• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias04/07/2022

Castro volta a ameaçar Petrobras com taxação em caso de aumentos nas refinarias

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo04/07/22 - 19h36min

O governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro (PL), voltou a ameaçar a Petrobras com aumento de impostos, caso a estatal siga reajustando os preços dos combustíveis nas refinarias. Castro disse que pode criar novos impostos ou aumentar a parte estadual do Repetro.

"Não é possível que o Estado faça esforço enorme e a 'dona' Petrobras tenha lucros recordes, com distribuição de lucro de R$ 44 bilhões. Então gostaríamos de reafirmar que aumentaremos outros tributos que não incidam no valor da gasolina, mas na empresa, caso a Petrobras venha a fazer novos aumentos", disse Castro.

As afirmações foram feitas no Palácio Guanabara, sede do governo, durante coletiva para apresentar um balanço da operação "Lupa na Bomba", que fiscaliza o repasse da redução do ICMS sobre combustíveis ao consumidor final.

Castro tem repetido o tom dos discursos contra a Petrobras do presidente Jair Bolsonaro (PL), de quem é aliado de primeira hora. "Posso aumentar a parcela estadual do Repetro. Assim não atinge a gasolina, mas atinge a Petrobras. Isso está em estudo, caso a Petrobras continue com os aumentos", disse Castro ao ser questionado sobre como aumentaria impostos estaduais contra a companhia.

"Vamos tributar mais a Petrobras como empresa, e não com ICMS. Já que estão lucrando tanto, podem dividir um pouco. Já que 83% das reservas de petróleo e 64% das reservas de gás estão no Rio, então eles (Petrobras) que ajudem a população do Rio. Se querem continuar com esse perfil de lucro, divide um 'cadinho' com a população", completou.

O Repetro é um regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens que se destina às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e gás natural. Assim, a maior parte da renúncia fiscal é federal, mas há aplicações estaduais do regime, que diminuem ou isentam o ICMS incidente sobre produtos da cadeia de óleo e gás. Castro poderia, portanto, majorar as alíquotas especiais ligadas ao regime do Repetro no âmbito estadual.

O governador do Rio informou, ainda, que 45 dos 100 postos de gasolina fiscalizados hoje, 4 de julho, foram autuados por não repassarem a queda de 32% para 18% do ICMS ao preço final da gasolina e do etanol, ou por outras ilegalidades flagradas. O governo informou que 12 postos aceitaram reduzir os preços no momento da fiscalização. Diesel e GNV já tinham alíquotas inferiores a 18% e não entraram no escopo dessa fiscalização.

Com a redução do ICMS, o governo do Rio estimava queda de R$ 1,19 no litro da gasolina e de R$ 0,79 no litro do etanol. A maior parte dos postos do Estado diminuíram os preços, mas não chegaram a praticar os descontos projetados pelo governo.

As multas da operação "Lupa na Bomba", disse Castro, variam de R$ 818,00 a R$ 12,7 milhões. A operação, que continua nos próximos dias, conta com uma força tarefa de técnicos do Procon-RJ e das secretarias estaduais de Defesa do Consumidor e de Desenvolvimento Econômico, além do suporte das Polícias Civil e Militar.

Castro negou que a operação atente contra o livre mercado e reconheceu que a questão pode ser judicializada. Nesse ponto da entrevista, ele informou que o governo trabalha com a tese de que o "não repasse" da diminuição do ICMS no preço final é apropriação indébita de um recurso que não pertence ao empresário, mas à população.

"Se tivéssemos baixado o preço da gasolina sem fazer mudança alguma, estaríamos, aí sim, interferindo no livre mercado. Diminuímos o tributo, a lucratividade se mantém intacta. O que estaria acontecendo (caso o preço final não caia) seria um aumento ilegal", defendeu.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
CLÁUDIO CASTRO