Negócios

Defensivos: Nutrien adquire registros da BRA e busca crescer em distribuição

Crédito: Arquivo / Dinheiro Rural

A empresa comprou registros para culturas como soja, milho, algodão, cana-de-açúcar, hortifruti e café (Crédito: Arquivo / Dinheiro Rural)

São Paulo, 15 – A gigante canadense de fertilizantes e distribuição de insumos Nutrien anunciou nesta quarta-feira (14) a aquisição de registros de mais de 100 defensivos genéricos da BRA Agroquímica (BRA), para culturas como soja, milho, algodão, cana-de-açúcar, hortifruti e café. O valor do negócio não foi revelado. Esta é a terceira aquisição da empresa no Brasil este ano – as duas anteriores foram dos grupos de distribuidores de insumos Tec Agro e Agrosema. A Nutrien, que busca se tornar líder em distribuição de insumos no País até 2024, vê oportunidade de novas aquisições nesse segmento já nos próximos meses.

+ Nutrien tem lucro líquido 11% menor no 2º tri, de US$ 765 milhões

Segundo o presidente da Nutrien na América Latina, André Dias, a compra de registros da BRA faz parte do conceito de ser uma empresa de varejo de insumos que também possui marcas próprias. “Estamos construindo a nossa plataforma de distribuição de insumos no Brasil por meio de aquisições e da presença que já tínhamos anteriormente. Essa aquisição se insere nesse contexto e faz parte da nossa estratégia de produtos próprios”, disse Dias. “Com a aquisição desse portfólio da BRA, nos capacitamos para produzir e comercializar uma série de defensivos genéricos, que serão ofertados aos agricultores junto com os demais itens que produzimos e os que compramos de nossos parceiros estratégicos (outras empresas de insumos).”

Conforme o executivo, os defensivos serão comercializados sob a marca Loveland, que hoje já é utilizada pela Nutrien para os segmentos de produtos nutricionais e adjuvantes. A empresa produz ainda sementes e fertilizantes no País. “O objetivo é ampliar a nossa oferta de produtos ao agricultor”, disse Dias. O portfólio adquirido da BRA inclui herbicidas, inseticidas e fungicidas.

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro