Especial

As 100 personalidades mais influentes do agronegócio: Cooperativas

Nas mãos de um milhão de produtores rurais cooperativados está a maior parte do alimento consumido no País. É de onde parte 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz, 21% do trigo e 60% do leite

Crédito: Divulgação

Alfredo Lang

Divulgação

Depois de consolidar a produção de soja, milho, trigo, mandioca, leite, frango e suínos, Alfredo Lang, presidente da C.Vale Agroindustrial, de Palotina (PR), é o responsável pela estreia da cooperativa na piscicultura, com um investimento de R$ 110 milhões em um abatedouro de peixes. O projeto entrou em operação em outubro deste ano e deve abater 75 mil tilápias por dia, até o final de 2018. A ideia de Lang é comercializar derivados de peixe prontos para consumo, aproveitando a rede de clientes que já distribui a carne de frango, inclusive para exportação. A cooperativa faturou R$ 6,8 bilhões em 2016, um aumento de 24% em relação ao ano anterior. Além do Paraná, a C.Vale atua em Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, mais o Paraguai. Possui 142 unidades de negócios e 18,8 mil cooperados.

Carlos Alberto Paulino da Costa

Marco Ankosqui

A mineira Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé) completa este ano seis décadas na atividade cafeeira, mas quem comemora é o agrônomo e atual presidente, Carlos Alberto Paulino da Costa, 78 anos. À frente da maior produtora e beneficiadora global do grão, neste ano, Paulino duplicou o volume de torrefação para 1 milhão de quilos de café ao mês. Foram investidos R$ 18 milhões. Atualmente, a Cooxupé possui 13 mil cooperados que colhem 6,3 milhões de sacas por safra. No ano passado, a cooperativa faturou R$ 3,8 bilhões e exportou 3,9 milhões de sacas do grão.

Frans Borg

Divulgação

O produtor rural e descendente de holandeses Frans Borg, presidente da Castrolanda, é o responsável pelo sucesso da Agroleite, feira organizada há 17 anos pela cooperativa, em Castro (PR), a maior bacia leiteira do País, produzindo 255 milhões de litros no ano passado. Os números da feira deste ano foram os maiores de sua história, com negócios da ordem de R$ 55 milhões. Com 878 cooperados e receita de R$ 2,8 bilhões em 2016, a Castrolanda é hoje dona de 12 marcas de alimentos.

José Aroldo Gallassini

Divulgação

Em 42 anos no comando da Coamo Agroindustrial Cooperativa, em Campo Mourão (PR), o agrônomo José Aroldo Gallassini conseguiu erguer uma das maiores cooperativas agrícolas do mundo, com receita de R$ 11,4 bilhões em 2016. E seu plano é fazer o negócio crescer ainda mais. Até 2019, os investimentos devem somar R$ 1 bilhão em infraestrutura, como a construção de armazéns. A Coamo processa soja, milho, café e trigo, industrializando parte da produção.

Luiz Lourenço

Divulgação

O líder de 13 mil produtores de soja, milho, trigo, café, laranja e bovinos de corte, espalhados por Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo, Luiz Lourenço, 77 anos, tem fortalecido os negócios da Cocamar Cooperativa Agroindustrial, com sede em Maringá (PR). Com receita de R$ 3,6 bilhões em 2016, a meta é chegar em 2020 faturando R$ 6 bilhões. A preparação, neste ano, contou com investimento de R$ 70 milhões para ampliar a armazenagem de grãos para 1,4 milhão de toneladas.

Mario Lanznaster

Divulgação

Aos 77 anos, o engenheiro agrônomo Mario Lanznaster comemorou uma década como presidente da Cooperativa Central Aurora de Alimentos, de Chapecó (SC). Formada por 13 cooperativas associadas e 72 mil produtores de suínos, aves e lácteos, a Aurora faturou R$ 8,5 bilhões no ano passado. De olho no mercado asiático, Lanznaster conseguiu habilitar, neste ano, a unidade de carne suína de Chapecó para exportação à Coreia do Sul. A Aurora também inaugurou um armazém de grãos em São Gabriel do Oeste (MS), com um investimento de R$ 21,5 milhões.

Renato Greidanus

Fabiano Cerchiari

À frente da Frísia Cooperativa Agroindustrial, com sede em Carambeí (PR) e uma receita de R$ 380,4 milhões em 2016, Renato Greidanus protagonizou um fato inédito. Neste ano, ele promoveu a primeira feira de inovações tecnológicas entre as cooperativas agrícolas do País. Em meados de setembro, a Digital Agro reuniu cerca de cinco mil produtores rurais para se interarem de tecnologias como robótica, automação, gestão e monitoramento digital das fazendas, além de palestras. A ideia deu tão certo que o próximo Agro Digital já está marcado para junho do ano que vem.

Leia mais