Sustentabilidade

Da quase falência à fazenda modelo

Quando ficou viúva e com três filhos para criar, a então ortodontista Marize Porto deixou o haras que herdara do marido aos cuidados de uma pessoa de confiança. Quatro anos depois, encontrou a propriedade degradada e afundada em dívidas. Foi quando assumiu a Fazenda Santa Brígida, bateu na porta da Embrapa e conseguiumudar o curso da história ao integrar lavoura-pecuária-floresta

Crédito: Divulgação

Fazenda Santa Brígida: Atualmente 4 mil cabeças de boi convivem com eucaliptos e plantação de grãos (Crédito: Divulgação)

Recuperação: Foram 13 anos até conseguir o resultado de hoje (Crédito:Silvana)

No início do século passado, o pequeno município de Ipameri, situado nos rincões de Goiás, estava com prestígio em alta. Com a inauguração da Usina Hidrelétrica do Rio do Braço, havia se tornado a primeira região do estado a ter energia elétrica instalada. A inauguração da estrada de ferro no mesmo ano de 1913 também colocava o local como exemplo de uma economia pujante e promissora. A expectativa se desencontrou da realidade, o desenvolvimento local arrefeceu e sua capacidade de influência migrou para Uberlândia, Anápolis, Goiânia e depois para Brasília. Mais de 100 anos se passaram e, neste novo século de novas tecnologias, Ipameri volta a atrair a atenção. Desta vez, com o agronegócio e graças ao trabalho comandado por Marize Porto em parceria com a Embrapa que levou a Fazenda Santa Brígida a tornar-se modelo de sustentabilidade da Rede ILPF – Integração Lavoura, Pecuária e Floresta.

Quem vê o resultado de hoje, não imagina o nível de degradação que a propriedade se encontrava há 14 anos. “A Fazenda estava feia, deteriorada e, pior do que tudo, repleta de dívidas para todos os lados. Estava no buraco”, disse Marize. O trabalho de reconstrução começou em 2006, mas para entender essa trajetória é preciso voltar um pouco na história. “No começo alguns me olhavam com pena e outros como doida, mas todos acharam que eu iria perder a fazenda. Com um passo depois do outro, construímos um negócio diversificado, produtivo, rentável e sustentável”, afirmou.

Integração: A técnica lavoura-pasto-floresta foi apresentada pela Embrapa (Crédito:Divulgação)

A história de Marize com a Fazenda nasceu de uma tragédia. Em 2002, com três filhos menores de idade, perdeu o marido ainda muito jovem. De uma hora para outra, ela que morava em Campinas (SP), era ortodontista e professora da disciplina nas faculdades da área, se viu dona de um haras a 676 quilômetros de sua casa. Sem entender nada dos negócios do campo, a saída foi entregar a gestão da propriedade a uma pessoa de confiança. Assim foi feito. Com o passar do tempo, no entanto, algumas informações de que a fazenda não ia bem foram chegando até que em 2006, ao chegar no local e ver a situação da fazenda, resolveu assumir a administração de sua propriedade.

Dentre as primeiras iniciativas que tomou foi conversar com vizinhos para entender como poderia começar o trabalho. O primeiro passo seria recuperar a pastagem. De boca em boca foi ouvindo soluções que invariavelmente chegavam ao gerente do banco. “Era tudo muito caro, eu não tinha dinheiro, ninguém no banco me conhecia e o ciclo do empréstimo era mais curto do que o da engorda do boi. A conta não fechava”, disse Marize. Sem saber a quem mais recorrer, lembrou de um escritório da Embrapa na região. Pegou o carro e foi bater lá. Deu de cara na cancela. “Eu nem sabia que era preciso agendar um compromisso. Foi quando, ali mesmo, lembrei que um tio já falecido conhecia alguém na Embrapa”, afirmou. Depois de um breve telefonema para tia, ainda de dentro do carro, falou para o segurança que queria falar com o Homero Aidar. Por sorte, ele estava lá e a recebeu.

“No começo alguns me olhavam com pena e outros como doida, mas todos acharam que eu iria perder a fazenda” Marize Porto Proprietária da Fazenda Santa Brígida (Crédito:Silvana)

SUSTENTABILIDADE Assim começava efetivamente o caminho da Fazenda Santa Brígida rumo à sustentabilidade. Por orientação de Aidar e do pesquisador João Kluthcouski, o João K, ela descobriu que se plantasse grão integrado com capim, o pasto sairia de graça, pois o dinheiro da colheita pagaria o capim. Foi então que ela pegou umas reservas e investiu em fertilizante que precisava ser pago à vista e antecipadamente. “Quando me perguntavam qual a área que eu ia plantar, eu respondia: a área que o fertilizante der”, afirmou. Sem maquinário, funcionários ou conhecimento fez uma espécie de escambo com o vizinho: em troca do arrendamento de uma área da Santa Brígida ele faria da plantação à colheita. No primeiro ano, plantou arroz, soja e milho em cerca de 200 hectares. “Tive sorte de principiante, vendi o arroz muito bem e no fim da primeira safra aconteceu o que o Aidar havia falado: eu tinha dinheiro no bolso e pasto de graça”, afirmou.

Experimentando pela primeira vez os benefícios de projetos sustentáveis no campo, Marize viu no caminho uma possibilidade de diferencial. Foi então que ainda no terceiro ano no comando dos negócios decidiu investir na floresta de eucalipto. “A árvore era conhecida, vendia bem e me possibilitaria fazer um corte cedo [3 anos] para vender como combustível e gerar fluxo de caixa, um corte tardio [6 anos] para construção civil e ainda fiz uma fileira com tempo de corte maior para ser usada como matéria-prima pela indústria moveleira”, afirmou. Além da receita extra que melhorou a rentabilidade da fazenda como um todo, ao integrar lavoura-pecuária-floresta foi possível dar mais conforto aos animais e proteção climática aos pastos e lavouras contra o forte calor do cerrado goiano. Retorno direto e indireto.

Com o modelo, os resultados e rentabilidade da Santa Brígida superaram as perspectivas mais otimistas da empresária. Em soja, a produtividade subiu de 39 sacas para 80 sacas por hectare. Após a primeira safra, entrava a safrinha de milho em uma área, e quatro mil cabeças de gado, na outra. Na área total de três mil hectares, ainda são plantados girassóis, sorgo, o próprio eucalipto e, mais recentemente, a uva do cerrado.

TECNOLOGIA Apesar de toda a história de superação, um fato ainda afligia a proprietária. Como gosta de dizer, ela produzia sustentabilidade, mas não a vendia. No fim das contas, o gado ou os grãos tinham o mesmo valor de mercado de quem fazia tudo sem responsabilidade com o meio ambiente. Foi quando passou a investir ainda mais em tecnologia com o objetivo de ter números tanto para melhorar a gestão, como para comprovar o trabalho. Todas as máquinas da fazenda foram modernizadas para se comunicarem diretamente com softwares enviando informações sem interferência humana sobre a colheita. Até na pecuária, Marize aumentou a digitalização. Hoje uma balança de passagem está colocada na entrada da praça de alimentação. Toda vez que o animal sai ou entra, o chip preso em sua orelha e a balança se conectam enviando aos computadores informação sobre o animal, seu peso, o horário de entrada e saída da praça.

O golpe de mestre nesta jornada aconteceu recentemente quando a Fazenda Santa Brígida passou por um processo de auditoria que lhe rendeu o primeiro título de Fazenda Sustentável auditada pelo TrustScore, solução contratada pela Rede ILPF. Desenvolvido pela consultoria independente Ceptis Agro, o sistema serve especificamente ao agronegócio com o objetivo de mensurar os níveis de sustentabilidade no campo de forma contínua. “Para obter credibilidade nacional e internacionalmente é preciso quantificar resultados de qualquer decisão no campo do ponto de vista social, ambiental ou econômico”, afirmou José Pugas, sócio da Ceptis Agro. No TrustScore do Agro, 124 critérios são avaliados, a maioria deles automaticamente em tempo real e via satélite, gerando uma pontuação e relatórios semanais sobre a propriedade. “Dessa forma reduzimos a burocracia e também os riscos embutidos em certificações obtidas com base da auto-declaração”, disse Puga. Na Agronomia 5.0 tudo será cada vez mais planejado, mensurado e tratado com transparência, ainda mais quando se tratar de sustentabilidade.

Fazenda Santa Brígida
Proprietária: Marize Porto
Local: Ipameri, Go
Área total: 3 mil hectares
Plantel: 4 mil cabeças de boi
Lavoura: soja, milho, sorgo, sorgo, girassol e uva do cerrado
Certificação: Fazenda Modelo da Rede ILPF, auditada pelo TrustScore do Agro

 

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro