• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Tecnologia27/07/2021

De Marte para o campo

Correção de solo aumenta produtividade em até 6 vezes

(Créditos: Istock)
André Sollitto
André Sollitto27/07/21 - 17h57min - Atualizado em 28/07/21 - 11h26min

Observado há anos, Marte começa aos poucos a ser desvendado graças ao avanço da tecnologia. A boa notícia, como de costume quando se fala da indústria espacial, é que a maioria das inovações de lá acabam chegando à vida cotidiana. Foi assim com as lentes de óculos resistentes a arranhões, e é exatamente o que está acontecendo agora. O robozinho que ilustra esta página, o Perseverance, pousou no Planeta Vermelho no dia 18 de fevereiro deste ano para investigar sua biologia e geologia, assim como a possibilidade do lugar ter sido habitável no passado. O equipamento é uma evolução de uma tecnologia de análise de solo já testada por lá e que, neste momento, está ganhando escala no campo brasileiro.

ROBÔ MIRÃ I

Trata-se de um pequeno telescópio e um laser de alta potência, que dispara pulsos de laser contra as rochas de Marte e das lavouras do Brasil. “A luz que reflete do material é coletada e analisada”, disse Ivair Gontijo, engenheiro de sistemas do Jet Propulsion Laboratory (JPL), divisão da agência espacial americana. Se em Marte a análise ajuda a descobrir a existência ou não de vida extraterrestre, na agricultura está ajudando os produtores brasileiros em coletar dados que podem ampliar a produtividade no campo de maneira sustentável.

A tecnologia tem nome e apelido. Em inglês foi batizada de Laser-Induced Breakdown Spectroscopy, mas pode chamar simplesmente de Libs. Em português significa espectrometria de emissão óptica com plasma induzido por laser. O termo é complexo, mas o funcionamento da tecnologia é (um pouco) mais simples. Ela consiste na análise química de amostras por meio de um laser pulsado de alta energia, que atinge temperaturas da ordem de 9,7 milºC, equivalentes à da superfície do Sol. Quando o laser interage com a amostra, provoca a explosão do material, gerando um plasma – nuvem com prótons, nêutrons e elétrons livres. Esse plasma emite uma luz característica da composição da matéria, que é analisada por um espectrômetro, permitindo a detecção de elementos químicos como fósforo, ferro, zinco e carbono.

Para atender a demanda de estudo de solo, robô que caminhava no campo foi adaptado em bancada, nomeado como aglibs

No Brasil, a Embrapa Instrumentação começou a pesquisar a técnica nos anos 2000. “Naquela época já nos preocupávamos com as mudanças climáticas e a produção sustentável. Então começamos a testar essa técnica para análises de carbono no solo”, disse Débora Milori, pesquisadora da instituição. Os estudos serviram de base para o Projeto Pecus, lançado em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que visava quantificar as emissões da pecuária brasileira de forma mais precisa. “Os resultados foram muito legais em laboratório, impulsionando o desenvolvimento de novos modelos ainda melhores, com sistemas mais portáteis e precisos”, disse Débora. Após aprovação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), a Embrapa, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), instalou o sistema Libs em cima de um corpo de metal, apelidado de Robô Mirã I.

NA PRÁTICA O protótipo chamou a atenção do engenheiro agrônomo Fábio Angelis, que trabalhou mais de dez anos em uma multinacional e hoje é o fundador e CEO da Agrorobótica, agtech de análise física e química de solo. “Vi o potencial da Libs em reduzir os impactos ambientais: além de quantificar carbono, poderia substituir o uso de reagentes nos métodos químicos utilizados pelos laboratórios na análise de solo”, disse. Angelis, então, procurou a Embrapa e a pesquisadora Débora, firmando uma parceria para o desenvolvimento da tecnologia que recebeu o nome de Aglibs. A operação comercial teve início no ano passado, com algumas alterações, e começa a ganhar escala. Na empresa, o robô instalado em uma bancada já é capaz de analisar mais de 1 mil amostras de solos diariamente, fornecendo dados de quantidade de carbono orgânico, textura (teores de areia, silte e argila) e pH. De acordo com o empreendedor, a mudança para um robô fixo em vez de móvel foi feita pelo custo-benefício. “Com esse modelo garantimos mais assertividade e eficiência, pois conseguimos digitalizar rapidamente todos os resultados e disponibilizá-los para o produtor via aplicativo”, disse. Com os resultados gerados, a agtech fornece recomendações agronômicas e o produtor pode fazer correções no solo. De acordo com a empresa, com a tecnologia é possível aumentar a produtividade da lavoura em até seis vezes. Além disso, proporciona economia no uso de insumos, já que ao compreender a composição química da terra o produtor faz um manejo mais consciente. O ganho ambiental é duplo: além de reduzir o uso de químicos na lavoura, pode – e deve – ser usada para mensurar e comprovar a quantidade de carbono presente no solo. “O Brasil vai ser o maior mercado de crédito de carbono do mundo”, disse Angelis. E é nesse mercado que ele aposta. Até o momento, a empresa já analisou mais de 80 mil amostras, cobrando R$ 100 por hectare.

“Já nos preocupávamos com sustentabilidade. Então usamos a técnica Libs para análise de carbono no solo”

Mesmo com benefícios econômicos e ambientais o uso em escala dos robôs é incerto devido ao alto custo e a duração do produto no campo

FUTURO Mesmo com o exemplo de uso prático pela Agrorobótica, a popularização dessa tecnologia, especificamente, e da robótica de maneira geral, ainda enfrenta grandes desafios. O valor pago pelo produtor, de acordo com Mateus Mondin, professor da Esalq-USP, é um deles. “O custo ainda é muito alto , mas considerando o barateamento das tecnologias, vejo grande potencial futuro”, afirmou. Na outra ponta, o pesquisador defende que a rotatividade do produto também pode ser um fator de desinteresse, “já que normalmente é um equipamento de longa durabilidade”, disse.

Para a sorte do campo, o empreendedor subverte ordens e prova que com alguma adaptação até tecnologias espaciais podem chegar ao chão. Ainda que nunca deixe de sonhar, como o Angelis. “Por enquanto a tecnologia na bancada atende à demanda, mas sem dúvidas ter um robô pode ser um plano futuro de expansão da empresa”.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais