Notícias

Bayer projeta crescimento de 4% na receita e 9% no Ebitda até 2022

São Paulo, 5 – A Bayer anunciou nesta quarta-feira, 5, que pretende aumentar a receita e a lucratividade em todas as suas divisões até 2022. A multinacional alemã estima incremento de cerca de 4% nas vendas em 2019 e entre 4% e 5% em média ao ano de 2020 a 2022, com base em taxas de câmbio constantes. Quanto ao lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), a companhia estima um aumento de aproximadamente 9% em média ao ano até 2022.

Se confirmadas as estimativas, a receita da empresa passará de 44,6 bilhões de euros em 2018 para aproximadamente 46 bilhões de euros em 2019 e para 52 bilhões de euros em 2022. O Ebitda tende a passar de 11,5 bilhões de euros em 2018 para 12,2 bilhões de euros em 2019 e 16 bilhões de euros em 2022. A companhia também revisou em 10% para cima sua perspectiva de lucro por ação, de 5,70 a 5,90 euros em 2018 para uma meta 6,80 euros por ação em 2019 e 10 euros em 2022.

Para o período entre 2019 e 2022, a companhia projeta também um fluxo de caixa livre de cerca de 23 bilhões de euros. A Bayer disse ainda, em comunicado para a imprensa, que planeja usar seus fundos para aumentar ainda mais seus dividendos e financiar “aquisições seletivas”.

“Exploraremos também a opção de utilizar uma parte significativa dos lucros da venda de ações”, afirmou o diretor Financeiro, Wolfgang Nickl.

A Divisão Crop Science, que inclui produtos agrícolas, tende a gerar em 2019 uma receita 4% superior aos 19,3 bilhões de euros esperados para 2018, segundo estimativas da Bayer. O Ebitda do segmento deve registrar um avanço de 23% em 2018, com uma meta de cerca de 25% em 2019 e mais de 30% em 2022. Esse aumento é baseado na meta Ebitda de 4,5 bilhões euros em 2018.

“A Crop Science alavancará sua posição de líder de mercado e suas capacidades de pesquisa e desenvolvimento (P&D) para oferecer inovação de classe mundial que beneficie os agricultores e a sociedade, aproveitando a inovação digital para fornecer soluções sob medida”, ressalta a Bayer. Segundo a companhia, atualmente, há mais de 75 projetos em desenvolvimento na área.

Na semana passada, a companhia divulgou um plano robusto de reorganização, incluindo 12 mil demissões e desinvestimentos como a venda da Divisão de Saúde Animal. Na ocasião, a companhia disse que pretende se concentrar em seus segmentos principais – farmacêutico, de cuidados pessoais e de agricultura. A estratégia tem como motivação também o litígio da companhia com mais de 9,3 mil processos judiciais sobre o herbicida Roundup, feito à base de glifosato.

“Após nossa transformação em uma empresa de Ciências da vida com empresas líderes em saúde e nutrição, estamos fortemente posicionados para nos beneficiarmos de megatendências importantes”, comentou Werner Baumann, presidente do Conselho de Administração da Bayer AG, na quarta-feira no Bayer’s Capital Markets Day, realizado em Londres. “A eficiência e medidas estruturais recentemente anunciadas nos apoiarão ainda mais nesses esforços. Todas as divisões da Bayer devem contribuir para uma melhoria no desempenho do Grupo até 2022 e além”, destacou o executivo. (Com informações da Dow Jones Newswires)