• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias26/11/2021

Acrefi/Tingas: alta do estoque de crédito tem a ver com queda de covid e inflação

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo26/11/21 - 18h58min

Sobre a nota de crédito à imprensa referente a outubro divulgada nesta sexta-feira, 26, pelo Banco Central, o economista-chefe da Acrefi, Nicolas Tingas, atribui o crescimento de 1,5% no estoque total à queda dos casos de infecção pela covid e mortes, sazonalidade do período e inflação. Em números absolutos o estoque de crédito subiu para R$ 4,497 trilhões comparativamente a setembro.

"A evolução das operações de crédito no Sistema Financeiro Nacional (SFN) em outubro mostra a confirmação de alta para este período, impulsionada pela sazonalidade, redução dos novos casos de infecção e mortes pela Covid e pela ampliação da retomada da atividade no setor de serviços", disse Tingas.

Ao mesmo tempo, afirmou ele, a manutenção de uma carteira que nominalmente cresce tem a ver também, pelo menos em parte, com a inflação. "Então a rolagem de uma carteira com a inflação mantém o número alto. E as concessões de crédito mostra a qualidade do crédito, com as pessoas jurídicas buscando recursos para capital de giro de longo prazo. Ou seja, as empresas estão saneando seus caixas", atestou o economista da Acrefi.

Já não é o que acontece com as pessoas físicas que, segundo Tingas, perdem ritmo de crescimento no saldo e nas concessões. "Então o que a gente vê em termos de concessões dessazonalizadas, falando em crédito livre, é um crescimento de 0,8% das pessoas jurídicas no mês e avanço de 8,7% no trimestre, coincidindo com o período de retomada dos serviços, e as pessoas físicas caindo 0,4% no mês e 4% no trimestre", observou o economista da Acrefi.

No crédito direcionado para pessoa jurídica Tingas cita a queda forte ao longo do tempo enquanto as pessoas físicas cresceram 0,7%, na comparação de outubro sobre setembro apesar de uma perda de impulso no financiamento imobiliário.

"Além disso, se vê a inadimplência caindo em alguns segmentos de crédito para pessoas físicas. Ou seja, nominalmente o saldo de crédito forte tem a ver com a retomada da atividade dos serviços, com a queda da Covid e com alta da inflação. Se tirada a inflação esses números são diferentes", disse Tingas

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais