• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias14/02/2022

Bolsas da Europa fecham com baixa de cerca de 2%, de olho em conflito

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo14/02/22 - 14h41min

As principais bolsas europeias fecharam com queda em torno de 2% nesta segunda-feira, 14. A escalada do conflito entre a Rússia e países ocidentais na região da Ucrânia pressionam os índices, enquanto investidores seguem monitorando as perspectivas de aperto monetário dos principais bancos centrais do mundo.

Nesta sessão, o Stoxx600, composto por centenas de empresas no continente, caiu 1,83%, a 460,96 pontos.

Analista-chefe de mercados na CMC Markets, Michael Hewson afirma que o fraco desempenho das bolsas da Europa nesta segunda resultam da "ressaca" das quedas vistas em Wall Street na última sexta-feira, em meio aos eventos recentes nas fronteiras da Ucrânia.

Durante o pregão, o DAX chegou a atingir o nível mais baixo desde outubro de 2021. No fechamento, a bolsa de Frankfurt caiu 2,02%, a 15.113,97 pontos, segundo dados preliminares, com Infineon (-3,30%), Volkswagen (-3,29%) e Deutsche Bank (-3,24%) liderando a queda.

Já em Londres, o FTSE 100 recuou 1,69%, a 7.531,59 pontos. As companhias aéreas, como o IAG (-5,63%), dono da British Airways, foram pressionadas pela possibilidade do conflito em território europeu. Os bancos também cederam, com Barclays (-5,11%) e Lloyds (-4,17%) no vermelho.

Na análise da Hewson, o recuo em tais papéis se deu após os ganhos recentes, além da inversão na curva de juros britânicos estar no radar.

As negociações sobre a crise na Ucrânia seguem no noticiário. Nesta segunda-feira, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que integrar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) garantiria a segurança de seu país, informou a Rai.

O G7, por sua vez, reforçou estar pronto para impor sanções à Moscou, em caso de invasão. Na sexta-feira, a Casa Branca projetou que Vladimir Putin pode agir nos próximos dias.

Em Paris, o CAC 40 fechou em baixa de 2,27% a 6.852,20 pontos, e em Milão, o FTSE MIB recuou 2,04%, a 26.415,41 pontos.

Nas praças ibéricas, o PSI 20 caiu 1,49%, a 5.507,66 pontos, e o IBEX 35, 2,55%, a 8.573,80 pontos, conforme dados preliminares.

Em relatório, a Capital Economics prevê que uma guerra na região da Ucrânia adicionaria até dois pontos porcentuais à inflação de países desenvolvidos, em especial os europeus.

Um quadro de conflito poderia levar os bancos centrais a optarem por um aperto monetário mais agressivo, enquanto os governos relaxariam sua política fiscal, afirma a consultoria.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
BOLSAS DE VALORES