• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Porteira Aberta22/04/2022

Bolsa digital e física

Romualdo Venâncio
Texto por:Romualdo Venâncio22/04/22 - 13h50min

A agtech Gavea Marketplace recebeu um aporte de R$ 23 milhões em uma rodada “seed” liderada pela gestora de venture capital Astella. De acordo com o CEO da startup, Vitor Uchôa Nunes, a Gavea é a primeira bolsa digital do mundo para comercialização de commodities, mas com negócios imediatos. Por isso ele diz que é uma bolsa física. De maneira geral, a Gavea conecta quem vende e quem compra, de forma rápida, transparente e segura, inclusive com aplicação da tecnologia blockchain e audioria da KPMG, segundo Nunes. “Somos uma bolsa e provemos informações, mas a decisão é de quem negocia”, afirmou o executivo. Para ele, o objetivo é agregar valor aos negócios, pois não há mais espaço para corretores que são apenas intermediários. Com esse investimento, a agfintech ganha fôlego para avançar com o plano de interna-cionalização. “Chegávamos até o porto nacional, agora queremos alcançar o distribuidor e o consumidor final”, disse Nunes. Dentro ou fora do Brasil.

ALIMENTOS
Evolução histórica

Estudo inédito do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) mostra o avanço da produção nacional de alimentos. A pesquisa “Produção de Alimentos no Brasil: Geografia, Cronologia e Evolução” traz vários recortes sobre o desenvolvimento agrícola no País, inclusive sobre a concentração em poucas culturas e o avanço das fronteiras agrícolas. A relação entre o crescimento do volume produzido e o a área cultivada através do tempo (como mostrado ao lado) reforça o potencial de produtividade do setor. Por outro lado, há dados preocupantes: redução de 2% na quantidade de estabelecimentos e o aumento de 7,4% na área média das propriedades. “No Sul do País, por exemplo, houve redução de 15,2% no número de estabelecimentos e aumento de área média de 21%, indicando uma forte concentração produtiva na região”, disse Vinicius Guidotti de Faria, coordenador de Geoprocessamento do Imaflora. O trabalho teve apoio de Instituto Ibirapitanga, Instituto Clima e Sociedade (iCS) e Grupo de Políticas Públicas (GPP/Esalq), e pode ser visto na integra no site imaflora.org.

SUSTENTABILIDADE
Pneus com menos impacto

As empresas Suzano e Gripmaster criaram o Projeto Elastômero para aplicação do polímero elástico nos pneus das máquinas que trabalham na produção de eucalipto. Entre os principais benefícios estão o aumento de 400% na vida útil dos pneus (passando de 3 mil horas para 15 mil), redução da geração de 73 toneladas de resíduos no primeiro ciclo de 18 meses e o incentivo ao descarte correto dos pneus. Após a utilização total, o material retorna para o fornecedor para que o elastômero seja retirado, reciclado e reaplicado em outra peça. Já a carcaça é triturada e reciclada.

INSTITUCIONAL
Desafio da comunicação

Cuidar da imagem do setor é uma das prioridades do agronegócio para a presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Teresa Vendramini. Ela destacou o tema, entre vários outros pontos, durante um debate sobre desafios e perspectivas do agronegócio em 2022, realizado no início de fevereiro pela KPMG e pelo escritório FCAM Advogados. De acordo com a dirigente, tem sido desafiador falar sobre as atividades agropecuárias com o público dos grandes centros urbanos, e em alguns casos até frustrante. A julgar pelas várias tentativas de aprimorar esse diálogo, pode ser uma questão de sintonia, persistência e recursos para tal comunicação.

CHRO da Minerva Foods

Com três décadas de trabalho cuidando de gente, Adriano Lima se tornou o responsável global de Recursos Humanos da Minerva Foods em meio à pandemia. Sua principal missão é aprimorar a relação da empresa com suas equipes, baseada em uma gestão flexível, humanizada e empática.

PANDEMIA

“No primeiro ano houve um trabalho muito sério, com protocolos sanitários definidos em parceria com um hospital de São Paulo. Lançamos o programa Estar-Bem, em janeiro do ano passado, que ajuda as pessoas a cuidarem de si mesmas para poderem cuidar das demais ao redor. Trouxemos especialistas para falarem de diversos temas importantes para esse momento, como educação financeira, psicologia, saúde e até o lado espiritual.”

LIDERANÇAS

“Cobrança e controle estão presentes em todas as empresas, e devem existir de forma equilibrada, pois também precisamos de liberdade. Essa transição com as novas formas de trabalho tem muito mais a ver com uma cultura de engajamento e confiança. Por isso temos o programa de desenvolvimento de lideranças com 1,3 mil participantes de todos os países em que atuamos.”

