• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Estilo no Campo09/08/2021

Em busca do lúpulo brasileiro

André Sollitto
Texto por:André Sollitto09/08/21 - 13h32min

O Brasil ocupa um lugar de destaque no mercado global da cerveja. É o terceiro maior produtor da bebida, atrás apenas da China e dos Estados Unidos, e é conhecido por grandes cervejarias com presença em diversos outros países. Um ingrediente essencial para a fabricação, no entanto, ainda não é produzido por aqui. Ao menos não em quantidades suficientes para dar conta da demanda. Trata-se do lúpulo, planta responsável pelo amargor e aroma. Quase tudo é importado de países com grande tradição no cultivo, como a Alemanha e a República Tcheca, de onde vem variedades como Hallertau e Saaz, usadas em lagers, e os Estados Unidos, responsáveis pela produção de variedades como Cascade e Amarillo, populares em receitas de IPAs. Um levantamento feito em 2019 pela Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo (Aprolúpulo) indica que foram importadas 3,6 milhões de toneladas naquele ano.

Mas a situação está mudando. E grandes cervejarias estão dando passos importantes para viabilizar a plantação de lúpulos no Brasil. Um exemplo é o Grupo Petrópolis, dono de marcas como Itaipava, Petra e Black Princess. Em 2017, a empresa investiu R$ 2,5 milhões no projeto e plantou 12 variedades em uma propriedade na cidade de Petrópolis (RJ). Foi a primeira iniciativa a receber o termo de conformidade emitido com o aval do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Hoje, a parceria com o Viveiro Ninkasi conta com 13 mil mudas em quase oito hectares e o investimento já está em torno de R$ 5 milhões. A meta é fechar o ano com 20 mil mudas, com foco em variedades que se mostram mais adaptadas, como o Cascade argentino e o Chinook americano.
“O Brasil é protagonista na história da cerveja do mundo. Queremos criar uma cultura de engajamento com produtores para fomentar o cultivo do lúpulo no País”, afirmou Diego Gomes, diretor industrial do Grupo Petrópolis. “É claro que é bom deixar de pagar imposto de importação, mas economizar na produção nunca foi nosso objetivo com essa iniciativa”, disse. Os lúpulos cultivados entram em diversas receitas, e no ano passado o grupo lançou a Braza Hops, preparada exclusivamente com a planta brasileira.

NO BRASIL

A autossuficiência ainda está distante, já que é preciso enfrentar dificuldades de plantio, como a necessidade de 15 horas de incidência solar por dia, no caso de algumas variedades. A solução passa pelo melhoramento genético. “Conversamos com pesquisadores da Embrapa para trabalhar com cruzamentos que apresentam a melhor performance. É um projeto para cinco anos”, disse Gomes.

Fomento A iniciativa do Grupo Petrópolis não é a única. Em abril, a Ambev inaugurou em Lages, Santa Catarina, a primeira linha completa de processamento de lúpulo no Brasil. O plantio terá início em setembro e a previsão da empresa é alcançar a marca de 60 mil mudas. Cerca de 500 famílias de produtores da região serão beneficiadas pela iniciativa. A primeira colheita deve acontecer em março de 2022, mas a planta demora três anos para atingir a qualidade necessária para que o lúpulo seja utilizado em cervejas.