Notícias

Bunge reverte lucro em prejuízo de US$ 214 milhões no 3º trimestre

São Paulo, 30/10 – A norte-americana Bunge registrou prejuízo de US$ 1,49 bilhão (perda de US$ 10,57 por ação) no terceiro trimestre deste 2019, em comparação com lucro líquido de US$ 365 milhões (US$ 2,39 por ação), em igual período do ano passado, informou a empresa nesta quarta-feira. Já o lucro líquido ajustado foi de US$ 1,41 por ação, ante US$ 2,52 por ação obtidos em igual intervalo do ano anterior.

O lucro antes de juros e impostos (Ebit) também ficou negativo em US$ 1,44 bilhão no intervalo avaliado, ante US$ 535 milhões em igual período do ano anterior. A receita recuou 9,5% no comparativo anual, de US$ 11,41 bilhões para US$ 10,32 bilhões. A empresa disse que seus resultados incluem US$ 1,7 bilhão em encargos relacionados a mudanças de portfólio, incluindo a formação de uma joint venture para os negócios brasileiros de açúcar e energia.

Analistas consultados pela FactSet esperavam prejuízo líquido de US$ 2,27 por ação, perdas de US$ 0,45 por ação em base ajustada e receita de US$ 11,31 bilhões. Após a divulgação dos resultados financeiros, os papéis da Bunge recuavam 2,12% no pré-mercado da Bolsa de Valores de Nova York, sendo negociados a US$ 55,00 por ação, às 9h40 (horário de Brasília).

O segmento de Agronegócio foi responsável pelo montante de US$ 7,01 bilhões em vendas líquidas, no segundo trimestre, queda de 11,3%, ante o faturamento de US$ 7,91 bilhões reportado em igual período do ano anterior. Em volume, as vendas do setor também recuaram de 37,7 milhões de toneladas para 36,6 milhões de toneladas, variação negativa de 3%. No terceiro trimestre deste ano, o segmento registrou prejuízo líquido de US$ 99 milhões, ante também prejuízo de US$ 20 milhões em igual trimestre do ano anterior. O Ebit ajustado do setor saiu de US$ 485 milhões no terceiro trimestre de 2018 para US$ 153 milhões em igual intervalo de 2019.

A divisão de Açúcar e Energia reportou vendas de US$ 381 milhões, recuo de 39,4% ante os US$ 629 milhões reportados no mesmo intervalo do ano anterior. Em volume, as vendas do setor caíram 45%, de 1,95 milhão de toneladas para 1,08 milhão de toneladas. No terceiro trimestre deste ano, o segmento registrou prejuízo líquido de US$ 1,61 bilhão, ante também prejuízo de US$ 3 milhões em igual trimestre do ano anterior. O Ebit ajustado do segmento passou de US$ 3 milhões para US$ 53 milhões de.

Para o acumulado do ano, a companhia revisou sua previsão de resultados atribuindo ao ambiente desafiador do agronegócio e disse que agora espera uma queda nos lucros em relação a 2018. “Navegamos bem nas condições incertas e deterioradas do mercado. Enquanto esperamos que o vento contrário continue, estamos progredindo em nossas principais prioridades”, disse o CEO da trading, Greg Heckman, em comunicado divulgado para a imprensa.