• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias17/05/2022

Alta no PIB do 1º tri é mais normalização ante pré-covid do que pujança, diz FGV

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo17/05/22 - 13h25min

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,5% no primeiro trimestre deste ano ante o quarto trimestre de 2021. Na comparação com o primeiro trimestre de 2021, houve expansão de 2,4% no primeiro trimestre de 2022, segundo o Monitor do PIB divulgado nesta terça-feira, 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O avanço, porém, deve ser considerado mais como uma normalização da atividade econômica em relação ao nível pré-pandemia do que como um momento de pujança de fato, apontou Claudio Considera, coordenador do Núcleo de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV). Segundo ele, um crescimento sustentado do PIB brasileiro ainda é um desafio.

"É muito mais uma volta ao período pré-pandemia. Ninguém fica muito feliz de saber que, depois de dois anos ganhando menos por causa de uma pandemia, voltou a ganhar o que ganhava antes. Todo mundo quer ganhar mais", avaliou Considera. "Não é de hoje que o Brasil está andando de lado. Faz tempo que estamos com 1% de crescimento. Não dá para comemorar crescimento de 1% como se fosse um grande milagre. Crescer 1% é muito ruim, isso precisa ficar claro", completou.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais. O IBGE divulgará os resultados oficiais sobre o desempenho do PIB no primeiro trimestre de 2022 no próximo dia 2 de junho.

O indicador da FGV estima que o PIB brasileiro teve uma alta de 1,8% em março ante fevereiro. Na comparação com março de 2021, a atividade econômica teve expansão de 4,2% em março de 2022.

O setor de serviços foi destaque no desempenho positivo deste início de ano, por ter sido mais impactado pela crise sanitária, o que abriu espaço para "crescer e recuperar o nível de atividade que possuía antes da chegada da pandemia", afirmou Juliana Trece, coordenadora do Monitor do PIB - FGV, em nota oficial.

"Nota-se que o desempenho do PIB ainda tem sido impulsionado pela normalização do nível de atividade pré-pandemia e este efeito está se esgotando, o que liga um alerta para a sustentabilidade do crescimento." alertou Trece, na nota.

Claudio Considera acredita que as liberações de recursos pelo governo, como o pagamento do Auxílio Brasil, o saque extraordinário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a antecipação do 13º salário a pensionistas e aposentados do INSS, possam ajudar a melhorar o desempenho do PIB do segundo trimestre de 2022, mas não se sabe se o movimento terá fôlego para permanecer nos meses subsequentes.

"Quando você antecipa o 13º salário, falta lá na frente", exemplificou Considera. "Temos uma coisa chamada inflação, então ainda não se sabe o que vai acontecer com o consumo das famílias", lembrou.

Considera ressaltou que economistas do mercado financeiro têm revisado para cima suas projeções para o PIB deste ano, mas reduzido as estimativas de crescimento para 2023.

"Se cresce mais agora, cria um efeito base de comparação mais elevada. O PIB teria que crescer mais no ano que vem", acrescentou o coordenador do Ibre/FGV.

Pela ótica da oferta, o PIB da agropecuária subiu 1,7% na passagem do quarto trimestre de 2021 para o primeiro trimestre de 2022, enquanto o da indústria avançou 0,5%. O PIB dos serviços cresceu 0,8%.

Pelo lado da demanda, o consumo das famílias avançou 1,5% no primeiro trimestre de 2022 ante o quarto trimestre de 2021, mas o consumo do governo encolheu 0,8%. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) subiu 2,8%. As exportações aumentaram 6,0%, e as importações tiveram elevação de 1,0%.

No primeiro trimestre de 2022 ante o mesmo período de 2021, pelo lado da oferta, a agropecuária caiu 2,1%, e a indústria encolheu 1,0%. Os serviços cresceram 3,3%.

Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias teve elevação de 3,4% no primeiro trimestre deste ano ante o primeiro trimestre do ano passado, sustentado pelo componente de serviços, apontam as estimativas da FGV. O consumo do governo avançou 2,0%. A Formação Bruta de Capital Fixo cresceu 1,5% no período. As exportações aumentaram 9,6%, e as importações tiveram retração de 1,8%.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 2,458 trilhões no primeiro trimestre de 2022, em valores correntes.

A taxa de investimento da economia foi de 18,4% no primeiro trimestre de 2022.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
análise