• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias24/08/2021

Ajudante de pedreiro é inocentado após quatro anos e meio preso pela morte do tio

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo24/08/21 - 21h12min

Um ajudante de pedreiro, de 30 anos, foi inocentado depois de ficar preso, injustamente, por mais de quatro anos. O homem era acusado pelo homicídio qualificado do próprio tio. O caso ocorreu em 2011, no município de Coari, a 360 km da capital do Amazonas.

O amazonense foi acusado de ter induzido o tio a se embriagar para que outro indivíduo efetuasse os disparos que culminaram na morte da vítima. Segundo a Defensoria Pública, o ajudante de pedreiro e o autor do crime eram conhecidos. O assassino, que também conhecia o homem, teria discutido com ele e em seguida aberto fogo contra o morador.

Em 2015 o sobrinho teve sua prisão preventiva decretada. A comprovação da inocência só aconteceria depois de 1.648 dias de detenção, em 18 de agosto, através da atuação da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), que participou do julgamento do réu em júri popular.

O defensor público Thiago Torres, que atua no Polo de Coari, explica que inicialmente o Ministério Público acusou o sobrinho da vítima de ser o autor do crime e, posteriormente, de ter participado do homicídio. "Ele nunca se escondeu, mas mesmo assim foi decretada a prisão preventiva em 2015, porque ele não foi achado. Nesse meio tempo, ele fugiu, mas no final das contas, ficou quatro anos e seis meses preso", relembra o representante, que continua. "As testemunhas confirmaram que não havia animosidade entre ele e o tio e que o fato se originou de uma discussão com o verdadeiro assassino, que efetuou os disparos. A arma não era dele. Foi comprovada a inocência. Ele não era o autor, nem participou do assassinato do tio."

Um estudo da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (Anadep) apontou que a falha no reconhecimento dos autores de crimes é responsável por 70% dos casos de presos injustamente no País.

Integrante da defesa, Bernardo Campos destacou a importância da atuação da Defensoria Pública, essencialmente nas regiões mais afastadas da capital, onde o acesso à serviços jurídicos é deficitário. "É no interior que ocorrem as maiores injustiças, principalmente quando a pessoa fica abandonada, sem assistência jurídica integral e gratuita nos presídios dos interiores, em situação degradante, humilhante, sem uma defesa digna e efetiva, como ocorreu nesse caso, em que ele ficou preso quase cinco anos e foi absolvido. Isso nos emocionou muito", ressalta o defensor público.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
ajudante de pedreiro