Negócios

Cooxupé fecha 2019 com faturamento de R$ 4,2 bilhões

Crédito: Arquivo/Dinheiro Rural

São Paulo, 26 – A Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé) fechou 2019 com faturamento de R$ 4,2 bilhões, ante R$ 3,793 bilhões no ano anterior. Os números fechados foram auditados pela PwC Brasil, informou o Superintendente de Controladoria e TI, José Roberto Corrêa Ferreira.

Por meio de um comunicado oficial aos cooperados, o presidente da Cooxupé, Carlos Augusto Rodrigues de Melo, informou o adiamento da Assembleia Geral Ordinária (AGO), que aconteceria em 27 de março de 2020, sem nova data para realização.

+ Consumo de café vai ultrapassar a produção do grão no ano-cafeeiro 2019-2020
+ Funcafé terá orçamento recorde de R$ 5,71 bilhões 

“Essa medida aprovada pelo Conselho de Administração da Cooperativa visa evitar aglomerações e conter a disseminação do novo Coronavírus (covid-19), atendendo a decretos tanto da Prefeitura Municipal de Guaxupé quanto do Governo do Estado de Minas Gerais”, explicou a cooperativa.

No ano passado, a Cooxupé recebeu 5,1 milhões de sacas de café tipo arábica, com embarques de 6,4 milhões de sacas, sendo 5,4 milhões de sacas para exportação a mais de 50 países. Já a SMC Specialty Coffees – empresa controlada pela Cooxupé com atuação no mercado de cafés especiais – exportou mais de 85 mil sacas.

“Conseguimos alcançar nossas metas mesmo em um ano em que o clima teve fundamental influência nas lavouras cafeeiras, gerando quebra de safra conforme discutimos no Fórum Café e Clima realizado pela Cooxupé em agosto passado”, disse no comunicado o presidente a cooperativa, Carlos Augusto Rodrigues de Melo. Em 2019, os investimentos em ampliações, obras e reformas somaram mais de R$ 42 milhões.

A Cooxupé tem atuação nas regiões do Sul de Minas, Cerrado Mineiro e média mogiana do estado de São Paulo. De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), citados pela cooperativa, o volume de café recebido pela Cooxupé em 2019 representa 15% da produção nacional de café arábica e 21% da produção de arábica do estado de Minas Gerais.