Edição nº 151 06.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“O melhor subsídio do governo para o agronegócio é investir em infraestrutura”

“O melhor subsídio do governo para o agronegócio é investir em infraestrutura”

Luís Artur Nogueira
Edição 16.12.2016 - nº 143

O agronegócio é recheado de exemplos de sucesso que deveriam ser copiados pelos demais setores da economia brasileira. Essa é a avaliação do presidente do instituto de ensino Insper, o economista Marcos Lisboa. O Insper tem promovido diversos estudos e debates para mostrar que os ganhos de produtividade é que determinam o sucesso ou o fracasso de um país. Um dos itens fundamentais é abrir mais a economia, processo ao qual o agronegócio foi exposto ao longo de décadas. “O agronegócio é uma história fascinante”, diz Lisboa, que foi secretário de política econômica do Ministério da Fazenda no Governo Lula. “É uma combinação de vantagens naturais, renovação tecnológica, pesquisa, empreendedorismo e competição.” Em entrevista à DINHEIRO RURAL, o economista defende a adoção de uma agenda de micro reformas que tenham foco na eficiência e deixem as empresas ruins quebrarem. Antes, porém, o mais urgente é arrumar o caos fiscal do País, premissa básica para o resgate da confiança dos investidores nacionais e estrangeiros.

Dinheiro Rural – Por que o agronegócio vem obtendo desempenhos superiores aos da economia brasileira, em média, há vários anos?

Marcos Lisboa – O agronegócio é uma história fascinante. É uma combinação de atributos. O Brasil tem vocação para a agricultura, mas não é só isso. É uma combinação de vantagens naturais, renovação tecnológica, pesquisa, empreendedorismo e competição. É essa combinação de eventos que permite esse desempenho notável do setor, que é exportador e compete com os produtos estrangeiros da mesma maneira que a indústria.

RURAL – Ou seja, a agronegócio enfrenta os mesmo gargalos que a indústria, mas consegue brilhar…

LISBOA – Exatamente. É uma história longa que começa nos anos 1970, quando o Brasil adota uma postura inovadora de apoiar pesquisa para adaptação de culturas. A soja no Centro Oeste, o café no cerrado mineiro etc. A tecnologia foi avançando desde essa época. No fim do Governo Sarney e no começo do Governo Collor, a grave crise fiscal forçou um corte abrupto dos subsídios à agricultura e a abertura da economia ao comércio exterior. O País estava mais pobre.

RURAL – Foi um período de transição difícil?

LISBOA – Muito difícil. Muitos setores e empresas não aguentaram a situação tanto na indústria quanto no agronegócio, que viveu um grande processo de consolidação. Por outro lado, quem sobreviveu teve ganhos de produtividade. O brasileiro passou a fazer o que os empreendedores faziam, ou seja, a comprar as melhores máquinas que existiam no mundo. Nos anos 2000, a agricultura brasileira continuou se desenvolvendo e se consolidando, e nós assistimos a uma série de melhorias na gestão. A sofisticação na gestão da agricultura permitiu ganhos de produtividade. O resultado é que, entre 1970 e o começo desta década, a agricultura cresceu a sua produtividade de 4% a 5% ao ano.

RURAL – Esse processo foi diferente na indústria?

LISBOA – Sim. Isso contrasta com o que ocorreu na indústria que, de meados da década passada para cá, pediu proteção, subsídios e vem decaindo. A indústria, que já representou 36% do PIB, hoje não passa de 9%. Em vez de uma agenda para o aumento de produtividade e para a integração na cadeia global de produção, a indústria do Brasil acabou optando pela proteção e o fechamento da economia.

RURAL – Essa diferença entre a agricultura e a indústria é ruim para o Brasil?

LISBOA – O problema do País é não conseguir ganhar produtividade de uma forma geral. É um sinal de que o País está ficando mais pobre. Por que a produtividade da indústria e do setor de serviços não consegue avançar?

RURAL – Falta tecnologia de ponta?

