• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias09/08/2021

Dólar fecha em leve alta com mercado dê olho em novo Bolsa Família

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo09/08/21 - 17h57min

Depois de ensaiar uma arrancada até o patamar de R$ 5,30 na primeira etapa de negócios, em dia marcado por valorização global da moeda americana e muita volatilidade, o dólar à vista perdeu força por aqui ao longo da tarde e chegou a tocar brevemente o terreno negativo, mas acabou encerrando os negócios em leve alta.

O alívio na taxa de câmbio se deu em meio a declarações do ministro da Cidadania, João Roma, dando conta de que os gastos para a ampliação do valor do Bolsa Família, rebatizado de Auxílio Brasil, têm que ser enquadrados no teto de gastos. A Medida Provisória (MP) com o novo programa e uma série de outras iniciativas na área social foi entregue hoje à Câmara dos Deputados.

Segundo operadores, embora a definição do aumento do Bolsa Família tenha ficado para setembro, a percepção é a de que o governo já abandonou informalmente a pretensão de elevar o benefício para R$ 400. Os sinais, ainda que tênues, em favor da preservação do teto de gastos abriram espaço para uma realização pontual de lucros e ajuste de posições. O mercado ainda permanece, porém, muito sensível à questão fiscal e monitora de perto tanto o reajuste do Bolsa Família quanto a questão dos precatórios, o que reduz o fôlego do real.

"A taxa de câmbio ainda permanece em nível elevado, apesar de ter ficado hoje quase estável em relação a sexta-feira, porque o mercado entende que os riscos para a nossa economia ainda são muito altos com a questão fiscal", afirma a economista do Banco Ourinvest Cristiane Quartaroli.

Fontes ouvidas pelo Broadcast dizem que o governo vai propor mudança no cálculo de correção dos precatórios, o que ajudaria a abrir espaço no orçamento de 2022. A PEC sobre o tema, a ser enviada ao Congresso, permitiria o parcelamento dos precatórios da União a serem pagos no ano que vem, com mudança do índice de correção para taxa Selic (pela regra atual, parte dos precatórios são corrigidos pelo IPCA mais a remuneração da caderneta de poupança).

Com máxima de R$ 5,2989 e mínima de R$ 5,2148, o dólar à vista fechou a primeira sessão desta semana em alta de 0,21%, a R$ 5,2473. Na B3, o dólar futuro para setembro subia 0,30%, a R$ 5,26300, com giro na casa de US$ 13 bilhões.

"Não é que a MP do novo Bolsa Família agradou de todo. Vai agradar mesmo na hora em que o mercado entender qual será o valor. Na verdade, o mercado só deu uma corrigida no exagero da alta do dólar pela manhã, quando tinha estresse na Bolsa também com queda do minério e do petróleo", afirma o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus.

Para o diretor da Wagner Investimentos, José Faria Júnior, o governo "dormiu no ponto" na questão dos precatórios e houve muito ruído em torno do reajuste do Bolsa Família para R$ 400, o que provocou estragos nos mercados. "O Brasil flerta com o abismo sempre que discute o Orçamento. Foi assim no ano passado. Mas o pior parece que está passando,", afirma Júnior "Na questão dos precatórios, vai ter que parcelar mesmo. Mas o Bolsa Família deve ficar dentro do teto e vai ter veto na questão do Refis (programa de parcelamento de dívidas)".

Júnior também ressalta que o aumento da taxa Selic, embora ainda não dê sustentação a apostas a favor do real, já desencoraja a manutenção de posições mais fortes em dólar, o que também ajuda a conter avanços maiores da moeda americana. "Um dólar na faixa de R$ 5,15 a R$ 5,18 é possível. Abaixo disso é difícil por conta da questão externa, com essa expectativa sobre a retirada de estímulos pelo Fed".

Lá fora, o índice DXY - que mede o desempenho do dólar frente a seis moedas fortes - opera em alta, perto do patamar dos 93,000 pontos. As divisas emergentes também apanharam hoje do dólar, em dia de queda do petróleo e do minério de ferro, além de preocupações com a disseminação da cepa Delta do coronavírus.

Depois dos números expressivos do relatório de emprego (payroll) nos EUA em julho, divulgado na sexta-feira, cresceram as apostas em torno de que o Federal Reserve anuncie nos próximos meses o início da redução do ritmo de compra de bônus (tapering). Isso reforça ainda mais a importância do índice de preços ao consumidor (CPI) de julho, que será divulgado na quarta-feira (11)

O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, afirmou hoje que o "tapering" pode começar entre outubro e dezembro, mas ponderou que uma decisão depende do eventual impacto da variante Delta sobre a economia americana. Já o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, foi mais duro e disse que a instituição deveria anunciar o "tapering" em setembro

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
dolar