• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias06/10/2021

Deflação no atacado indica que pior da estiagem começa a ficar para trás, diz FGV

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo06/10/21 - 12h58min

A queda nos preços no atacado de outras matérias-primas, além do minério de ferro, que puxou a deflação do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de setembro, é um primeiro sinal de que os piores efeitos climáticos (estiagem e frio) sobre a inflação estão começando a ficar para trás, afirmou André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Mais cedo, a FGV informou que o IGP-DI caiu 0,55% em setembro, arrefecendo o avanço no acumulado em 12 meses, que ainda está em 23,43%.

Começar a deixar o pior momento dos efeitos climáticos para trás significa algum alívio na pressão por reajustes nos preços dos alimentos. Isso pode moderar um pouco a difusão da inflação ao consumidor, mas nada capaz de mudar tendência de forma abrupta, segundo Braz. Ainda puxado pela "inflação de energéticos", formada por combustíveis e conta de luz, o IPCA, indicador oficial de preços calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), poderá terminar o ano em 9,0%, estima o especialista.

Os sinais de que o pior da estiagem pode ter ficado para trás apareceram no IPA-DI, que mede os preços no atacado. O milho em grão recuou 5,10% (ante alta de 5,26% em agosto), os bovinos (os animais vivos, cujos preços influenciam, posteriormente, o preço final das carnes) ficaram, em média, 2,69% mais baratos (ante queda de 0,24% em agosto) e mesmo o café em grão, que avançou 7,83%, arrefeceu perante o salto de 15,10% em agosto.

A safra de milho e a pecuária estão entre as atividades mais atingidas pela estiagem, enquanto as lavouras de café foram prejudicadas pelas geadas do inverno. Segundo Braz, os efeitos nos preços no atacado começam a ficar para trás em setembro porque os prejuízos com as quebras de safra já foram realizados. "A seca quebrou as safras, o prejuízo já foi contabilizado, então, é bola para frente. O preço já subiu e não tem mais porque subir mais", afirmou o pesquisador da FGV.

Isso não quer dizer que acabaram os efeitos secundários. A quebra na safra de cana, por causa da estiagem, ainda está acelerando a alta de preços do açúcar e do etanol, com impacto secundário sobre os combustíveis em geral. A alta dos preços do álcool, que é misturado na gasolina vendida ao consumidor, impulsionou a aceleração da gasolina no IPC-DI, que monitora os preços no varejo - mesmo sem reajustes nas refinarias da Petrobras, a gasolina ficou 3,38% mais cara em setembro, ante um avanço de 1,14% em agosto.

Em parte por isso, a "inflação dos energéticos" seguirá no radar até o fim do ano, segundo Braz. O pesquisador não descarta novos reajustes da gasolina vendidas nas refinarias, já que as cotações internacionais de petróleo e o dólar no mercado nacional vêm subindo recentemente. Semana passada, a Petrobras anunciou reajuste no diesel, que não foi captado pelo IPA-DI, mas exercerá pressão importante na leitura de outubro, disse Braz.

A outra componente da "inflação dos energéticos", a conta de luz, ficou 8,52% mais cara no IPC-DI de setembro. Conforme Braz, novos saltos não deverão se repetir, já que o efeito da bandeira extraordinária, taxa adicional introduzida pelo governo nas contas de luz para compensar o acionamento das usinas termelétricas e estimular o consumo de eletricidade, mas os efeitos secundários ainda poderão ser sentidos. Isso porque a manutenção da alta em 12 meses em patamares elevados até o ano que vem - a bandeira extraordinária valerá até abril - pressiona negócios que usam muita eletricidade, em diversos setores, a reajustarem seus preços finais.

"Quando o governo mantém a bandeira mais cara por muitos meses, estimula repasses", afirmou Braz.

Esse efeito secundário poderá impedir um alívio maior no espalhamento da inflação ao consumidor. Em setembro, o índice de difusão do IPC-DI, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, ficou em 65,48%, 12,58 pontos porcentuais abaixo do registrado em agosto, quando o índice foi de 78,06%. A redução da pressão por mais reajustes nos alimentos ajuda na acomodação do índice de difusão, mas os energéticos impedem queda maior, o que deverá deixar o nível de espalhamento da inflação acima da média neste fim de ano, disse Braz.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
análise