• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias26/11/2021

Com Omicron, Ibovespa cai 3,39% e cede 0,79% na semana

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo26/11/21 - 18h50min

O dia foi de pânico global como há tempos não se via, com a referência americana de petróleo, o WTI, mergulhando 13% no pior momento e o Brent, a referência global, saindo da casa de US$ 81 para baixo de US$ 72 por barril, também em correção de dois dígitos. Em Nova York, em sessão mais curta após o feriado de Ação de Graças, a Black Friday assumiu conotação nova em 2021, com perdas superiores a 2% nos índices de ações, ainda assim, bem inferiores às vistas na Europa, onde Paris fechou em queda de 4,75%, Frankfurt, de 4,15%, e Londres, de 3,64%.

Na B3, contendo um pouco a correção na etapa final da sessão, o Ibovespa cedeu 3,39%, a 102.224,26 pontos, devolvendo boa parte da recuperação de 3,61% acumulada nas três sessões anteriores, que o colocava em terreno positivo no mês e na semana. Assim, a referência fecha a semana com perda de 0,79% e põe a do mês a 1,23%, estendendo a série negativa iniciada em julho com apenas a segunda e terça-feira faltando para o encerramento de novembro.

Batizada pela Organização Mundial de Saúde como 'Omicron', a nova variante do coronavírus identificada no sul da África lançou o Ibovespa em retração de 4,08% no pior momento do dia, no começo da tarde, um nível de perda não visto em fechamento desde 22 de fevereiro (-4,87%), no auge do temor quanto à intervenção no comando da Petrobras e de interferência do governo na política de preços da estatal. As perdas vistas no pior momento desta sexta-feira superavam por pequena margem as do encerramento de 8 de março passado (-3,98%), quando o mercado reagia ao retorno do ex-presidente Lula ao jogo eleitoral.

Ao final, a queda de hoje foi também menor do que a de 8 de setembro (-3,78%), quando a reação do mercado era ao presidente Jair Bolsonaro e a seu discurso no feriado da Independência, na Avenida Paulista - e não muito distante, hoje, da observada em 19 de outubro (-3,28%), quando emergiam com força os temores sobre a viabilização do Auxílio Brasil em contexto de deterioração da situação fiscal.

Nesta sexta-feira, a OMS observou que o número de casos da nova variante parece estar em ascensão em quase toda a África do Sul, enquanto, no Brasil, o Ministério da Saúde emitiu "comunicação de risco" em que recomenda a manutenção do uso de máscara e do distanciamento social, ainda que a vacinação "provavelmente" contribua na resposta à cepa, identificada também como B.1.1.529.

"Vindo de feriado nos Estados Unidos ontem, era pra ser um fechamento de semana mais tranquilo, com o Ibovespa em recuperação nas últimas três sessões. Mas essa variante pegou todo mundo de surpresa, desprevenido mesmo. Os governos já começam a reagir e é preciso esperar um pouco para ver o grau de restrição à mobilidade e o efeito que poderá ter na atividade global, que vinha em recuperação a ponto de alterar a perspectiva das políticas monetárias", diz Mauro Orefice, diretor de Investimentos da BS2 Asset.

Assim, o câmbio hoje já refletiu um realinhamento entre euro e dólar, na medida em que o viés da política monetária no bloco da moeda única vinha se mantendo mais 'dovish' do que o ajuste em andamento nos Estados Unidos, ora em retirada de estímulos como reação ao avanço da inflação. Dessa forma, apesar da enorme aversão a risco desde o exterior, que afeta as moedas de emergentes e de países exportadores de commodities, como o Brasil, o real fechou o dia relativamente acomodado, com o dólar à vista em alta de 0,55%, a R$ 5,5958, saindo de máxima na sessão a R$ 5,6629.

"Com o real já muito depreciado, esse movimento de euro e dólar pode contribuir para segurar um pouco por aqui com relação à moeda americana. Desde o fim de outubro, houve retirada de prêmio na curva de juros, aqui. E os longos podem continuar fechando, com a reavaliação decorrente dos efeitos econômicos dessa nova variante, sobre a atividade e a inflação. Os preços de commodities como o petróleo já reagiram com muita intensidade hoje. Há muita incerteza ainda. É preciso aguardar os desdobramentos, com muita atenção também ao fim de semana", acrescenta Orefice, observando que a aversão a risco generalizada que prevaleceu nesta sexta-feira levou o yield de 10 anos dos Estados Unidos de 1,67% para 1,48%, de ontem para hoje, em movimento abrupto.

A demanda por proteção em Treasuries é compreensível: a percepção de risco sobre a nova onda de Covid-19 na Europa se conjuga agora à emergência de nova variante sul-africana, sobre a qual não se sabe a eficácia das vacinas atualmente disponíveis, nem o grau de transmissão e de efeito sobre a saúde humana - a nova variante teria 50 alterações, das quais mais de 30 no 'spike', o esporão que conecta o vírus às células. Assim, hoje na B3, a mínima intradia de 101.494,70 pontos correspondeu ao menor nível para o Ibovespa desde 9 de novembro de 2020 (100.953,95 no intraday). O encerramento, contudo, ficou acima do último dia 22 (102.122,37), segunda-feira, o menor nível de fechamento do ano.

Com as perdas generalizadas nesta última sessão da semana, apenas duas ações da carteira Ibovespa conseguiram escapar da correção (Suzano +0,15%, Taesa +0,11%), e as perdas se mostraram mais acentuadas, naturalmente, nas empresas associadas a transporte e viagens, como Azul (-14,18%), Gol (-11,81%) e CVC (-11,06%), na ponta negativa do índice nesta sexta-feira. Entre as blue chips, destaque para a correção em Petrobras (ON -4,36%, PN -3,88%), Vale ON (-2,64%) e também nas ações de grandes bancos (Bradesco PN -4,00%). Com exposição a commodities, os preços nas ações de siderurgia chegaram a cair 6,58% (Usiminas PNA), considerando o fechamento.

Em sessão tradicionalmente mais curta na Black Friday, Dow Jones fechou em baixa de 2,53%, S&P 500, de 2,27%, e Nasdaq, de 2,23%. Na B3, com o desempenho desta sexta-feira, o Ibovespa passou do positivo ao negativo na semana e no mês, após perda de 3,10% na anterior. No ano, cede agora 14,11%. O giro financeiro de hoje ficou em R$ 28,5 bilhões.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais