo de trabalho coordenado, de pesquisa e de desenvolvimento, trará produtos melhores e mais sustentáveis para o campo, mais rápido do que nunca, ajudando os agricultores a melhorarem o uso dos recursos naturais em suas propriedades.

Como essa nova empresa pode atender os agricultores?

Ela se concentrará em investir, pesquisar e trazer inovações para milhões de agricultores em todo o planeta. A combinação criará oportunidades que nos permitirão aumentar os investimentos em pesquisa e desenvolvimento, em novas categorias de ciência de dados e de soluções biológicas melhoradas. Além de poder entregar essas soluções aos agricultores mais rápido do que qualquer um de nós poderia fazer sozinho. Outro fato é que a força comercial da Monsanto está nas Américas, enquanto a Bayer tem uma presença mais forte na Europa e na Ásia.

inovação: os investimentos em tecnologias agrícolas saltaram de US$ 400 milhões, em 2010, para US$ 4,6 bilhões em 2016
Inovação: os investimentos em tecnologias agrícolas saltaram de US$ 400 milhões, em 2010, para US$ 4,6 bilhões em 2016

O sr. acredita que os agricultores enxergam benefícios nesta fusão?

Quando converso com produtores em todo o mundo, fica claro que eles compreendem e apreciam o importante papel que a inovação tem desempenhado para melhorar a sua sustentabilidade, produtividade e rentabilidade. Quando algumas empresas começam a inovar, isso incentiva outras empresas a aumentarem seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, para manterem-se competitivas. Foi exatamente isso que aconteceu quando as culturas transgênicas foram introduzidas, uma tecnologia da qual eu tenho orgulho de dizer que tive uma participação em seu desenvolvimento.

Qual é o atual patamar de investimentos em pesquisa e desenvolvimento no setor agrícola?

Desde a introdução das culturas transgênicas houve um aumento constante nos investimentos públicos e privados em pesquisa e desenvolvimento. Mas nos últimos anos o investimento global disparou. Em 2010, os investimentos de capital de risco em tecnologias agrícolas totalizaram cerca de US$ 400 milhões, mas a partir de 2015, o nível de investimento saltou para US$ 4,6 bilhões, de acordo com o Relatório AgTech Investing publicado pela AgFunder Inc.

Ele está onde é necessário para aumentar a inovação na agricultura?

Segundo o relatório AgTech Investing, em 2016, mais de 1,3 mil empresas iniciantes estavam envolvidas no ecossistema agrícola, incluindo mais de 130 entidades diferentes que submeteram produtos biológicos para a aprovação regulatória nos últimos três anos. Embora este realmente seja um progresso incrível, acredito que nossa indústria ainda não está onde ela precisa estar, quando comparada a indústrias como a farmacêutica, a de ciências de dados e a automobilística.

Por quê?

A agricultura permanece altamente fragmentada. É composta por por quase quatro mil empresas, o que significa que relativamente poucas empresas agroalimentares têm a escala, a experiência em pesquisa e desenvolvimento e recursos financeiros para investir, significativamente, em tecnologias avançadas.

E o quê a indústria agrícola precisa para estar bem posicionada?

Já que outros setores da economia aumentaram os seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, a agricultura tem a responsabilidade social de fazer o mesmo, sobretudo se queremos garantir aos nossos filhos, netos e aos mais de nove bilhões de pessoas que habitarão a terra em 2050 que possam desfrutar de alimentos mais seguros e mais acessíveis. Estou convencido de que as mudanças dinâmicas que estão ocorrendo no setor agrícola são a chave para impulsionar a inovação que os agricultores precisam e francamente merecem.


Abrafrigo pede ao governo aproximação com Rússia para ganhar mercado

Carne bovina

Abrafrigo pede ao governo aproximação com Rússia para ganhar mercado

China deve vender 200 mil toneladas de estoques internos de açúcar ainda hoje

Política interna

China deve vender 200 mil toneladas de estoques internos de açúcar ainda hoje

Crise hídrica levam governo do ES a proibir irrigação durante dia

Café

Crise hídrica levam governo do ES a proibir irrigação durante dia

 Conab fará novos leilões de Pepro e PEP para Mato Grosso no dia 21

Milho

Conab fará novos leilões de Pepro e PEP para Mato Grosso no dia 21

Falta política de crédito para florestas plantadas, diz Geller

Mato Grosso

Falta política de crédito para florestas plantadas, diz Geller

Cana-de-açúcar

Unica atualizará dados sobre processamento até 2ª quinzena de agosto

Soja

Produção do Brasil em 2017/18 deve ser de 108,5 milhões de toneladas

Cana-de-açúcar

INTL FCStone revisa moagem no Centro-Sul para esta safra

IBGE

Safra de algodão deve alcançar 3,7 milhões de toneladas

Governo

Conab retoma fiscalização de estoques públicos em 4 Estados e no Distrito Federal

Sanidade

Estado de São Paulo vacinou contra aftosa em maio 99,62% dos bovinos e de bubalinos


Os novos gerentes do agronegócio

Talentos

Os novos gerentes do agronegócio

Mais do que o conhecimento técnico, as fazendas querem profissionais com uma visão sistêmica, o que inclui gestão do negócio, das finanças e de pessoas

A corrida pela experiência

Wladimir Chaga

A corrida pela experiência

A Brandt Brasil contrata profissionais com mais de 50 anos de idade como estratégia para dar maturidade aos seus negócios na área de fertilizantes. A meta: ganhar destaque em um mercado anual de R$ 3,7 bilhões

Herança sustentável

Herança sustentável

Como o rigoroso plano de rotação de culturas e de defensivos agrícolas fizeram a propriedade da família Brunetta, no interior do Paraná, um exemplo das boas práticas agrícolas no País

A robótica nas rédeas da agricultura de  precisão

Campo Digital

Campo Digital

A robótica nas rédeas da agricultura de precisão


Região gaúcha ganha aplicativo meteorológico para celular

Campo Digital

Região gaúcha ganha aplicativo meteorológico para celular

Parceria para desenvolver algodão resistente ao bicudo

Embrapa, IMAmt e Abrapa

Parceria para desenvolver algodão resistente ao bicudo

Mais fluxo no planejamento

Mais fluxo no planejamento

O controle de caixa melhora a gestão financeira e pode ajudar na tomada de decisão. Conheça a história de produtores que começaram a utilizar a ferramenta e acertaram o passo da fazenda


Sem pagamento, sem crédito

Sem pagamento, sem crédito

Por que, na prática, a safra 2017/2018 não é nada promissora para a tomada de crédito rural e como o produtor pode driblar o problema

Até debaixo d’água

Até debaixo d’água

Saiba como o seguro paramétrico, uma nova modalidade de cobertura de riscos na lavoura, promete conquistar o produtor

Honra compartilhada

Roberto Rodrigues

Roberto Rodrigues

Honra compartilhada

Educação e conduta social

Mário Lanznaster

Educação e conduta social

Presidente da Cooperativa Central AURORA ALIMENTOS e vice-presidente para o agronegócio da FIESC

Navegando na crise

Jeffrey Abrahams

Navegando na crise

Um plano safra excludente

Antonio Alvarenga

Um plano safra excludente

Não somos contra a suspensão  da vacinação da febre aftosa

Não somos contra a suspensão da vacinação da febre aftosa

Emílio Carlos Salani, vice-presidente executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal fala sobre as políticas para um setor que movimenta R$ 5 bilhões por ano


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL