Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

A agricultura é importante demais para se permitir que diferenças ideológicas a paralisem

Marcelo Ribeiro

A agricultura é importante demais para se permitir que diferenças ideológicas a paralisem

Liam Condon, CEO global da divisão Crop Science da Bayer, fala sobre as transformações de um mercado em mutação

Fábio Moitinho
Edição 08/08/2018 - nº 161

É neste mês que os negócios entre a alemã Bayer e a americana Monsanto definitivamente se fundem sob uma única marca: agora será somente Bayer. A fusão, fruto de um negócio de US$ 62,5 bilhões iniciado em setembro de 2016, vai trazer grandes transformações à empresa. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO RURAL, o executivo irlandês Liam Condon, 50 anos, CEO global da divisão Crop Science da nova Bayer, e membro do Conselho de Administração global da companhia, conta quais são elas e como se dará a integração das empresas. Para Condon, o que vale daqui em diante será o esforço para mudar a imagem do setor de defensivos junto ao consumidor. O futuro da nova Bayer depende dessa tarefa. A soma das receitas das duas empresas estão hoje estimadas em US$ 23,5 bilhões, em produtos e serviços para proteção de cultivos e biotecnologias, valor que será anunciado oficialmente em setembro. O Brasil responde por 17% dessa receita, o equivalente a US$ 4 bilhões, ou cerca de R$ 15 bilhões. No mundo, o grupo Bayer passa a faturar US$ 54 bilhões.

DINHEIRO RURAL – Por que ainda hoje o consumidor é tão pouco esclarecido sobre o papel das empresas que atuam no segmento de proteção de cultivos?
LIAM CONDON – Vivemos um mundo onde a confiança em muitas instituições está no nível mais baixo de todos os tempos. Sabemos disso. A Bayer entrevistou dez mil consumidores de dez países diferentes e descobriu que, embora a maioria deles apoie as inovações que geram mais alimentos, muitos temem que as tecnologias utilizadas pelos agricultores possam prejudicar as pessoas e o meio ambiente. A mensagem não poderia ser mais clara: não é suficiente cultivar com eficiência, os consumidores precisam saber que seus alimentos são produzidos de forma segura e sustentável.

Do campo à mesa: a tendência é de um número
cada vez maior de consumidores preocupados com a
origem dos alimentos e como eles foram produzidos (Crédito:Divulgação)

RURAL – O que pode ajudar nesse processo?
CONDON – A companhia está comprometida em melhorar ainda mais seu engajamento na sociedade. O objetivo é aprofundar o diálogo. Queremos ouvir nossos críticos e trabalhar junto onde haja consenso. A agricultura é importante demais para se permitir que diferenças ideológicas a paralisem. Temos de conversar. Essa é a única maneira de construir pontes. E temos dialogado por meio de entidades, organizações não governamentais, redes sociais e demais meios de comunicação.

RURAL – Como a nova Bayer se prepara para um futuro que alia biotecnologias com agricultura digital?
CONDON – A inovação é essencial para produzir alimentos mais saudáveis, seguros e acessíveis para uma população em crescimento. A combinação das duas empresas permitirá entregar mais inovação de forma mais rápida e fornecer soluções adaptadas às necessidades dos agricultores em todo o mundo. No futuro, as equipes dos laboratórios e do campo vão abordar a inovação de maneira mais holística, à medida que lidamos com os enormes desafios de uma agricultura que deve ser cada vez mais sustentável.

RURAL – Mas os agroquímicos, o coração da companhia que o sr. administra, é um grande desafio global em temos de regulamentação. O que esperar de uma empresa com a atual musculatura da Bayer?
CONDON – Estudos de segurança, subjacentes ao registro de defensivos agrícolas, são usados pelos reguladores para assegurar que produtos não prejudiquem as pessoas, a vida selvagem ou o meio ambiente, quando usados com responsabilidade. Mas como o nosso sistema regulador coloca o ônus de conduzir esses estudos para o fabricante, alguns questionam se os estudos são objetivos e imparciais. Numa época de falta confiança, dizer “confie em mim” pode não parecer muito convincente. Reconhecendo que é preciso mais do que retórica, decidimos, voluntariamente, ser a primeira empresa de ciência agrícola a disponibilizar publicamente os estudos de segurança regulatória.

RURAL – Desde quando a empresa adotou essa ação?
CONDON – A iniciativa de transparência foi lançada no fim de 2017 e pode ser acessada na internet, em www.cropscience-transparency.bayer.com. A ação se baseia na certeza de que a integridade de nossa pesquisa é o que nos dá confiança na segurança de nossos produtos. Ao divulgar o que já foi considerada informação confidencial, acreditamos que a população verá, por si mesma, o rigor científico nos processos. A abordagem da transparência é um passo necessário para recuperar a confiança do consumidor.

RURAL – Como o sr. avalia a tendência mundial do consumidor por produtos livres de agroquímicos e alimentos não transgênicos?
CONDON – A opinião pública frequentemente fica dividida a respeito de produtos orgânicos e alimentos produzidos de forma convencional. Mas, por trás da controvérsia, há uma pergunta constante: quais os métodos e as tecnologias que podem garantir um fornecimento de alimentos saudáveis, agora e no futuro. É preciso mostrar que cultivos modificados também trás muitas vantagens para os agricultores, a população mundial e o meio ambiente.

