Sustentabilidade

A nova ordem mundial

Cresce a cobrança do capital por práticas ESG no campo. Com uma matriz energética limpa e técnicas de agricultura de baixo carbono, o Brasil poderia ser a grande potência da economia verde. Os recentes desmatamentos, a postura negacionista do governo e a falta de uma narrativa forte em defesa do agro nacional podem colocar tudo a perder

Crédito: Ilustarção: Evandro Rodrigues
Com Modelos de agricultura sustentável e matriz energética limpa,
O Brasil poderia liderar a economia verde. Má Reputação, impede (Crédito:Istock)

Um acrônimo de três letras, ESG (E de environmental – ambiental, em português; S de social e G, governança), está colocando séculos de história em xeque. O modelo de desenvolvimento baseado no uso de combustíveis fósseis, mal uso dos recursos naturais e exploração de mão-de-obra está com dias contados. Aos poucos, fica cada vez mais evidente a pressão da sociedade e dos donos do capital por um modelo de desenvolvimento sustentável baseado na proteção ambiental, responsabilidade com as pessoas e transparência nas decisões. Emerge o capitalismo verde. O mundo ficou bonzinho? Definitivamente, não. “O ESG se fortaleceu na medida em que passou a ser um fator de análise do investidor para que ele aumente as chances de ter retorno sobre o seu investimento”, afirmou Fábio Alperowitch, diretor e gestor da FAMA Investimentos.

Istock

Nesse novo modelo econômico, o Brasil poderia ser uma megapotência; e o agronegócio, o protagonista. O País tem uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, 82,9% das fontes de energia são sustentáveis, enquanto a média global é de 26,7%. É megadiverso, somente na Amazônia existem ao menos 55 mil espécies de vegetais, 428 de mamíferos, 1.622 de aves, 467 de répteis e 516 de anfíbios. Na agricultura, práticas de baixo carbono, como o plantio direto e a Integração Pasto-Lavoura-Floresta ocupam, respectivamente, 35 milhões e 11,5 milhões de hectares dos 66 milhões de hectares de área plantada (dados de 2018 e 2015). Ainda assim, a imagem impregnada no conhecimento e no discurso de autoridades globais com poder de decisão que podem impactar o agronegócio brasileiro é de uma economia criada nos modelos extrativista, escravocrata, de agricultura extensiva e mal uso da terra. Corroboram para essa reputação, recordes no desmatamento de biomas nativos, falta de plano nacional de combate às queimadas, notícias recentes de redução de verbas e desmanche de órgãos ambientais como ICMBio e Ibama, além da posição negacionista do presidente Jair Bolsonaro frente às mudanças climáticas.

“Sem que o governo assuma uma narrativa que mostre o agronegócio responsável e pujante, nós agimos no que temos controle tanto na empresa como na cadeia de fornecedores”, Paulo Pianez Marfrig (Crédito:Divulgação)

Todos esses componentes reputacionais do País já seriam muito graves no recorte dos últimos dez anos, mas diante da assinatura do Acordo de Paris, em 2015, fica ainda pior e pode prejudicar a balança comercial de exportação do setor que, só no ano passado, movimentou US$ 100,81 bilhões. No tratado mundial, líderes de 195 países se comprometeram a adotar medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa com o objetivo de limitar o aumento médio de temperatura global a 2ºC. “Não existe outro modelo de desenvolvimento que não passe por uma economia de baixo carbono com redução de emissões”, afirmou Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). Isso vale para todos os países e o custo dessa jornada não será baixo para nenhum deles seja o Brasil, Alemanha, Reino Unido ou França.

ATAQUES Para se proteger, as grandes potências usarão todo o poder que têm, seja de influência ou financeiro, para preservar sua economia, uma postura que aflige a Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA). “O acordo entre os países precisa ser muito bem definido, sem que haja proteção aos mercados domésticos, como a Europa quer fazer”, afirmou Nelson Ananias Filho, coordenador de Sustentabilidade da entidade. A seu favor, os mercados que se sentem ameaçados usarão os argumentos que tiverem. De declarações polêmicas como a do presidente francês Emmanuel Macron afirmando que “depender da soja brasileira seria ser conivente com o desmatamento da Amazônia”, a estudos produzidos por entidades ambientalistas. Em recente relatório, apresentado durante o Fórum Econômico Mundial, a consultoria britânica Vivid Economics, reforça estereótipos ao afirmar que “a Indonésia e o Brasil são dois grandes produtores de commodities agrícolas com um histórico de políticas ambientais frouxas”, atesta o relatório, que ainda acusava: “seus setores agrícolas permanecem em uma trajetória de alta intensidade de emissões de gases de efeito estufa e destruição significativa do habitat e da biodiversidade”.

