• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias30/08/2021

Custo de vida na RMSP atinge maior alta da série para julho, diz FecomercioSP

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo30/08/21 - 12h16min

O Custo de Vida por Classe Social (CVCS) na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) subiu 1,06% em julho, atingindo a maior variação para o mês desde 2011, quando teve início o levantamento realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). No grupo de Transporte, as passagens áreas, que registraram aumento de 42,67%, foram as que mais contribuíram para o resultado. Já entre as variáveis de Habitação, a energia elétrica foi a que mais impactou o número. O acumulado do ano registra alta de 4,79% e, nos 12 meses, 9,4%.

O aumento da tarifa de energia elétrica que, em julho, teve avanço de 12,45% e atingiu 26,25% em 12 meses, já era esperado em razão do uso das termelétricas, em decorrência do baixo nível dos reservatórios. Já a alta nas passagens aéreas está relacionada às férias escolares e, portanto, não deve continuar pressionando nos próximos meses.

De acordo com a FecomercioSP, o aumento do custo de vida é percebido, principalmente, pela classe 'E', com alta de 1,49%, contra 0,70% da 'A'. Quando se observa este recorte, em relação aos preços dos combustíveis, o aumento do mês foi de 4,21% para a classe 'E', contra 1,47% para a 'A'.

No caminho inverso, o grupo de Alimentos traz alívio à população de São Paulo, com variação negativa de 0,54%. Apesar disso, no acumulado de 12 meses, a alta ainda é significativa, de 10,86%. Enquanto a variação acumulada dos alimentos, no último ano, está em 9% para a classe mais altas, para o grupo de famílias da classe 'E' o acumulado chega a 14,36%.

Numa análise geral, o levantamento mostra que a inflação está concentrada nos produtos. O índice de Preços no Varejo (IPV) subiu 1,6% no mês. Já o Índice de Preços de Serviços (IPS), 0,55%. No ano, o IPV assinalou alta de 7,77% e o IPS, por sua vez, obteve uma alta acumulada em 2021 de 1,7%. Dos oito itens que compõem cada um dos indicadores, encerram o mês com decréscimo em suas variações médias os segmentos de saúde e cuidados pessoais, alimentação e bebidas e despesas pessoais. A educação se manteve estável.

A previsão da FecomercioSP é que a pressão nos preços continue por causa da questão climática, que vai afetar a produção de energia. Além disso, a entidade pontua que há a alta das commodities, que impacta nos custos e preços dos alimentos e dos combustíveis. "Desta forma, o consumidor terá de continuar o seu exercício de buscar formas de economizar para manter o orçamento saudável", diz a federação.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais