Sustentabilidade

Aftosa/MS: além de imunizar, pecuarista deverá atualizar tamanho do plantel

Crédito: foto: Jose Souza Ag. A Tarde Folhapress

Gado sadio: os gastos estimados para controlar a febre aftosa no rebanho de 217,5 milhões de bovinos são de R$ 2 bilhões anuais (Crédito: foto: Jose Souza Ag. A Tarde Folhapress)

São Paulo, 02 – Juntamente com a campanha de vacinação contra febre aftosa, que teve início na quarta-feira, 1, em Mato Grosso do Sul, os pecuaristas deverão também informar seus estoques de bovinos e bubalinos, além de fazer a atualização do cadastro das propriedades rurais.

Conforme informou a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul (Semagro), em nota, a exigência está prevista no Programa de Atualização do Cadastro das Propriedades e Estoque de Bovinos e Bubalinos.

A declaração do estoque efetivo deve ser feita pela internet, no site do Iagro (www.iagro.ms.gov.br). De acordo com o secretário interino da Semagro, Ricardo Senna, esta é uma das mais de cem exigências do Ministério da Agricultura para que o Estado esteja apto para retirar a vacinação contra febre aftosa, prevista para 2021, no âmbito do Plano Estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa).

“Esta é uma das ações fundamentais para o Estado alcançar o status de ‘livre de aftosa sem vacinação'”, comentou o secretário interino. Já o gerente de Sanidade Animal da Iagro, Rubens de Castro Rondon, esclareceu que a atualização tanto do estoque de animais quanto do cadastro dos estabelecimentos deve ser feita antes da declaração da vacinação.