Artigo

Diarreia Viral Bovina (BVD): Como a Europa está tentando erradicar a doença

Diarreia Viral Bovina (BVD): Como a Europa está tentando erradicar a doença

SONY DSC

A BVD (diarreia viral bovina) é atualmente uma das doenças mais devastadoras na pecuária de corte e leite, visto que além dos problemas causados pelo próprio vírus, possui potencial imunossupressor, provocando o nascimento de bezerros fracos ou doentes, aumento dos problemas respiratórios e baixo desempenho reprodutivo no rebanho. O diagnóstico da doença pode ser realizado a partir de testes de amostras em tanques de leite, soro ou fragmento de orelha. Os dados a seguir mostram a soroprevalência (exposição ao vírus) para BVD em países importantes: Reino Unido: 90% a 95%; Irlanda: 98%; Alemanha: 60%; França: 60%; Itália: 62%; Espanha: 80%. No Brasil, os valores chegam a 73% em algumas áreas (Brito et al., 2014).

Os animais afetados mostram sintomas diferentes e, em muitos casos, há uma lacuna entre a exposição ao vírus e a manifestação dos sinais clínicos. Um dos fatores de extrema importância para a perpetuação e a alta prevalência global é a formação dos PI (persistentemente infectados). Eles são gerados quando fêmeas prenhas são infectadas entre 40 e 120 dias de gestação. O bezerro que está sendo gerado nascerá imunotolerante e capaz de disseminar o vírus ao longo de toda a sua vida.

Dados de vigilância¹ sugerem que os níveis de animais PI nos rebanhos em toda a Europa são: Reino Unido: 0,4-0,8%; Irlanda: 0,6%; Alemanha: 0,3%; França: 1%; Itália: 1%; Espanha: 1%; Brazil: 1,5% (Instituto Biológico, 2017).

Um aspecto interessante descrito em uma pesquisa² realizada na Europa, avaliando os dados da década de 1970 até o momento, é que a BVD é endêmica em todos os países onde nenhum controle sistemático foi iniciado. Sob tais condições, aproximadamente 50% de todos os rebanhos têm animais PI e 90% de todos os animais sofrem exposição ao vírus durante sua vida.

Um fator importante a ser considerado é que os países nórdicos começaram a erradicar a BVD há cerca de 10 anos, usando uma combinação de triagem, identificação de PIs e subsequente abate, além de medidas de biossegurança. Os países nórdicos agora são classificados como livres de BVD.

A Suíça iniciou um programa de erradicação em 2006. As infecções por BVD estavam causando perdas significativas para o rebanho nacional, com cerca de 58% dos animais positivos para exposição ao vírus e taxa de PIs de 0,64%³. O programa teve foco na identificação e eliminação de animais PI, começando com testes em amostras de leite, suportados posteriormente com teste de fragmento de orelha. Em 2008, todos os bovinos na Suíça tiveram que ser testados e, entre 2009-2011, todos os bezerros foram testados. A fase atual compreende testes obrigatórios de vigilância para anticorpos com identificação através de marcas auriculares.

Na Alemanha, a legislação de 2009 declarou que um programa de controle e erradicação funcionaria a partir de 2011, coletando fragmento auricular em todos os recém-nascidos e teste dos animais comercializados4.

Já na Irlanda, um programa nacional voluntário foi iniciado em janeiro de 2012 com o objetivo de identificar e remover PIs. Foram utilizados testes de fragmento de orelha e cerca de 10.000 rebanhos foram testados. Em janeiro de 2013, houve a transição para uma fase obrigatória, quando se tornou ilegal transportar animais nascidos após 1º de janeiro de 2013, a menos que estes apresentassem resultado negativo. Todos os bezerros abortados, natimortos e mortos também devem ser testados4.

A Áustria executou diferentes programas regionais desde a década de 1990, mas com sucesso variável. A legislação de 2004 estipulou que os animais PI devem ser eliminados do rebanho. A triagem anual em testes de tanque de leite e testes pontuais suportados por uma base de dados nacional e o reconhecimento de rebanhos livres de BVD demonstrou taxa de PI de 0,06% 5.

A Escócia lançou um programa subsidiado de triagem obrigatória em 2011, que se tornou obrigatório em 2012, com participação de 92% do rebanho nacional. O programa combina a eliminação de animais PIs do rebanho, com medidas de biossegurança e um banco de dados de todas as ações4.

França, Bélgica e Inglaterra estão atualmente preparando e planejando programas de controle e erradicação da BVD.

Associada a técnicas de diagnóstico e biossegurança, a utilização de vacinas de tecnologia exclusiva acelera o controle e erradicação da BVD nos rebanhos. Com a redução dos impactos negativos da BVD é possível produzir mais carne e mais leite por hectare por ano, aumentando a produtividade de pecuária.

¹ https://www.fginsight.com/news/news/bvd-zero-bvd-control-and-eradication-a-review-of-options-060214-1129

² “Um aspecto interessante descrito em uma pesquisa…”: Lindberg A., Berriatua E., Fourichon C., Mintiens K., Houe H. Position paper: epidemiology and risks. EU Thematic Network on BVDV control, 2006.

³ Rufenacht J, Schaller P, Audige L, Strasser M, Peterhans E. Prevalence of cattle infected with bovine viral diarrhoea virus in switzerland. VETERINARY RECORD. 2000;147:413–417.

4 Karl, S. and Stefan, A. BVDV control and eradication in Europe – an update. Japanese Journal of Veterinary Research 60: S31-S39, 2012.

5 Krametter-Froetscher et al. BVDV control program in Austria – is a monitoring of the BDV status in sheep in Austria necessary? Veterinarni Medicina, 54, 2009 (11): 517–524