RURAL – Que dados o sr. tem sobre isso?
CONDON – Por exemplo, apenas 1% das terras agrícolas do mundo são cultivadas organicamente. São 50 milhões de hectares, ante cinco bilhões de hectares de terras destinadas às atividades agrícolas globais. A previsão de uma necessidade 50% maior de produção agrícola para 2050, segundo a Organização das Nações Unidas. Se a produtividade permanecer inalterada, sem investimentos em tecnologias como as genômicas, isso significa que será necessária uma área adicional de terras cultivadas do tamanho dos Estados Unidos.

RURAL – Como mudar a imagem da indústria de agroquímicos, que é vista da mesma forma que a de tabaco?
CONDON – Nos últimos anos, a Bayer tem se engajado na “inovação aberta”, um conceito que conecta a empresa a startups e a instituições públicas para criar novas ideias. Esse é o caminho.Embora o compromisso com a pesquisa interna continue sendo essencial, sabemos que no longo prazo o conhecimento coletivo é sempre mais poderoso.

RURAL – Como isso funciona?
CONDON – A estratégia amplia o ecossistema de descoberta, trabalhando em vários setores e participando de muitas parcerias diferentes. Isso nos permite acelerar o desenvolvimento de tecnologias inovadoras, necessárias para atender à crescente demanda mundial de alimentos. Os críticos da indústria acreditam que os estudos financiados por empresas estão invariavelmente contaminados. Enquanto as empresas argumentam que o financiamento público de uma pesquisa estaria sujeito à politização, o que sufoca a inovação. Isso levanta a questão: o que constitui uma “pesquisa responsável”?

RURAL – Como se resolve essa questão?
CONDON – Essa questão se resolve preenchendo a lacuna entre os interesses públicos e os privados. Isso começa com a escuta das visões de cada parte e o envolvimento em conversas que tenham significado. Afinal, nós comemos a mesma comida, compartilhamos o mesmo mundo e queremos o que é melhor para os nossos filhos. Continuamos empenhados em explicar estudos e compartilhar inovações sustentáveis.

RURAL – Qual a avaliação que o sr. faz sobre a técnica do refúgio nas lavouras transgênicas, ou seja, juntar a ela uma parte de plantas convencionais, já que ela vem sendo negligenciada pelos produtores.
CONDON – A estratégia de refúgio, que é uma das medidas essenciais para o manejo de resistência de insetos, nunca foi tão difundida no Brasil como atualmente. A Bayer, que possui biotecnologias, tanto no algodão como na soja, tem feito um forte trabalho de comunicação sobre a importância e as recomendações do refúgio, um trabalho desafiador no atual cenário brasileiro.

Laboratório: a busca por pesquisas que vão ao encontro da demanda da sociedade, por produtos mais sustentáveis, tem norteado os investimentos das empresas de biotecnologias (Crédito:Divulgação)

RURAL – Desafiador em que medida?
CONDON – A recomendação de como implantar o refúgio depende muito do ambiente e da biotecnologia em questão. Sendo assim, as recomendações de refúgio para o Brasil podem e devem ser diferentes das recomendações utilizadas em outros países, como a Austrália, por exemplo. Isso ocorre por conta das condições ambientais, complexos de pragas que afetam a cultura e dos sistemas produtivos adotados.

RURAL – Há pragas já resistentes por conta do ambiente tropical?
CONDON – Sim. No Brasil, há o caso da resistência do fungo que provoca a ferrugem asiática. De acordo com a Embrapa, danos causados por esta doença podem resultar em perdas de rendimento de até 80% de uma lavoura. Desde o surgimento do fungo nas lavouras do País, em 2001, elas estão estimadas em US$ 2 bilhões por safra.

RURAL – Alguma solução à vista para diminuir esse prejuízo?
CONDON – Ainda não. Mas desde 2016, a Bayer tem uma parceria com a Embrapa para o monitoramento da sensibilidade dos fungos no campo. O plano é aprofundar os estudos genéticos da praga, a fim de entender como a resistência se desenvolve, depois de repetidas aplicações de fungicidas. Assim como em outras pesquisas, o objetivo é assegurar sustentabilidade na produção, garantindo que o produtor tenha ferramentas disponíveis para o controle das diferentes doenças da lavoura.


Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

IBGE

Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história

Grãos

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história


Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Laranja

Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Algodão

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro

Meio ambiente

Meio ambiente

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019

O PoupaTerra do século 21

Plantio Direto

Plantio Direto

O PoupaTerra do século 21

O produtor paranaense Franke Djikstra é um dos pais da técnica de plantio direto, um sistema conservacionista que ajuda o agricultor a melhorar a produtividade de sua lavoura e no qual o brasil é o campeão mundial, com 32 milhões de hectares. Saiba como sua adoção pode significar uma economia de pelo menos R$ 12,3 bilhões por safra

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, da Cargill

Luiz Pretti, da Cargill

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.