RESULTADO

“Uma força de trabalho engajada pode gerar clientes e consumidores mais encantados, mais satisfeitos, e que podem gerar mais resultados para a empresa e retorno para os acionistas. Nossos relatórios sociais têm sido cada vez mais valorizados e as pesquisas mostram que empresas com melhor gestão de pessoas apresentam melhor desempenho.”

POLÍTICA
Ministra “progressista”

Em abril, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, vai se descompatibilizar do cargo para disputar as próximas eleições. E já vai sob nova legenda: estava marcada para o dia 20 de março a cerimônia de sua filiação ao PP (Partido Progressistas). Tereza Cristina deixa o DEM após a junção com o PSL para a criação do partido União Brasil. Resta saber se a corrida que ela começa agora será por uma vaga no Senado ou para o cargo de vice-presidente na tentativa de reeleição de Jair Bolsonaro. Entre os nomes cotados para substituí-la, o mais comentado nos bastidores é o do secretário-executivo da pasta, Marcos Montes.

SAÚDE ANIMAL
Setor cresce de novo

Segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), o setor cresceu 18% em 2021 na comparação com 2020. Para o vice-presidente executivo da entidade, Emilio Salani, a boa notícia vai além do número em si. Assim como para outros segmentos ligados ao agronegócio, o ano passado foi bastante desafiador por conta do câmbio, da escassez de insumos e até de embalagens. “Olhando horizontalmente, não houve uma indústria que não tenha passado por aumento do custo”, afirmou. O avanço resulta, em boa parte, pelo compromisso dos pecuaristas com a produtividade. “Na produção de um boi com 450 quilos, a saúde não passa de 3% das despesas.”

AGFINTECH
Meta de R$ 1,2 bilhão em crédito

O balanço da TerraMagna em 2021 foi bastante animador para seus fundadores, Rodrigo Marques e Bernardo Fabiani. No ano passado, a plataforma de financiamento BNPL (do conceito “buy now pay later” ou “compre agora e pague depois”) incorporada para a agricultura negociou R$ 700 milhões de crédito para compra de insumos — defensivos, sementes e fertilizantes. O início de 2022 ampliou o otimismo, com o recebimento de um aporte de R$ 220 milhões (US$ 40 milhões) em novos fundos de capital e dívida do SoftBank Latin America Fund, Shift Capital e Milenio Capital, com a participação de investidores anteriores. Com isso a expectativa em relação a 2022 subiu para R$ 1,2 bilhão em crédito, crescimento maior que 70%. Vale considerar que antes de terminar o primeiro bimestre deste ano o mundo ficou bem diferente: em janeiro não se falava em guerra.

GENÉTICA 
Ventre de ouro

Um óvulo da égua árabe FT Shaella foi vendido por mais de R$ 4,5 milhões no Qatar (ou 3,2 milhões Riyals em moeda local). O negócio foi fechado no início de fevereiro, durante o prestigiado leilão Katara Arabian Horse Auction. A fêmea nasceu no Haras FT (Boituva, SP), propriedade de Flávia Torres, e foi vendida bem cedo para o criatório Dubai Stud, nos Emirados Árabes. FT Shaella virou campeã mundial da raça e gerou outros animais vencedores. “Eu acreditava muito que ela seria uma égua especial, tive que deixá-la ganhar o mundo”, disse Flávia.

INTERNACIONAL
CNA tem escritório em Dubai

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) passou a ter presença física em Dubai, nos Emirados Árabes. O objetivo é fomentar exportações do agronegócio brasileiro para Ásia e Oriente Médio, por meio de apoio a empresários e produtores rurais. A entidade foi acolhida pela Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (InvestSP), que tem esse escritório desde 2020. Nesse momento do comércio global, todo e qualquer apoio é muito bem-vindo para o agro nacional.

CAFEICULTURA
Agricultura regenerativa

O primeiro cultivo de café arábica do mundo a receber a certificação de agricultura regenerativa Regenagri está no Brasil. Mais exatamente em Minas Gerais, na cidade de Patrocínio. A Fazenda Santa Cruz da Vargem Grande, propriedade do Grupo AgroBeloni, recebeu o reconhecimento da empresa britânica Control Union. Para o diretor da produção cafeeira da empresa, Fernando Nogues Beloni, esse momento único é consequência de um processo que vem ocorrendo naturalmente para equilibrar agricultura e preservação do meio ambiente. “A certificação foi instigada a partir da comercialização do nosso café pela Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado(Expocaccer) a uma empresa francesa que externou esse interesse”, disse.