• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
As Melhores da Dinheiro Rural 202111/01/2022

Bem-estar para animais e planeta

Com aumento do rebanho bovino
e elevação na produção de aves e suínos, setor de nutrição tem terreno fértil para crescer em 2022

(Créditos: Divulgação)
Ingrid Biasioli
Ingrid Biasioli11/01/22 - 19h53min - Atualizado em 11/01/22 - 19h53min

As Melhores da Dinheiro Rural - 2021
NUTRIÇÃO ANIMAL

Mauricio Graziani
Empresa: Phibro Saúde Animal Brasil
Cargo: Presidente

O ano de 2021 começou com perspectivas de céu de brigadeiro para a pecuária brasileira e, a reboque, para o setor de nutrição e saúde animal. Alta demanda interna e externa, aliada a preços em patamares elevados, levaram a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) a projetar alta de 5,5% para a produção de frango (14,5 milhões de toneladas) e 3,5% para suínos (4,4 milhões ton.). Já o rebanho bovino começou o ano com 218,2 milhões de cabeças, 1,5% maior do que o ano anterior e o maior efetivo desde 2016. Currais e granjas lotados são sinônimos de boas oportunidades para o setor de nutrição animal, que registrou crescimento de 5,2% no primeiro semestre do ano, segundo Ariovaldo Zani, CEO do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações). “Nossas expectativas foram superadas” afirmou.

Para a segunda metade do ano, as perspectivas continuam positivas, a despeito de um sinal amarelo que se acendeu sobre a indústria. No fim do terceiro trimestre, a China interrompeu a importação de carnes brasileiras alegando questões sanitárias. Some-se ao fato a constante ameaça da União Europeia em suspender o comércio com o Brasil devido a problemas ambientais. Mas como diz uma das máximas da administração: todo problema bem gerenciado leva a uma oportunidade. Animais nutridos com aditivos corretos tornam o plantel mais saudável, mais produtivo e até ecologicamente mais responsável. É isso que diz o estudo Nutrição Responsável: Contribuindo com o Meio Ambiente.

Realizado pelo Sindirações em parceria com a Embrapa Suínos e Aves, o estudo mostra que o acréscimo de determinados aditivos nutricionais na composição de rações, substituindo parte de proteínas como milho e farelo de soja, diminui a emissão de gases relacionados com o aquecimento global: 1% a menos de proteína bruta em uma dieta de suínos reduz em 10% os níveis de nitrogênio nos dejetos e diminui em 30% a presença de fósforo nas fezes, além de uma redução de 3% no consumo de água e de 5% no volume de dejetos. “Há uma janela escancarada de oportunidades no segmento. É uma alternativa para reduzir os custos com grãos e aumentar a produtividade com sustentabilidade”, disse Zani.

Essa é uma das janelas que o presidente da Phibro Saúde Animal, Mauricio Graziani, quer explorar. “Nosso papel é contribuir para os desafios dos nossos clientes e para isso temos uma série de alternativas e soluções”, afirmou. A empresa atua no mercado de saúde animal de todas as proteínas cultivadas em fazendas — suínos, aves, ovos, bovinos, leite, camarão e tilápia — com uma farta oferta de produtos, como aditivos nutricionais, antimicrobianos e vacinas.

A empresa, vencedora da categoria nutrição animal do anuário AS MELHORES DA DINHEIRO 2021, vê boas perspectivas para o próximo ano. “A área de aditivos nutricionais foi a que mais cresceu em 2020 em percentual (dois dígitos) e tem sido também assim em 2021”, afirmou Graziani. As projeções apontam um ritmo de expansão acima de 10% nos próximos anos, principalmente em tilápias e bovinos. Já para os mercados mais consolidados, como aves e suínos, o ritmo deve ser menor, “mas ainda será de crescimento”, afirmou.

Para atender à demanda, a Phibro já considerou em seu planejamento estratégico um plano de expansão para os próximos três anos, “tanto no parque industrial como em novos produtos”, disse o presidente. Dentre as ações, melhorias para a infraestrutura das fábricas de Guarulhos e de Bragança Paulista, ambas em São Paulo. Mas o grande pulo do gato da Phibro para expandir seu mercado é oferecer serviços aos seus clientes. “Temos feito uma série de iniciativas para munir o mercado com informações, orientações e técnicas para que o produtor melhore a rentabilidade de sua propriedade.”

Entre as principais novidades, o aplicativo Comand. A ideia da plataforma é que o criador de gado coloque os dados da fazenda, o tipo de animal, de produção, ocorrência de sombra e outros, que são conectados com o forecast de temperatura e de chuvas. Essa combinação mostrará qual período o animal pode estar com mais ou menos estresse, informação que, segundo a empresa, auxiliará o produtor a tomar decisões de manejo para entrar com aditivos que possam contribuir com o bem-estar do animal.

Unindo conhecimento, tecnologia e serviço ao cliente a Phibro espera fechar o ano com crescimento de 11,6% ante os mais de R$ 422 milhões de 2020.