• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias28/12/2021

Doria: plano é iniciar vacinação de crianças com ou sem aprovação de Ministério

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo28/12/21 - 11h54min

Com o modelo de cartão de vacinação contra a covid-19 que será destinado ao público infantil pronto e já sendo impresso, nesta terça-feira, 28, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reforçou que o plano do Estado é iniciar a vacinação da faixa etária o mais rápido possível. "Com ou sem aprovação do Ministério da Saúde", pontuou.

Segundo o tucano, que desde o início da pandemia trava batalhas com o governo federal e com o Ministério da Saúde quando o assunto é vacina, a questão não é de "formalização", mas de proteção à população.

Mesmo sem o sinal verde do Ministério, Doria diz confiar que o governo paulista terá as vacinas para iniciar a imunização das crianças logo no início de janeiro.

"São Paulo vai fazer todos os esforços possíveis para aquisição da vacina para as crianças", declarou o governador.

Por enquanto, a vacina da Pfizer é a única que está autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a vacinação de crianças. Contudo, o governador afirmou estar "gestionado" um pedido de uso emergencial da Coronavac para o grupo.

A imunização das crianças tem sido o mais novo palco de disputa entre o governo e os Estados. O presidente da República, Jair Bolsonaro, que é contra a imunização da faixa, não esconde sua insatisfação com o tema.

Na segunda-feira, 27, o presidente voltou a questionar a necessidade de se imunizar as crianças ao afirmar que as mortes por covid-19 não justificam a adoção de uma vacina contra a doença. Na sequência, Bolsonaro também informou que não vai imunizar sua filha Laura, de 11 anos.

A declaração do presidente contraria a posição de técnicos do próprio Ministério da Saúde. A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, vinculada à pasta, elaborou uma nota técnica em que reforça a segurança da aplicação das vacinas em crianças.

Após abrir uma consulta pública para avaliar a vacinação infantil contra covid-19 no País, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse na semana passada que o governo federal vai vacinar crianças de 5 a 11 anos, mas deve requisitar prescrição médica e a assinatura de termo de consentimento pelos pais. As exigências não existem em outros grupos que já tiveram a vacinação autorizada.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
coronavírus