• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias28/01/2022

Acordo permitirá política fiscal moderadamente expansiva, diz ministro argentino

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo28/01/22 - 13h26min

O ministro da Economia argentino, Martín Guzmán, afirmou nesta sexta-feira que o acordo fechado com o Fundo Monetário Internacional (FMI) permitirá ao país ter uma política fiscal "moderadamente expansiva". Durante entrevista coletiva, ele disse que a iniciativa fará a Argentina "financiar a dívida, sem solapar a recuperação" econômica nem a geração de empregos.

Guzmán qualificou as negociações com o FMI como "realmente duríssimas", diante da "magnitude do dano infligido à Argentina" pelo acordo anterior com o Fundo, fechado em 2018 pelo então presidente Mauricio Macri. Segundo o ministro, aceitar as demandas do acordo anterior "solaparia a chance de seguir no caminho do crescimento".

De acordo com Guzmán, o novo acordo tem dois blocos, em seu marco geral: um esquema de políticas macroeconômicas; e medidas que promovam o crescimento de médio prazo e uma "estabilidade duradoura".

Guzmán disse que o acordo permite uma política fiscal "que não iniba a continuidade da recuperação", com modo "moderadamente expansivo e sem políticas de ajuste".

Segundo ele, a iniciativa prevê uma redução gradual do déficit fiscal, equivalente a 2,5% do PIB neste ano, 1,9% em 2023 e 0,9% em 2024.

Na frente monetária e financeira, ele disse que o pacto prevê a redução "gradual, mas decidida", da assistência monetária realizada pelo banco central ao Tesouro. Ele garantiu que "não haverá nenhum salto cambial" e que a atual linha nessa frente será mantida. Também mencionou o trabalho em andamento para "reconstruir o mercado de dívida pública em moeda local".

Guzmán disse que o acordo olha para a inflação como "fenômeno de múltiplas causas", que devem ser enfrentadas ao mesmo tempo. Segundo ele, há o objetivo de aumentar o salário real, além de fortalecer a demanda agregada no país. Outra meta citada é a de que as reservas em moeda estrangeira aumentem US$ 5 bilhões, em 2022.

O ministro ainda disse que os direitos dos aposentados serão mantidos e que não haverá "reforma laboral nem privatização de empresas públicas".

Segundo Guzmán, o acordo fechado foi "razoável" e "o melhor que se poderia conseguir", abrindo "um caminho transitável" para o país se recuperar.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
acordo