• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias03/11/2021

Bolsas de NY fecham em alta e renovam recordes, impulsionadas por Fed e Powell

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo03/11/21 - 17h40min

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quarta-feira, 3, em uma sessão na qual firmaram alta após a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed) e comentários do presidente da autoridade, Jerome Powell. Apesar do anúncio da redução da compra de títulos pelo banco central, a avaliação por parte dos dirigentes de que a ameaça de alta da inflação é temporária reforçou o sentimento de que o Fed seguirá com uma postura acomodatícia. O impulso levou Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq a renovarem máximas histórias de fechamento.

O índice Dow Jones encerrou em alta de 0,29%, a 36.157,58 pontos, o S&P 500 avançou 0,65%%, a 4.660,57 pontos e o Nasdaq ganhou 1,04%, a 15.811,58 pontos.

Na coletiva, Powell disse que o foco da reunião desta semana foi o tapering, e não uma possível elevação da taxa básica de juros. O dirigente afirmou ainda que o apoio à recuperação da economia continuará. A Capital Economics observou um tom "surpreendentemente" dovish na postura do Fed, e não espera uma alta de juros antes do começo de 2023. A percepção de que a alta na inflação nos Estados Unidos é majoritariamente transitória sugere que a ala dovish segue comandando a autoridade, avalia a consultoria.

As bolsas chegaram a operar sem sinal único antes da decisão do Fed, em dia com uma menor quantidade de balanços publicados. Sobre a temporada, o Julius Baer avalia que as empresas continuaram a entregar resultados surpreendentemente fortes no terceiro trimestre, apesar dos ventos contrários da variante delta e dos problemas nas cadeia de suprimentos. No entanto, "o próximo trimestre se traduzirá em um cenário mais desafiador", já que as questões no fornecimento provavelmente se intensificarão enquanto o ímpeto econômico desacelera ainda mais, projeta o banco.

Entre os destaques de alta, a Tesla avançou 3,57%, com a empresa ainda repercutindo um potencial acordo com a Hertz para venda de carros. Outras companhias de tecnologia registraram importantes avanços, como Amazon (+2,10%) e Facebook (+1,10%). Por outro lado, a queda no preço do barril de petróleo, enquanto o mercado aguarda a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) amanhã, pressionou empresas do setor. Chevron (-0,72%), ExxonMobil (-1,36%), ConocoPhillips (-0,40%) e Occidental Petroleum (-1,50%) recuaram.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais