Notícias

Correção: China manterá tarifas sobre importação de ração animal dos EUA

Na nota enviada anteriormente, o nome correto do produto é “grãos secos de destilaria”, e não “grãos secos destilados” como informado. O título também se referia equivocadamente a ração para gado, quando o correto seria ração animal. Segue a nota corrigida:

Pequim, 19 – A China decidiu manter tarifas antidumping e antissubsídios sobre os grãos secos de destilaria (DDGs) importados dos Estados Unidos, que são utilizados em ração animal. A decisão do governo asiático ocorre após os pedidos de revisão da aplicação das tarifas, que são impostas desde 2017, sugeridos pelo Conselho de Grãos dos EUA, informou o Ministério do Comércio chinês, nesta manhã.

A entidade norte-americana justificou o pedido alegando as mudanças no mercado chinês e as preocupações com o interesse público. Com a nova decisão, as tarifas antidumping de 42,2% a 53,7% e as tarifas antissubsídios de 11,2% a 12% sobre os grãos secos de destilaria dos Estados Unidos terão vigência até 2021.

O Ministério do Comércio da China disse que, após uma investigação de dois meses, notou-se a necessidade de manter as tarifas porque se a aplicação fosse encerrada o produto norte-americano poderia voltar a ingressar em volume expressivo no mercado chinês. O ministério citou dificuldades enfrentadas por alguns produtores domésticos, apesar das tarifas sobre os concorrentes norte-americanos.

O governo chinês informou, ainda, que iniciou uma investigação antidumping sobre a borracha de etileno-propileno-dieno-monômero oriunda dos EUA, da União Europeia e da Coreia do Sul. O órgão disse que a apuração sobre a borracha sintética, utilizada em uma variedade de indústrias, como automóveis e construção, terá duração de pelo menos um ano.

As medidas ocorrem em meio ao acirramento dos conflitos comerciais entre China e Estados Unidos. Segundo o presidente norte-americano, Donald Trump, ele e seu correlato, o presidente chinês Xi Jinping, se reunirão durante o G20, semana que vem no Japão, para discutir o impasse comercial entre os dois países. Fonte: Dow Jones Newswires.