LISBOA – Não, nem tanto a tecnologia. Nós temos um ambiente institucional ruim. Há dados internacionais. Por que os Estados Unidos são mais ricos do que a Índia e China? Será que é porque têm mais indústrias, mais serviços, fazem mais iPads e menos cana-de-açúcar? Não. O principal fator não é a composição setorial. O que determina se um país é mais rico é a sua produtividade. Nos Estados Unidos, entre as empresas 10% mais eficientes em comparação com as 10% menos eficientes, a diferença entre elas é de duas vezes. Na Índia e na China, essa diferença é de cinco vezes. Conclusão: as melhores empresas americanas não são tão melhores que as piores. O problema é que na Índia e na China preserva-se uma massa de empresas pequenas ineficientes, a partir de medidas protecionistas. Isso reduz a produtividade média da economia.

RURAL – E no Brasil?

LISBOA – Aqui nós preservamos as empresas ineficientes e não deixamos que elas quebrem.

RURAL – Do total exportado pelo Brasil, 41% são minério de ferro, petróleo, carne, açúcar e soja. Essa pauta restrita a commodities é um problema?

LISBOA – Não necessariamente. Há países que são ricos com peso maior de commodities. O conceito de indústria está mudando muito. Produzir um iPad é uma montagem. Qual é o valor adicionado de se montar um iPad? Ou de montar um carro? A sofisticação, hoje, está muito mais na inteligência de desenhar o novo produto. A própria fronteira entre o que é indústria e serviço está cada vez mais tênue. A agricultura tem muita tecnologia. Pegue o caso da safrinha do milho. É impressionante. Deixou de ser safrinha e é do tamanho da safra de milho, dobrando a produção. Enfim, o que torna o Brasil mais pobre é o fato de nós fazermos de uma forma pior as diversas atividades da economia, dos serviços mais simples aos mais sofisticados. Somos menos eficientes e as causas são muitas.

“A agricultura tem muita tecnologia. A safrinha do milho deixou de ser safrinha, dobrando a produção”

LAVOURA: nas últimas décadas, Centro-Oeste se transformou em uma das maiores regiões produtoras de grãos do mundo

 

 

RURAL – Oferecer taxas de juros subsidiadas para o financiamento da safra agrícola é correto?

LISBOA – A agricultura brasileira já tem menos subsídios que nos demais países, mas eu sou um crítico de crédito subsidiado. Temos de melhorar as garantias para reduzir os juros. O melhor subsídio do governo para o agronegócio é investir em infraestrutura. Melhorar os portos. Como é que os nossos portos são tão ineficientes e tão caros? As nossas estradas, a nossa logística. Precisamos resolver da porteira para fora. Se nós conseguirmos resgatar a confiança nas regras do jogo, criar um marco regulatório estável, que dê confiança aos investidores de longo prazo, e que defina com clareza o papel das agências regulatórias, isso tem um impacto positivo sobre as demais atividades seja da indústria, seja da agricultura. O que é prejudicial para o País é a agricultura melhorar a atividade do campo, mas perder na estrada, perder no porto, perder no transporte.

DINHEIRO RURAL – A crise fiscal preocupa?

MARCOS LISBOA – Nós já estamos assistindo às consequências do descontrole das contas públicas no Brasil. Houve um processo grave, nos últimos oito anos, de expansão de diversas políticas sem que fosse observada a sua sustentabilidade. Houve um descontrole fiscal nos governos federal e estaduais. Somam-se a isso alguns problemas estruturais.

“A intervenção do governo em diversos setores foi desastrosa. Isso afeta a credibilidade do País”

USINA DE ETANOL: a indústria de biocombustíveis precisa de uma política clara para voltar a crescer

 

 

RURAL – O governo Dilma destruiu o setor de etanol?

LISBOA – A intervenção do último governo em diversos setores foi desastrosa. Essa volta ao intervencionismo discricionário, que escolhe setores e que mexe em regras, é um prejuízo imenso ao País no longo prazo. Qual é a segurança que um empresário que quer investir no Brasil tem de que a regra vai valer? Foi o caso do etanol. Eu monto uma grande usina e amanhã vem o governo e intervém no preço da gasolina, muda tudo. Isso afeta a credibilidade do País e a confiança dos empresários. Essas intervenções oportunistas são muito ruins para a geração de emprego. E são intervenções incompetentes, que prejudicaram a produção de etanol , de óleo e gás, energia etc.

RURAL – O agronegócio pode ser considerado um exemplo do Brasil que dá certo?

