• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias13/12/2021

Condições de crédito para bancos da América Latina ficarão estáveis, diz Moody’s

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo13/12/21 - 12h59min

A Moody's acredita que as condições de crédito para a maior parte dos bancos da América Latina ficarão estáveis no ano que vem. A agência de classificação de risco afirma que a pressão inflacionária e a fraqueza dos mercados de trabalho nos países da região trarão riscos, mas que as instituições financeiras têm reservas e fontes de geração de lucro robustas o suficiente para absorver os impactos.

"As condições de crédito na América Latina vão se normalizar, suportadas pela recuperação da economia global e à medida que os efeitos da pandemia diminuam e os consumidores se adaptem", afirma a Moody's. De acordo com a análise, porém, os prospectos devem variar em cada país.

O analista Rodrigo Marimon, um dos coautores do relatório, afirma que a vacinação contra a covid-19, que chega a mais de 60% da população em alguns países (caso do Brasil), ajuda nas perspectivas de negócio. Fatores demográficos e sociais, porém, apresentam tanto oportunidades quanto riscos.

"Embora as tendências demográficas de população jovem e baixa inclusão financeira apresentem oportunidades para as instituições em geral, o aprofundamento da desigualdade de renda na região permanece como uma ameaça à recuperação da economia, e demandas sociais aumentam os riscos políticos", diz ele.

O analista acrescenta que a alta liquidez e capitalização adequada dos bancos formam um "colchão" contra esses riscos, assim como as reservas contra a inadimplência, em grande parte constituídas em 2020. Para os maiores bancos, os riscos são menores, enquanto instituições menores, de nicho, devem permanecer vulneráveis, dada a sua exposição a clientes com perfil de crédito mais arriscado.

Por outro lado, a baixa bancarização da população latino americana ainda traz oportunidades para que fintechs e as big techs ofertem serviços financeiros nos países da região, afirma a Moody's. Segundo a agência de classificação de risco, as maiores oportunidades estão em parte do segmento de varejo e junto a pequenas e médias empresas.

Neste sentido, a agência acredita que os novos entrantes podem seguir derrubando barreiras de entrada em segmentos do mercado, e que regulações favoráveis à competição aumentarão a concorrência em países da região, em um desafio aos modelos de negócio dos bancos tradicionais.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
bancos