• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Tecnologia08/04/2022

A revolução das usinas 4.0

Romualdo Venâncio
Texto por:Romualdo Venâncio08/04/22 - 21h50min

Eficiência produtiva, redução de custos, melhor aproveitamento da biomassa e maior retorno financeiro. Esses são alguns dos principais benefícios alcançados por usinas de açúcar e etanol a partir de atualizações tecnológicas que garantem mais autonomia no processamento de dados. Dessa forma, é possível gerenciar com mais precisão cada etapa do processo produtivo, se antecipar a possíveis problemas, otimizar as tomadas de decisão e ainda aproveitar da melhor maneira o potencial humano dentro de cada unidade industrial. Tudo isso acontece a partir do momento em que as empresas do setor aumentam a aposta em gestão da informação.

Um exemplo é a Tereos Açúcar & Energia Brasil, que processou 18,8 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra 2019/20. Entre 2016 e 2021, foi implementado em todas as unidades produtivas da empresa (Vertente, São José, Tanabi, Mandu, Cruz Alta, Andrade e Severínia) um software de gestão industrial que é um otimizador em tempo real. A gestão mais precisa das informações e o consequente ganho em eficiência proporcionou uma redução de 1% a 3% no consumo de vapor nos turbogeradores das plantas, o que resultou em menor consumo de bagaço na geração de bioeletricidade.

Para o superintendente de Operações Agroindustriais da Tereos, Everton Carpanezi, o gerenciamento eficaz da indústria está diretamente relacionado à capacidade de tomar decisões em tempo real. “Vivemos em um ambiente VUCA (sigla em inglês para volátil, incerto, complexo e ambíguo) com desafios constantes como variações na quantidade e na qualidade da matéria-prima, quebras ou perdas de eficiência em equipamentos, é um otimizador em tempo real. A gestão mais precisa das informações e o consequente ganho em eficiência proporcionou uma redução de 1% a 3% no consumo de vapor nos turbogeradores das plantas, o que resultou em menor consumo de bagaço na geração de bioeletricidade.

Para o superintendente de Operações Agroindustriais da Tereos, Everton Carpanezi, o gerenciamento eficaz da indústria está diretamente relacionado à capacidade de tomar decisões em tempo real. “Vivemos em um ambiente VUCA (sigla em inglês para volátil, incerto, complexo e ambíguo) com desafios constantes como variações na quantidade e na qualidade da matéria-prima, quebras ou perdas de eficiência em equipamentos, restrições econômicas, ambientes e de segurança”, afirmou. Segundo ele, o sistema modela a planta física em uma versão virtual com todos os equipamentos e processos para simular seu comportamento e indicar a melhor forma de operá-la, considerando todos os aspectos envolvidos. “O Brasil enfrentou no ano passado a pior estiagem dos últimos 91 anos. Nesse cenário, o otimizador em tempo real contribuiu com o balanço energético sendo essencial para enfrentar a crise hídrica.” Segundo o executivo, a maior eficiência energética alcançada com essa tecnologia ainda reduziu a emissão de gases.

O Software atua como um engenheiro virutal dentro da usina

EFICIÊNCIA

AUTONOMIA O software adotado pela Tereos é o S-PAA, desenvolvido pela empresa Soteica do Brasil e já utilizado em cerca de 75 das 330 usinas que processam cana no Brasil. De acordo com o diretor e cofundador da companhia, Pedro Martins Alves, o programa é como um engenheiro virtual dentro da planta. “O sistema abrange em torno de 125 aplicações que podem ser realizadas, na maioria, on-line. Mais do que fazer o monitoramento em tempo real das variações de demanda de vapor nas caldeiras, a tecnologia indica o que deve ser feito para obter produtividade mais alta, dependendo da qualidade da cana”, disse o executivo.

Essa autonomia tem gerado bons resultados nas unidades industriais da SJC Bionergia. São três indústrias em duas usinas (Rio Dourado e São Francisco), ambas em Goiás, que processam cerca de 9 milhões de toneladas de cana por ano. Segundo o gerente industrial corporativo da empresa, Marcus Lages, entre as principais vantagens dessa ferramenta estão a agilidade e a antecipação nas tomadas de decisão em todos os processos: extração e moagem, fluxo, tratamento de caldo e evaporação, fermentação e destilação. Um ponto crucial, por exemplo, é o volume de água de embebição para fazer a extração do açúcar. “Sem o sistema, a cada quatro horas o operador fazia a verificação e corria o risco de colocar água demais ou de menos. Com o S-PAA tudo é feito com precisão, inclusive a regulagem da quantidade de vapor. Assim os equipamentos reduzem as perdas na geração de energia”, afirmou.
Em termos financeiros, essa exatidão gera ganhos acima de R$ 1 por tonelada de cana processada. Diante do volume com quem trabalham essas empresas, isso faz uma grande diferença. Mais ainda quando se considera a expectativa de safra para a temporada 2021/22, que deve passar de 568 milhões de toneladas, de acordo com levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Cabe destacar que todas essas vantagens operacionais agregam valor ao processo industrial e às pessoas. Para Everton Carpanezi, da Tereos, esse tipo de tecnologia é disruptiva e tira toda a operação da zona de conforto. “Mas a tecnologia representa só 10% da transformação digital, 30% estão em mudanças de processos e da forma como trabalhamos e 60% são pessoas e habilidades”, disse. Por mais e melhores informações que a tecnologia disponibilize, a tomada de decisão ainda pertence ao ser humano, segundo Marcus Lages, da SJC Bioenergia. “Até reduz a pressão sobre o operador. A indústria fica funcionando como um avião, depois que entra na condição de cruzeiro o sistema toma conta e o responsável só assume o controle se houver alguma turbulência.”

CONTROLE

LAVOURAS O controle mais eficiente e preciso das informações não se restringe ao processo industrial do setor sucroenergético, esse processamento vem desde os canaviais. Nesse campo o grande desafio é lidar com os efeitos climáticos, pois os produtores – agricultores ou as próprias usinas – não têm domínio sobre falta ou excesso de chuvas, geadas e incêndios. Embora não possam evitar tais eventos, é possível entendê-los e ver a probabilidade de ocorrerem. Essa é a opinião da diretora-executiva da Agrymet, Bárbara Sentelhas. A empresa faz um balanço hídrico das lavouras que envolve produtividade, desempenho, condições de solo, disponibilidade de água suficiente para as plantas ou em demasia que impeça a entrada de máquinas. “A ideia é termos uma análise mais ampla e não ficar apenas em cima da questão da chuva”, afirmou.

A Agrymet, que é especializada em pesquisa científica e provisão de dados agrometeorológicos, utiliza informações disponíveis tanto na base pública quanto privada. “Nossos robôs comparam esses dados e analisam se há disparidades, algo muito fora do comum”, disse Sentelhas. Os benefícios dessas avaliações são potencializados a partir da parceria que a empresa tem com a Horiens, companhia dedicada à gestão de riscos e seguros para indústrias de vários segmentos. O trabalho conjunto é capaz de prever produtividades da próxima safra, trazendo um mapeamento dos valores possíveis e quais as probabilidades de ocorrerem. Quanto maior for a precisão nessa estimativa, melhor também será a condição de negociar um contrato de seguro agrícola.