LISBOA – A história do agronegócio também é a história de vários empreendedores de sucesso. Isso mostra o melhor do mercado funcionando. Empreendedores que saíram do Paraná, do Centro Oeste, que foram adaptar o café no cerrado mineiro. É essa combinação de um mercado aberto, competição, deixando o melhor da economia de mercado, empreendedores, que explica a fórmula do sucesso. Vários fracassaram e os que deram certam foram copiados. Há uma quantidade impressionante de histórias de sucesso no agronegócio. Essas histórias deveriam ser o exemplo para o País. Não a história de conseguir proteção via viagem a Brasília.


Abrafrigo pede ao governo aproximação com Rússia para ganhar mercado

Carne bovina

Abrafrigo pede ao governo aproximação com Rússia para ganhar mercado

China deve vender 200 mil toneladas de estoques internos de açúcar ainda hoje

Política interna

China deve vender 200 mil toneladas de estoques internos de açúcar ainda hoje

Crise hídrica levam governo do ES a proibir irrigação durante dia

Café

Crise hídrica levam governo do ES a proibir irrigação durante dia

 Conab fará novos leilões de Pepro e PEP para Mato Grosso no dia 21

Milho

Conab fará novos leilões de Pepro e PEP para Mato Grosso no dia 21

Falta política de crédito para florestas plantadas, diz Geller

Mato Grosso

Falta política de crédito para florestas plantadas, diz Geller

Cana-de-açúcar

Unica atualizará dados sobre processamento até 2ª quinzena de agosto

Soja

Produção do Brasil em 2017/18 deve ser de 108,5 milhões de toneladas

Cana-de-açúcar

INTL FCStone revisa moagem no Centro-Sul para esta safra

IBGE

Safra de algodão deve alcançar 3,7 milhões de toneladas

Governo

Conab retoma fiscalização de estoques públicos em 4 Estados e no Distrito Federal

Sanidade

Estado de São Paulo vacinou contra aftosa em maio 99,62% dos bovinos e de bubalinos


Os novos gerentes do agronegócio

Talentos

Os novos gerentes do agronegócio

Mais do que o conhecimento técnico, as fazendas querem profissionais com uma visão sistêmica, o que inclui gestão do negócio, das finanças e de pessoas

A corrida pela experiência

Wladimir Chaga

A corrida pela experiência

A Brandt Brasil contrata profissionais com mais de 50 anos de idade como estratégia para dar maturidade aos seus negócios na área de fertilizantes. A meta: ganhar destaque em um mercado anual de R$ 3,7 bilhões

Herança sustentável

Herança sustentável

Como o rigoroso plano de rotação de culturas e de defensivos agrícolas fizeram a propriedade da família Brunetta, no interior do Paraná, um exemplo das boas práticas agrícolas no País

A robótica nas rédeas da agricultura de  precisão

Campo Digital

Campo Digital

A robótica nas rédeas da agricultura de precisão


Região gaúcha ganha aplicativo meteorológico para celular

Campo Digital

Região gaúcha ganha aplicativo meteorológico para celular

Parceria para desenvolver algodão resistente ao bicudo

Embrapa, IMAmt e Abrapa

Parceria para desenvolver algodão resistente ao bicudo

Mais fluxo no planejamento

Mais fluxo no planejamento

O controle de caixa melhora a gestão financeira e pode ajudar na tomada de decisão. Conheça a história de produtores que começaram a utilizar a ferramenta e acertaram o passo da fazenda


Sem pagamento, sem crédito

Sem pagamento, sem crédito

Por que, na prática, a safra 2017/2018 não é nada promissora para a tomada de crédito rural e como o produtor pode driblar o problema

Até debaixo d’água

Até debaixo d’água

Saiba como o seguro paramétrico, uma nova modalidade de cobertura de riscos na lavoura, promete conquistar o produtor

Honra compartilhada

Roberto Rodrigues

Roberto Rodrigues

Honra compartilhada

Educação e conduta social

Mário Lanznaster

Educação e conduta social

Presidente da Cooperativa Central AURORA ALIMENTOS e vice-presidente para o agronegócio da FIESC

Navegando na crise

Jeffrey Abrahams

Navegando na crise

Um plano safra excludente

Antonio Alvarenga

Um plano safra excludente

Não somos contra a suspensão  da vacinação da febre aftosa

Não somos contra a suspensão da vacinação da febre aftosa

Emílio Carlos Salani, vice-presidente executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal fala sobre as políticas para um setor que movimenta R$ 5 bilhões por ano


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL