Tecnologia

Paraná proíbe estudo e extração de gás de xisto por meio de fracking

São Paulo, 23/12 – O governador do Paraná, Beto Richa, proibiu para os próximos dez anos o estudo e a extração de gás de xisto por meio do fracking (fraturamento hidráulico de rochas) nas terras do oeste do Paraná, informou nesta sexta-feira, 23, em nota, a Itaipu Binacional.

A determinação, conforme o comunicado, ocorreu na quinta-feira, quando Richa sancionou o Projeto de Lei 873/2015, que dispõe sobre o licenciamento do fracking no Estado, com veto do artigo 3º – um pedido do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), do qual a Itaipu, além da companhia produtora de carne suína Frimesa, fazem parte, entre outros membros.

“O artigo 3º dizia que a lei não seria aplicada aos estudos e pesquisas relativos à técnica de perfuração seguida de fraturamento hidráulico, o que nos deixava preocupados”, comentou o presidente do POD, Mário Costenaro. Além da exploração do gás xisto, as pesquisas para sua viabilidade também poderiam incorrer em graves riscos ao solo e à água da região, comentou.

Para o diretor executivo da Frimesa, Elias Zydek, a atividade agropecuária, uma das principais riquezas da região, poderia ser seriamente comprometida sem o veto. “O fraturamento hidráulico pode deixar nossas terras improdutivas e nossas águas contaminadas”, disse.

A retirada do gás do xisto do subsolo através do fracking consiste em perfurar um poço e injetar sob alta pressão uma mistura de água e substâncias penetrantes e químicas no terreno, o suficiente para fraturar a rocha e liberar o gás.