• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias13/12/2021

Argentina: Guzmán apresenta orçamento de 2022 sem pagamentos ao FMI

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo13/12/21 - 20h19min

O ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, anunciou nesta segunda-feira, 13, que o país não fará os pagamentos ao Fundo Monetário Internacional (FMI) no orçamento de 2022. Na apresentação da proposta ao Congresso, o ministro afirmou que, caso o governo quitasse tais dívidas, o resultado teria de ser uma série de cortes em gastos públicos, incluindo nos subsídios de energia e custos de universidades.

Segundo o ministro, o pagamento também colocaria obstáculos à compra de vacinas contra a covid-19 pelo país. Na Câmara dos Deputados, depois da derrota do governo nas últimas eleições legislativas, que colocou a administração em minoria na Casa, Guzmán projetou uma inflação de 33% em 2022, além de um dólar cotado oficialmente a 131 pesos. Para 2021, o aumento do PIB do país foi revisado de 8,5% para 10%, enquanto a expectativa é por uma alta de 4%.

A intenção do orçamento é a "estabilidade macroeconômica que permita o desenvolvimento da Argentina", segundo o ministro, que destacou ainda a intenção de atacar os processos inflacionários no país. Guzmán destacou a busca pela igualdade de oportunidades na federação. Além disso, o argentino apontou a intenção de "incentivar um maior dinamismo na geração de divisas e um multiplicador da atividade econômica de curto prazo, e contribuir para as condições de inclusão social". De acordo com Guzmán, "há um ordenamento gradual, mas claro, das condições de financiamento, visando fortalecer a sustentabilidade da dívida pública, para que o Estado tenha melhor crédito e construa uma moeda mais robusta".

O ministro voltou a defender medidas contracíclicas durante a crise, especialmente tendo em conta o papel do estado para estimular a demanda agregada. Segundo Guzmán, é necessário que o governo faça investimentos para buscar o desenvolvimento e o fortalecimento do estado. Além da recuperação econômica, o argentino apontou a necessidade de reforçar o poder de compra dos trabalhadores, algo que também ajudaria na retomada, destacou. Outro ponto é a necessidade de investimentos sustentáveis, o que é importante para a competitividade argentina no cenário internacional segundo Guzmán, que lembrou o aumento do interesse no tema, incluindo o mercado de carbono.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
Argentina