• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias14/01/2022

Casa Civil fala em mínimo de vetos e promete blindar orçamento secreto na sanção

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo14/01/22 - 19h06min

Após aumentar o poder sobre o Orçamento de 2022, a Casa Civil afirmou que há um esforço do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, para sancionar a peça orçamentária deste ano com um "mínimo de vetos" sem tocar nas emendas de relator, verbas que estão no centro do orçamento secreto. Bolsonaro tem até o dia 21 de sancionar para sancionar o Orçamento.

Em um podcast oficial da pasta, o secretário-executivo da Casa Civil, Jônathas Castro, afirmou que o governo identificou a necessidade de recompor aproximadamente R$ 3 bilhões em despesas de pessoal, que são programações obrigatórias, e por isso terá que vetar alguns recursos, mas sem afetar as chamadas emendas RP-9.

"A gente está fazendo todo o esforço para não ter que afetar em nada outras rubricas que possam, por exemplo, afetar a relação do Legislativo com o Executivo e eu falo especificamente do RP-9. Se falou esta semana em algumas matérias, mas já existe uma diretriz que nós não vamos nessa direção", afirmou o número 2 do ministro Ciro Nogueira.

O Orçamento foi aprovado pelo Congresso com um total de R$ 16,480 bilhões de recursos carimbados pelo orçamento secreto. O valor foi negociado com o Ministério da Economia. A equipe econômica, no entanto, reagiu a aprovação de outras verbas que teriam sido negociadas "por fora", sem aval da pasta e do próprio Palácio do Planalto. Essas despesas entraram no alvo dos vetos.

O relator do Orçamento, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), incluiu um total de R$ 10,7 bilhões em verbas sob controle dos ministérios, após acordos envolvendo os ministros das pastas e os parlamentares. Ainda não há identificação, porém, de quais recursos entrarão no corte durante a sanção do Orçamento.

Conforme decreto assinado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a Casa Civil passará a dar aval e ter o poder de vetar as decisões que fazem parte do dia a dia do governo federal na gestão dos recursos públicos.

Durante a gravação, o subchefe de Análise Governamental da Casa Civil, Eduardo Aggio, admitiu o caráter político da decisão. "Temos uma convergência de duas visões, a primeira é a visão econômica e a segunda é a visão política. É natural que qualquer ato as políticas públicas, de que forma você aloca isso dentro do governo, passem por uma visão do centro de governo, que naturalmente é função precípua da Casa Civil."

Ainda de acordo com Aggio, o poder da pasta garantirá a efetividade das decisões tomadas na Junta de Execução Orçamentária (JEO) e também a divisão do ônus das decisões entre a equipe econômica e a ala política.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
CASA CIVIL