• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias28/03/2022

Confiança da construção cai 0,8 ponto em março, para 92,9 pontos, afirma FGV

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo28/03/22 - 08h42min

O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 0,8 ponto em março, para 92,9 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador recuou 1,3 ponto, a terceira queda consecutiva. Mesmo assim, o indicador encerrou o primeiro trimestre acima do nível registrado no mesmo período de 2021.

A contração do índice em março foi puxada exclusivamente pela piora do Índice de Expectativas (IE-CST), que recuou 3,8 pontos, para 93,9 pontos, no menor nível desde maio de 2021 (89,0). O indicador de expectativa de demanda cedeu 3,2 pontos, para 97,9 pontos, e o indicador de tendência dos negócios para os próximos seis meses caiu 4,4 pontos, para 89,8 pontos, o menor nível desde abril de 2021 (87,4 pontos).

"Depois das sucessivas ondas da covid, a guerra na Ucrânia reacendeu o temor de aceleração nos preços dos materiais, que, associada à alta dos juros, pode comprometer ainda mais a demanda para os próximos meses. Assim, a queda nas expectativas referentes à evolução da demanda e dos negócios foi decisiva para abalar a confiança setorial em março", afirma a coordenadora de Projetos da Construção do Ibre/FGV, Ana Maria Castelo, em nota.

O Índice de Situação Atual (ISA-CST), na outra ponta, avançou 2,1 pontos, para 92,0 pontos, na primeira alta de 2022. Nas aberturas, a FGV apurou aumento de 4,4 pontos no indicador de carteira de contratos, para 94,4 pontos, no maior nível desde janeiro de 2014 (96,2 pontos). O indicador que mede a situação atual dos negócios recuou 0,1 ponto, para 89,8 pontos.

"Outro destaque é o avanço da atividade corrente, que havia dado mostras de desaceleração e voltou a crescer: a percepção dominante é de que a retomada, que reflete o ciclo recente de negócios, está em patamar bem superior ao que estava no ano passado", completa Ana Maria Castelo.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) da Construção cresceu 0,8 ponto porcentual, para 76,0%, na segunda alta consecutiva. O NUCI de Mão de Obra avançou 0,8 ponto, para 77,4%, enquanto o NUCI de Máquinas e Equipamentos cresceu 1,3 ponto, para 70,5%.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
confiança