Economia

Aquisição de couro cai 11,3% no 1º tri; captação de leite sobe 1,8%

Rio, 10 – Na esteira da queda no abate de bovinos, os curtumes que efetuam curtimento de pelo menos 5 mil unidades inteiras de couro cru bovino por ano declararam ter adquirido menos couro no primeiro trimestre, segundo os resultados das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, do Leite, do Couro e da Produção de Ovos de Galinha, divulgada nesta quarta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar disso, a aquisição de leite foi recorde.

A aquisição de couro somou 7,52 milhões de peças no primeiro trimestre, queda de 11,3% em relação ao adquirido no primeiro trimestre de 2019 e recuo de 3,7% frente ao quarto trimestre de 2019. Isoladamente, janeiro apresentou a maior queda em relação ao mesmo período do ano anterior, com 18,5% de peças adquiridas a menos, informou o IBGE.

+ Abate de frango sobe 5,0% no 1º tri, diz IBGE; abate de suíno aumenta 5,2%
+ Abate de bovinos cai 8,5% no 1º trimestre ante 1º tri de 2019, diz IBGE
+ Abate de frangos no país atingiu volume recorde no primeiro trimestre

Na comparação do primeiro trimestre com os três primeiros meses de 2019, houve queda em 13 dos 19 Estados que possuem curtumes elegíveis pelo universo da pesquisa. As maiores quedas ocorreram em Paraná (-187,94 mil peças), Mato Grosso (-166,65 mil peças), São Paulo (-122,78 mil peças), Pará (-113,78 mil peças), Mato Grosso do Sul (-100,25 mil peças) e Rio Grande do Sul (-98,85 mil peças). O único Estado com participação acima de 5,0% na aquisição de couro nacional a registrar aumento foi Rondônia (+74,24 mil peças).

Mato Grosso continua a liderar a lista de Estados que mais recebem peças de couro cru para processamento, com 16,0% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (14,1%) e São Paulo (11,1%).

Leite

Já a aquisição de leite cru por estabelecimentos sob algum tipo de inspeção sanitária foi de 6,30 bilhões de litros, recorde para um primeiro trimestre na série histórica iniciada em 1997, com aumento de 1,8% em relação aos três primeiros meses de 2019. Em relação ao quarto trimestre de 2019, houve redução de 5,5%.

“Observa-se um comportamento cíclico no setor leiteiro, em que os 1º trimestres apresentam queda de produção em relação ao último período de cada ano. O mês de maior captação dentro do primeiro trimestre de 2020 foi janeiro, com 2,23 bilhões de litros de leite”, diz a nota divulgada pelo IBGE.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2019, houve alta na aquisição de leite em 17 dos 26 Estados pesquisados. Os aumentos mais significativos ocorreram em Santa Catarina (+61,12 milhões de litros), Minas Gerais (+58,85 milhões de litros), Paraná (+26,08 milhões de litros), São Paulo (+21,45 milhões de litros) e Bahia (+16,27 milhões de litros). Na contramão, houve quedas no Rio Grande do Sul (-51,41 milhões de litros), Goiás (-28,80 milhões de litros) e Rio de Janeiro (-10,48 milhões de litros).

Minas Gerais continuou liderando o ranking de aquisição de leite, com 26,0% da captação nacional, seguida por Paraná (13,1%) e Rio Grande do Sul (11,8%).