• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias19/11/2021

CNI defende que alíquota proposta para a CBS caia de 12% para 8,7%

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo19/11/21 - 13h23min

Enquanto a reforma tributária não anda no Congresso Nacional, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) quer reduzir de 12% para 8,7% a alíquota proposta pelo governo para a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), que deve substituir o PIS/Cofins. De acordo com estudo da entidade, a calibragem feita pela Receita Federal no projeto que cria o novo imposto traz embutido um aumento de R$ 100 bilhões por ano na carga tributária.

A proposta de lei que cria a CBS foi entregue pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ao Congresso ainda em julho do ano passado, como a primeira fase da reforma tributária pretendida pelo governo. Mais de um ano depois, a ideia agora é que o projeto seja acoplado à PEC 110 que faz uma reforma mais ampla, abarcando também os impostos estaduais e municipais. Com isso, a CBS seria a parte federal no modelo de IVA dual que está sendo analisado pelos parlamentares.

Mas a indústria defende agora uma revisão considerável nas alíquotas do novo imposto. A proposta da equipe econômica coloca uma alíquota geral de 12% para todos os setores, com exceção dos bancos, que pagariam 5,8% no novo modelo. Mas o estudo feito pela CNI em parceria com a LCA Consultores aponta que uma reforma neutra do PIS/Cofins exigiria uma cobrança bem menor, de 8,7% no geral e de 5,15% no setor financeiro.

O gerente executivo de Economia da CNI, Mário Sérgio Telles, explica que as simulações foram feitas com base no ano de 2019, utilizando dados da tabela de recursos e usos e da matriz de insumo-produto do IBGE. "Usamos um modelo bem complexo que combina as informações sobre como cada setor interage com os demais. Jogamos a alíquota de 12% sobre a receita líquida das empresas (receita bruta menos impostos), descartamos as exportações (que são isentas) e calculamos também toda a dedução dos créditos tributários na cadeia", explica.

O economista destaca que, se for possível deduzir também os créditos tributários da compra de combustíveis, a alíquota neutra ideal para a CBS seria de 9,25%. No entanto, ele argumenta que o texto do projeto não deixa claro se haverá a possibilidade de se abater créditos de produtos que seguirão sendo tributados pelo regime monofásico. Atualmente, a alíquota nominal do PIS/Cofins já é de 9,25%, mas o tributo efetivo chega a ser de 10,19%, porque ele incide sobre o preço final das mercadorias, inclusive sobre outros impostos.

"O próprio ministro Paulo Guedes já disse diversas vezes que, se qualquer proposta de reforma aumentasse a carga tributária, o governo estaria disposto a debater a calibragem das alíquotas. O nosso estudo vem para ajudar nesse debate. Além disso, propomos uma trava na PEC 110 que obrigue a uma revisão de alíquotas sempre que houver aumento da carga tributária", completa Telles.

Em qualquer dos cenários, a indústria seguirá sendo o setor com maior peso da tributação sobre seus rendimentos. Com a alíquota de 12% para a CBS, a cobrança equivaleria a 11,5% da receita líquida da indústria, 10,7% para serviços e 5,6% para a agropecuária. No cenário de CBS de 8,7%, a cobrança para a indústria cairia para os mesmos 8,7%, para serviços ficaria em 8% e para a agropecuária seria de 4,3%.

Embora o Congresso tenha paralisado o debate da reforma tributária para lidar com a PEC dos Precatórios e o próprio Orçamento de 2022, o executivo da CNI acredita que ainda há espaço para a aprovação das mudanças antes das eleições do próximo ano. Isso porque a proposta contaria com o apoio da União, dos Estados e da maior parte do setor privado - com resistências ainda entre o setor de serviços e os prefeitos das maiores cidades e capitais. "O momento é muito bom para uma reforma ampla, porque a União está com uma arrecadação significativa e tem espaço para recalibrar as alíquotas mais à frente, se for o caso. Os Estados e municípios também estão com uma situação financeira melhor, e ainda terão um longo prazo de transição de um modelo para outro, com o ajuste da alíquota feito aos poucos. Qualquer correção de rumo poderá ser feita com calma", avalia.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
alíquota