• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Geral17/11/2021

A história da Rural e da picape F-75, avós dos SUVs brasileiros

A Ford F-75, a pioneira das picapes brasileiras

A Ford F-75, a pioneira das picapes brasileiras

(Créditos: Reprodução)
Da redação
Texto por:Da redação17/11/21 - 20h44min - Atualizado em 17/11/21 - 20h44min

Os mais maduros as reconhecem sempre com um sorriso no rosto. Os mais jovens ficam curiosos. Ninguém passa incólume na frente de uma Rural, espécie de avô do SUV brasileiro, ou de sua versão Picape, a F75.

Esses são os nomes mais conhecidos de dois dos modelos 4x4 mais lembrados da indústria brasileira. Mas a história é longa.

A saga da picape brasileira começa em 1952. Nesse ano, a americana Willys abre a Willys-Overland do Brasil, para montar o Jeep no País. O Jeep já era nessa época um veículo icônico, feito com objetivos militares para abastecer as tropas na Segunda Guerra (1939-1945).

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro

Com o tempo, se tornou um símbolo de resistência no campos, nos desertos e nas selvas do mundo todo.

A picape F-75 e o Jeep, sempre cercados de verde. Especialmente na propaganda

Nos anos seguintes, a medida que vai nacionalizando componentes, a Willys começou a lançar novos modelos. A Rural vem nessa leva, com o nome tropicalizado de sua versão americana chamada Jeep Station Wagon.

A nacionalização pediu também modificações locais. Em 1960, a filial brasileira da Willys lançou uma reestilização da Rural, desenhada pelo americano Brooks Stevens. Aproveitando o mesmo desenho básico, lançou a Pick-Up Jeep, que combinava o chassi do Jeep Pickup americano com uma carroceria exclusiva para o Brasil. O motor era um 2.6 de seis cilindros e 90 cv. Como  opção, a tração traseira ou 4×4, a primeira disponível em uma picape brasileira.

A picape seguiu as atualizações do utilitário Rural e, nos anos seguintes, ganhou itens como o sistema elétrico de 12V, suspensão dianteira independente na versão 4×2 e um câmbio manual de quatro marchas.

A primeira mudança na motorização veio em 1968, com a opção do motor 3.0 de seis cilindros e 132 cv empregado no luxuoso sedã Itamaraty. Aí começa sua transição para o coração das cidades. E para as atividades de aventura -- essas, sim, definidoras do conceito dos SUVs. Com poucas opções no portfólio da indústria brasileira da época para encaixar família, barraca, traquitanas de praia ou acampamento, a Rural começou a ser cada vez mais vista nas garagens das famílias urbanas, a despeito de seu interior espartano.

Em 1970, a picape ganhou o nome pelo qual é mais lembrada hoje: Ford F-75. Claro, reflexo da aquisição pela Ford, três anos antes, da Willys-Overland do Brasil. Sem mudanças na carroceria (que permaneceu inalterada até o fim da produção), a picape passou a trazer apenas o nome “Ford” no lugar de “Jeep” estampado na tampa da caçamba.

Junto do Jeep CJ-5 e da Rural, a picape passou a sair de fábrica em 1975 com um novo motor 2.3 de quatro cilindros, que desenvolvia 91 cv e era empregado também no Ford Maverick.

Esta foi a última grande novidade do modelo, que deixou de ser produzido em 1982 e foi um dos últimos veículos de origem Jeep fabricados no Brasil até o lançamento do Renegade, em 2015.

Versões militares

O lançamento da Pick-Up Jeep despertou o interesse dos militares brasileiros, interessados em substituir os Dodge WC usados desde a Segunda Guerra.

Com chassi reforçado e modificações mecânicas e na carroceria, a picape ganhou o nome oficial de Camioneta Militar Jeep Willys 3/4 ton (que posteriormente passaria a ser Camioneta Militar 3/4 ton 4×4 Ford F-85) e foi usado como veículo de carga e ambulância, além de algumas unidades terem sido adaptadas para levar metralhadoras ou até lança-foguetes.

Curiosidade: a picape foi o primeiro veículo militar exportado pelo Brasil.

Nada menos que 150 unidades do modelo foram entregues ao exército português para uso nas colônias.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
Ford F-75