• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias25/11/2021

Dólar recua em meio à desaceleração do IPCA-15 e com Auxílio Brasil no foco

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo25/11/21 - 09h50min - Atualizado em 25/11/21 - 09h50min

O dólar abriu praticamente estável no mercado à vista, com viés de alta de 0,02%, mas passou a cair em seguida, com mínima a R$ 5,5698 até o momento, acompanhando a desvalorização predominante da divisa dos Estados Unidos ante moedas principais e a maioria das emergentes e ligadas a commodities em dia de feriado nos EUA, que mantém os mercados fechados por lá.

Os investidores repercutem a retirada da indexação do Auxílio Brasil a partir de 2023 à variação da inflação do relatório da medida provisória que define o desenho do novo programa criado para ser a marca do governo Bolsonaro. A votação da MP está marcada para esta quinta-feira, pela manhã na Câmara dos Deputados. Ainda avaliam a desaceleração dos índices de preços no País.

O principal, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de novembro, subiu 1,17%, abaixo da alta de1,20% em outubro, dentro do intervalo das projeções do mercado (de 0,86% a 1,23%), mas acima da mediana (1,14%). A prévia da inflação oficial do País registrou ainda alta de 9,57% no ano e avanço de 10,73% em 12 meses, neste caso perto do teto das estimativas dos economistas (de 10,39% a 10,80%).

Mais cedo, o IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo, mostrou alta de 0,90% na terceira quadrissemana de novembro, desacelerando também um pouco após a alta de 0,98% na segunda quadrissemana do mês.

Do mesmo modo, o Índice Nacional de Custos da Construção (INCC-M) desacelerou de 0,80% em outubro para 0,71% em novembro. Com o resultado, a inflação acumulada pelo índice em 12 meses passou de 15,35% para 14,69%.

Esses dados devem ajudar os investidores a calibrar suas apostas para a Selic, especialmente após o tom mais suave de declarações ontem do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Campos Neto disse ontem que a política monetária se tornou mais potente sem a pressão que era exercida por subsídios de crédito que foram retirados, o que foi entendido como sinal de que não há necessidade de acelerar as doses de aperto nos juros. Por enquanto, a curva aponta 70% de chance de alta de 200 pontos-base e 30% de probabilidade de alta de 150 p.b, considerando apenas essas duas opções. A Selic está atualmente em 7,75% ao ano.

Às 9h36, o dólar à vista caía 0,23%, a R$ 5823. O dólar futuro para dezembro recuava 0,45%, a R$ 5,5880.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais