• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias25/08/2021

Dívida Pública Federal sobe 1,24% e fecha julho em R$ 5,395 trilhões

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo25/08/21 - 15h07min

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 1,24% em julho e fechou em R$ 5,395 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 25, pelo Tesouro Nacional. Em junho, o estoque estava em R$ 5,329 trilhões.

Houve uma emissão líquida de R$ 24,37 bilhões, o que significa que o Tesouro vendeu mais títulos para se financiar no mercado do que resgatou papéis já emitidos. Ao todo, foram R$ 142,443 bilhões emitidos e R$ 118,076 bilhões resgatados.

Essa foi a primeira vez que houve emissão líquida em um mês de julho desde 2009, segundo o Tesouro. Mesmo assim, o volume total das captações ficou abaixo da média dos últimos meses.

"O Tesouro Nacional realizou, em julho, emissões abaixo da média dos últimos 12 meses, porém mantendo o caixa em posição confortável para as despesas futuras", informou o órgão.

A correção de juros no estoque da DPF, por sua vez, foi de R$ 41,66 bilhões no mês passado.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,02% em julho e fechou o mês em R$ 5,155 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 6,26% maior no mês, somando R$ 240,87 bilhões ao fim do mês passado.

12 meses

A parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 22,48% em junho para 22,72% em julho, informou o Tesouro Nacional. Nesse período, vão vencer R$ 1,225 trilhão em títulos da dívida.

Segundo o órgão, o perfil das emissões e a entrada da torre de maturação de julho de 2022 no horizonte desse indicador influenciou o aumento.

O prazo médio da dívida pública federal, por sua vez, subiu levemente de 3,73 anos para 3,77 anos.

O custo médio do estoque da DPF em 12 meses subiu e atingiu 7,64% ao ano.

O custo médio das novas emissões também teve aumento na passagem do mês, de 5,77% ao ano para 6,09% ao ano no mês passado.

Composição

Com um resgate líquido em títulos prefixados em julho e emissão mais intensa de papéis da dívida pública atrelados à Selic e à inflação, a composição da dívida teve uma alteração no mês passado.

A parcela de títulos prefixados na DPF caiu em julho, para 32,05%. Em junho, estava em 33,33%. Os papéis atrelados à Selic, por sua vez, ficaram com uma fatia maior, passando de 35,07% para 35,67%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 27,59% do estoque da DPF em julho, ante 27,13% em junho. Os papéis cambiais tiveram aumento na participação na DPF de 4,46% para 4,69% na mesma base de comparação.

Após o ajuste nas metas do Plano Anual de Financiamento (PAF), feito no mês passado, todos os papéis estão enquadrados nos objetivos traçados pelo Tesouro para o ano.

O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos atrelados à taxa básica de juros em 2020 vai de 33% a 37%. Para os prefixados, o intervalo é de 31% a 35%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta é de 26% a 30% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

Estrangeiros

A fatia dos investidores estrangeiros na dívida pública caiu em julho, apesar de um acréscimo de R$ 3,3 bilhões em papéis da dívida interna nas mãos desses detentores no mês. De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a participação dos não residentes no Brasil no estoque da DPMFi passou de 9,71% em junho para 9,67% no mês passado.

O estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 498,72 bilhões em julho.

A maior participação no estoque da DPMFi, por sua vez, segue com instituições financeiras, que detêm 30,77% da DPMFi, segundo a posição de julho. O estoque nas mãos dessas instituições está em R$ 1,586 trilhão.

Os fundos de investimentos também comparam mais papéis e ganharam participação (de 23,63% para 24,22%). O estoque é de R$ 1,248 trilhão.

O grupo Previdência reduziu a participação de 22,96% para 22,33% de um mês para o outro, com um estoque de papéis R$ 20 bilhões menor.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais