Economia

BTG: produção de milho em 2018/19 beneficia indústria, mas preço deve subir

BTG: produção de milho em 2018/19 beneficia indústria, mas preço deve subir

agroindústria: a Sementes Tropical possui uma estrutura completa de secagem, separação e armazenagem, desde a década de 1980

São Paulo, 12 – A produção recorde de milho no Brasil na safra 2018/19 é positiva para a indústria de carne suína e de frango, como a BRF e a Seara, em um primeiro momento, avalia o BTG. A maior oferta, no entanto, não é garantia de suprimento a preços atrativos em um cenário mais longo, ressalva o banco. É que hoje os preços do milho no mercado doméstico estão abaixo da paridade de exportação, mas os embarques do produto nacional estão aquecidos e, se os futuros na Bolsa de Chicago (CBOT) subirem, como o banco prevê, as cotações por aqui devem acompanhar.

Mesmo assim, o BTG ainda tem visão positiva para o setor, e acredita que o ciclo positivo da proteína e os efeitos da peste suína africana possam mitigar o possível aumento de custos. A análise está em relatório publicado por Thiago Duarte, Pedro Soares e Henrique Brustolin.

O relatório mensal de oferta e demanda publicado na terça-feira pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) leva o BTG a estimar que os preços do milho na CBOT possam subir para até US$ 4,55/bushel, ou 7% acima dos níveis atuais.

Algodão

No mesmo relatório, o BTG analisa o cenário para o algodão. A perspectiva para os preços é baixista, pois a alta produção na Índia deve elevar os estoques iniciais. A baixa demanda da China e a queda recente nos preços do petróleo também contribuem para puxar para baixo os preços da pluma.