• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias07/01/2022

Bolsas de NY fecham em queda, com payroll e potencial aperto monetário do Fed

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo07/01/22 - 18h38min

As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta sexta-feira, depois de oscilar entre altas e baixas durante o pregão, com investidores reagindo à publicação do payroll de dezembro nos Estados Unidos e o possível impacto para a política do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). O relatório mostrou que a economia dos Estados Unidos criou empregos bem abaixo da expectativa de analistas, mas registrou queda acima da previsão na taxa de desemprego e avanço além do esperado nos salários, reforçando as apostas de aperto monetário.

O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,01%, aos 36231,66 pontos, o S&P 500 recuou 0,41%, a 4677,03 pontos, e o Nasdaq teve queda de 0,96%, a 14935,90 pontos. Na semana, as quedas foram de 0,29%, 1,87% e 4,53%, respectivamente.

Na visão de Edward Moya, analista da Oanda, o payroll "exigia um bom olhar em todos os números", já que "Wall Street está se concentrando nas impressões robustas com salários e taxa de desemprego".

Seguindo a publicação, as expectativas por elevação de juros avançaram, e CME Group mostrava 73,1% de apostas de alta de juros de 25 pontos-base em março pelo Fed, ante 70,7% na quinta-feira. A taxa de desemprego caiu de 4,2% para 3,9% e, segundo Moya, o problema da escassez de mão de obra está forçando empregadores a aumentar os salários e, com a taxa de desemprego melhorando para o melhor nível desde fevereiro de 2020, o Fed pode dizer que os EUA estão a pleno emprego.

Para o CIBC, um cenário em que o Fed atrase o aperto da política monetária e suba pouco os juros no médio prazo oferece mais riscos ao mercado de ações do que a normalização monetária atualmente em discussão. O banco canadense afirma que, caso o Fed não reduza consideravelmente os estímulos e suba o juro entre 150 a 200 pontos-base pelos próximos dois anos, uma mudança para uma postura mais acomodatícia em meio a um eventual choque negativo na economia pode não ser muito eficaz em acalmar os mercados.

De olho na potencial alta de juros, bancos avançaram, com destaque para Wells Fargo (+2,13%) e Bank of America (+2,18%).

Já as ações de tecnologia operaram pressionadas, o que representou maiores quedas para Tesla (-3,54%) e Netflix (-2,21%).

No caso da gigante do entretenimento, o recuo na comparação semanal superou os 10%. Outro elemento observado pelas empresas de tecnologia, a queda nas criptomoedas, pressionou a Coinbase, que caiu 0,71%.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
BOLSAS DE VALORES