Problemas, de fato, o Brasil tem. Levantamento realizado pelo Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), aponta que dentre as principais causas das emissões brasileiras está o uso da terra (44%) e a agricultura (28%). No ano passado, o País despejou 2,17 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera, 9,6% a mais do que em 2019. A alta foi puxada pelos incêndios na Amazônia. “O retrato do Brasil está muito feio”, afirmou Alperowitch, da Fama Investimento. Ainda que o Brasil tenha uma área florestal maior do que a Europa, afirmou ele, “somos menos verdes do que 100 anos atrás. Já o continente europeu, mesmo tendo passado por duas grandes guerras mundiais, é mais verde hoje do que há um século”.

SOLUÇÕES O cenário preocupa diversos agentes do campo. A Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) se juntaram ao CEBDS para criar um manifesto em que os produtores se uniram a empresários de outros setores para assumir o compromisso de “produzir com proteção”. Na iniciativa privada, diversas corporações estão recorrendo aos Títulos Verdes (Green Bonds) – mercado que movimentou US$ 840 bilhões, em 2019 – como uma maneira eficiente de endossar iniciativas sustentáveis já feitas e investir em novas ações ambientalmente responsáveis. Além do crédito de longo prazo com condições atrativas, ganham também em imagem. “Notadamente existe um grande potencial de emissão de Títulos Verdes com base na agricultura brasileira. Mas, não dá para dizer que todo o setor seria elegível às captações, pois seu acesso está ligado à comprovação de conformidade com práticas ESG”, disse Cristóvão Alves, gerente de Finanças Sustentáveis da certificadora.

Em uma recente iniciativa, a Marfrig captou US$ 30 milhões junto ao fundo &Green para a formação de uma cadeia de fornecimento de gado livre de desmatamento na Amazônia e no Cerrado. A iniciativa faz parte de um modelo de gestão dos aspectos socioambientais e de governança que começou em 2010. De lá até o fim de 2020, a empresa investiu R$ 260 milhões em sustentabilidade. Para os próximos anos, tem um orçamento dedicado à agenda de R$ 500 milhões, além de outros US$ 500 milhões captados em 2019 em Sustainable Transition Bonds, um tipo de título verde. “A pecuária sofre constante escrutínio internacional pelas queimadas e desmatamentos ilegais que acontecem no Brasil. Sem que o governo assuma uma narrativa que mostre o agronegócio responsável e pujante, nós agimos no que temos controle tanto na empresa como na cadeia de fornecedores”, afirmou Paulo Pianez, diretor de Sustentabilidade da companhia.

Alguns programas adotados por órgãos públicos também têm potencial de servir como argumento de uma narrativa construtiva de um agronegócio profissional. Criado em 2010 no guarda-chuva do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono) e o Programa ABC Cerrado, de 2014, têm como propósito ajudar o produtor na adoção de práticas de agricultura sustentável. “É preciso encarar o fato de que muitos produtores brasileiros não conseguirão fazer essa transição sozinhos, por falta de conhecimento e ferramentas”, afirmou Rafael Diego da Costa, gestor do programa. De acordo com a entidade, quando o produtor recebe capacitação em técnicas como recuperação de pastagens degradadas, fixação biológica de nitrogênio (FBN), adaptação às mudanças climáticas, o índice de adoção de tecnologias de baixo carbono aumenta 6%. Em casos que, além disso, receba assistência técnica de longo prazo – 18 meses no caso do Senar – a taxa sobe para 16%.

“Não existe outro modelo de desenvolvimento que não passe por uma economia de baixo carbono com redução de emissões”, afirmou Marina Grossi CEBDS

ALERTA Se a primeira letra do acrônimo ESG está sob as luzes dos holofotes mundiais, em breve deverá dividir o protagonismo com a que vem em seguida, que representa responsabilidade social. Aos poucos a questão vai emergindo com o aquecimento de pautas como a baixa diversidade nas corporações. Mas, para a coordenadora de Climas e Cadeias Agropecuárias da Imaflora, Isabel Garcia Drigo, quando o mercado começar a olhar mais microscopicamente esse pilar, o setor agropecuário do Brasil, China, Índia e outros países poderão ter problemas sérios. “Em indústrias como a da proteína animal, controlar as próprias fazendas é possível, mas saber se há condições como trabalhos análogos ao escravo na cadeia é uma tarefa complicada”. Na medida em que uma nova geração mais consciente começa a emergir e ter voz ativa e que o capital amplia sua análise de riscos para além dos aspectos financeiros, práticas antes invisíveis em nome do lucro desenfreado começam a ser um ponto crítico determinante para a sobrevivência das empresas e do agronegócio.

País sem etiqueta

A falta de um plano institucional que crie uma marca Brasil robusta e associada à preservação ambiental e sustentabilidade, abre um vácuo para que o mercado internacional controle a narrativa e use os novos padrões ESG (ambiental, social e governamental) contra a agricultura nacional. Para Gabriella Dorlhiac, diretora-executiva da Câmara de Comércio Internacional (ICC), é preciso agir rápido ou os prejuízos econômicos serão desastrosos.

Adri Felden/Argosfoto

RURAL – Porque a agenda ESG (Ambiental, Social e Governança) está crescendo tanto no mundo?
Gabriella Dorlhiac – Um dos fatores é o risco econômico associado às mudanças climáticas. O mercado percebeu que, caso países e empresas não tomem ações efetivas para a manutenção da temperatura do planeta, desastres naturais poderão provocar prejuízos de bilhões de dólares. A outra razão é a chegada de uma nova geração, muito mais preocupada com o futuro sustentável do planeta, às posições de liderança ou, ao menos, em fóruns públicos onde sua participação é ativa e sua voz reverbera.

A agropecuária brasileira está sendo apontada como vilã das emissões dos gases de efeito estufa no Brasil. Qual o real papel do setor na agenda ESG?
De extrema relevância. O Brasil tem uma agricultura sustentável, capaz de sequestrar carbono do ar e retê-lo no solo. Por isso e pelos aspectos econômicos, é preciso descolar esse estigma de vilania urgentemente. Se esse discurso se fortalecer e a demanda do mercado internacional for restringida, o impacto para essa indústria que representa 26,6%% do PIB será desastroso.

O que está sendo feito de errado?
Somos um País que evoluiu muito na agropecuária. Temos duas safras e uma produção que alia produtividade e preservação ambiental. É preciso vender e comunicar melhor esse Brasil.

O setor diz que adota as melhores práticas ambientais. O mercado internacional diz o contrário. Como acabar com esse disse-que-disse?
Parece clássico de futebol como o Fla-Flu: os dois lados acham que estão 100% certos e não enxergam as próprias deficiências. No ICC, conversamos muito com colegas europeus e eles têm uma visão completamente distorcida da realidade do agro brasileiro. Existe um trabalho muito importante a ser feito pela iniciativa privada e pelo governo para que eles conheçam nossos modelos de produção. E tem que ser urgente.

“ Infelizmente, o desmatamento será sempre um problema. Ainda que a produção não seja na Amazônia” (Crédito:luoman)

Qual o caminho?
Cuidar para que a cadeia esteja de fato limpa de práticas ilegais como desmatamento e queimadas e usar a tecnologia para comprovar a origem dos produtos. Agora não é só esse o problema. Nosso modal de transporte que serve ao escoamento da produção para os portos é basicamente rodoviário. Isso deixa uma pegada de carbono que precisa ser reavaliada.

O risco do agro nacional perder mercado é iminente?
Junto a alguns países, acredito que sim. O acordo com o Mercosul já está na berlinda. A China romperá relações em curto prazo? Acho difícil. Mas, os futuros acordos comerciais terão regras ESG cada vez mais explícitas e muito mais rígidas. Temos que estar prontos para atender a essas exigências.

Algum exemplo do que o País vai encontrar pela frente?
A Europa já está implementando o Green Deal que aplica uma taxa de carbono na fronteira. De acordo com a regra, os produtos que entrarem em determinados países serão sobretaxados proporcionalmente ao tamanho de suas pegadas de carbono. Caberá ao exportador rastrear a mercadoria desde a origem. Ou seja, além de melhorar suas práticas, o produtor brasileiro precisa se preocupar em como irá comprová-las.

Isso significa mais trabalho para os produtores?
O Brasil precisa tratar o ESG como uma vantagem competitiva e não como uma barreira. Temos uma matriz energética limpa, práticas de agricultura sustentável. Mas, temos também resquícios de problemas que temos que melhorar.

Quais resquícios seriam esses?
Infelizmente, o desmatamento será sempre um problema. Ainda que a produção das commodities não seja na Amazônia, o europeu, o chinês e outros acreditam que é sim. Problemas como ocupação ilegal de terras, falta de fiscalização ambiental, dúvidas sobre questões trabalhistas e inseguranças jurídicas prejudicam a imagem do País.

Como o governo deveria agir?
Essa é uma grande oportunidade para o País repensar sua marca no mercado internacional. Quando a gente compra um produto alemão ou japonês, compramos valores atribuídos àqueles países como qualidade e eficiência, por exemplo. O produto brasileiro deveria ter a mesma coisa. Temos que criar um padrão para que toda a mercadoria brasileira seja automaticamente reconhecida por uma etiqueta de preservação ambiental e sustentabilidade. Estamos longe de criar algo assim.