Geral

Abelha funerária reconhece cadáver na colmeia pela baixa produção de secreção

Crédito: Divulgação

Em menos de 30 minutos, as abelhas funerárias vasculham as colmeias e encontram camaradas mortos, de acordo com o estudo da Academia de Ciências da China. A pesquisa identificou que as abelhas mortas emitem menos hidrocarbonetos cuticulares (CHCs) do que as abelhas vivas. As informações são da revista Science.

As abelhas funerárias são responsáveis pela limpeza especial. Elas retiram os cadáveres e voam com eles para fora da colmeia. Também são conhecida como abelhas faxineiras.

O ecologista Wen Ping, responsável pelo levantamento, explica que a descoberta surgiu a partir da observação de que abelhas, e outros insetos, são cobertos CHCs e liberam essas partículas enquanto estão vivos. A ideia era entender se isso muda após a morte do inseto.

Os CHCs são uma espécie de cera que artrópodes secretam pelo exoesqueleto. No caso dos insetos, é comum que esse secreção seja identificada pelas antenas de outros da colônia. Desta maneira é feito o reconhecimento de indivíduos da mesma espécie.

+ OMS diz que não há evidências de transmissão da Covid-19 por animais de estimação
+ Ratos e macacos de laboratório têm condições saudáveis nos EUA durante a pandemia
+ Troca de abelha rainha mantém a produtividade da colmeia

O estudo aponta que a redução de temperatura e CHCs levam as funerárias a perceberem a abelha morta como algo que precisa ser removido.

Para Yehuda Ben-Shahar, entomologista da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, mais pesquisas serão necessárias para sustentar as alegações de Wen. “Acho que este estudo é um bom começo”, diz ele.

Tópicos

abelhas China Science