• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias02/10/2021

Competição entre os postos ajuda a segurar alta do diesel

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo02/10/21 - 11h30min

A alta do preço do óleo diesel da Petrobras já chegou às bombas. O Estadão/Broadcast acompanhou dez postos no Rio de Janeiro e em São Paulo, da última terça-feira, 28, quando a Petrobras anunciou o reajuste, até esta sexta-feira. Na maioria deles, a revisão de preço foi inferior à da estatal, que aumentou o litro do diesel em 8,9% (R$ 0,25). Em dois postos, o diesel subiu mais do que nas refinarias e em apenas um não houve reajuste. A alta nos postos visitados chegou a R$ 0,30 (6%).

Levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostra que, desde domingo, o diesel comum custou 2% mais na média de todas as bombas do País, em relação à semana anterior. O litro do combustível está sendo vendido a R$ 4,801.

Presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda diz que o repasse da alta de preço foi definido pela competição entre os postos e também pela bandeira à qual cada um está atrelado. Segundo ele, os postos refletem as marcas que ostentam, como Ipiranga, Petrobras, Shell e as bandeiras brancas. A dimensão e o tempo do repasse seriam definidos por essas empresas.

Miranda conta que, assim que a Petrobras anunciou o reajuste, as distribuidoras avisaram aos seus revendedores que aumentariam o diesel imediatamente. "Os postos não têm margem suficiente para absorver essa alta. Nossa margem média bruta no diesel está em torno de 5%", afirmou.

Em seus postos, antes de decidir aumentar os preços, Miranda costuma avaliar também o comportamento dos concorrentes mais próximos. Se tiver estoque e o vizinho não tiver reajustado o seu produto, ele também não aumenta os seus preços.

"Quando o combustível começou a subir, o movimento caiu. O patrão, então, passou a correr os postos vizinhos para ver os preços deles. Aqui, a gente sempre tem um preço menor. No fim de semana, o preço cai e volta a subir na segunda-feira", disse Tailane Vieira, funcionária de um posto de bandeira Shell, na zona oeste do Rio de Janeiro, visitado pela equipe de reportagem. Esse foi, entre os dez, o que apresentou menor reajuste do diesel, de R$ 0,10, nesta semana.

Em contrapartida, a cerca de 2 km de distância, num posto Ipiranga também da zona oeste carioca, o combustível ficou R$ 0,30 mais caro, alta superior à da Petrobras. André Santos, gerente da revenda, diz que aproveitou o momento para recuperar parte da margem perdida no passado, já que, da última vez, não chegou a repassar a alta de preço da Petrobras aos seus clientes.

O aumento justo do óleo diesel seria, na verdade, de R$ 0,22. Isso porque parte do produto vendido nas bombas sai da Petrobras. O restante, 12%, é composto por biodiesel, que não foi reajustado nos últimos dias.

Há ainda uma parcela relativa ao ICMS, calculado sobre o preço de refinaria. A revisão do tributo, após o reajuste da Petrobras da última terça-feira, passou a valer na sexta-feira e ainda não está refletida nos postos. As alíquotas e valores de base variam a cada Estado.

Segundo a Fecombustíveis, as mais recentes revisões por litro de diesel comum variaram até R$ 0,029. Esse valor máximo é o do Amapá. Em São Paulo, foi de R$ 0,01 e no Rio, de menos de R$ 0,1.

A margem da distribuição e da revenda respondem juntas por 14,2% do preço final pago nas bombas pelo diesel comum, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A Petrobras participa com 57%; o biodiesel, com 14,1%; e os tributos estaduais e federais, com 14,3% e 0,5%, respectivamente.

Representante das grandes distribuidoras, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) não quis comentar o reajuste do preço do diesel nesta semana. O setor foi alvo de ataque do presidente da República, Jair Bolsonaro, na quinta-feira. Segundo Bolsonaro, o fim das bandeiras nos postos ajudaria a baixar os preços dos combustíveis.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
alta