• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias05/07/2021

Decisão sobre tombamento da Chácara das Jaboticabeiras é adiada para agosto

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo05/07/21 - 19h59min

A decisão sobre o tombamento definitivo do quadrilátero conhecido como Chácara das Jaboticabeiras, no miolo da Vila Mariana, foi adiada para 23 de agosto após o pedido de vistas do processo. O tema foi discutido em reunião do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) na tarde desta segunda-feira, 5.

O local abrange o miolo de um quadrilátero delimitado pela Avenida Conselheiro Rodrigues Alves e as Ruas Umberto I, Joaquim Távora e Domingos de Morais. Na prática, inclui as Ruas Doutor Fabrício Vampré, Benito Juarez e Coronel Artur Godói, além das Praças Arquimedes da Silva e Damásio Paulo, nas proximidades da estação Ana Rosa, do Metrô.

O pedido de tombamento está em andamento na Prefeitura desde 2019, aberto pela arquiteta Albertina Jorge de Carvalho, ligada ao coletivo de moradores Chácara das Jaboticabeiras. Naquele ano, o entendimento de que a área deveria ser preservada foi registrado em ata, porém regramentos e diretrizes seguiram em discussão ao longo dos dois anos seguintes.

O adiamento da decisão desta segunda ocorreu após pedido de vistas do conselheiro Antonio Carlos Cintra do Amaral Filho, representante da Secretaria Municipal de Justiça (SMJ). O representante da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SP), Rubens Elias Filho, também declarou não se sentir em condições de votar naquele momento, destacando o volume de mais de mil páginas do processo.

Mais de 200 pessoas acompanharam a reunião pela internet, que durou cerca de 3 horas. Entre os que se manifestaram, estavam também representantes de empresas do setor imobiliário que possuem lotes na área e integrantes do coletivo Chácara da Jaboticabeiras. Os moradores que integram o grupo manifestaram oposição à construção de edifícios verticais na área.

Os pontos de maior divergência entre os grupos contrários e favoráveis ao tombamento é a manutenção da Rua Fabrício Vampré no perímetro (setor imobiliário argumenta já haver alguns prédios na via) e a limitação de altura para construções (na maioria do quadrilátero, a proposta prevê limite de 10 metros).

Também foi questionada a exigência de um mínimo de 15% a 25% de área permeável (isto é, não revestida por piso ou construção, que permite a penetração da água da chuva) e também as regras para a junção de dois terrenos em um só (o chamado remembramento).

Loteamento é datado dos anos 1920 e mantém parte das características originais

A área é referente ao loteamento "Villa Jaboticabeira" (antiga"Villa Kostka"), cuja autoria é atribuída ao engenheiro (e ex-prefeito paulistano) Francisco Prestes Maia e Antonio Smith Bayma, de acordo com levantamento histórico apresentado pela arquiteta Ana Lúcia Winther, do Núcleo de Identificação e Tombamento do Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), vinculado à Secretaria Municipal da Cultura.

As vias internas até hoje mantêm o desenho estabelecido entre 1924 e 1928, "apresentando valor afetivo e referencial para a população", destacou a arquiteta. Ela ressaltou que a área inclui uma grota natural parcialmente projetada pelo engenheiro Paulo Taufik Camasmie e é, predominantemente, ocupada por casas em um "modelo de ocupação que não se produz mais em São Paulo".

A proposta de tombamento apresentada pelo DPH prevê a preservação da vegetação local, especialmente das árvores, dos ajardinamentos (públicos e privados) e da permeabilidade do solo. Também determina que os imóveis não podem ficar encobertos por muros fechados, com a exigência de "transparência e permeabilidade visual".

Requer ainda a preservação do traçado urbano das áreas públicas, como calçadas, passeios e praças. Além disso, prevê a manutenção da pavimentação das vias com paralelepípedos. Parte dos regramentos indicados foi separada para cada uma das três subáreas do local.

Se a proposta for aprovada, qualquer projeto ou intervenção nos lotes privados e na área pública deverá passar por análise e aprovação prévia no DPH e no Conpresp. "Intervenções, quando necessárias e se devidamente justificadas, deverão manter testemunhos do projeto original", destaca a proposta de tombamento.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais